Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]




Racismo governamental

por Nuno Castelo-Branco, em 06.02.16

Unknown.jpeg

 

Vietnamitas e tailandeses, estão em Portugal aos milhares. Quem deu por eles? Em Lisboa e nas principais cidades, ninguém. Nos campos, sim, estão um pouco por todo o lado. Não fazem exigências absurdas e despropositadas, não se "ofendem" com ninharias, são gratos a quem os acolhe, os seus locais de culto não pontilham a paisagem, ninguém os teme. São laboriosos, discretos e modestos. Pois mesmo assim, pagarão muito caro por todas essas virtudes.

Pelo que se diz, o sr. Costa pretende substituí-los por outros*.

Resta-nos saber que tipo de pressão o governo português exercerá sobre as empresas hortícolas e frutícolas para obrigar o patronato a recambiar para o sudeste asiático aqueles trabalhadores que aqui chegaram de uma forma tão discreta quanto eficaz. Os empresários que se ponham em guarda e ajam em conformidade com os seus interesses corporativos. Por caminhos ínvios, garantirão assim a segurança nacional. 

Os tailandeses são um povo pacífico, orgulhoso da sua quase ininterrupta independência histórica e para cúmulo, quase ombreiam a Inglaterra como um dos nossos mais antigos aliados. Aliás, a seguir aos ingleses, são o país com quem Portugal mantém a mais antiga aliança formal que já data de cinco séculos.

Os vietnamitas são aqueles que a esquerda, exultante há quarenta anos pela fragorosa derrota que impuseram à superpotência dominante, aclamou como povo heróico. E são, há que reconhecê-lo.

 

Pelos vistos algo mudou e o desesperadamente arrogante sr. Costa recorre ao mais baixo dos artifícios para levar avante a sua política. Nem sequer dá conta dos conflitos diplomáticos que poderá provocar. Conflitos diplomáticos? Sim, não apenas com a Tailândia e com o Vietname, mas com uma grande potência do mesmo âmbito geográfico. Com cada vez maiores interesses económicos - logo, políticos - no  nosso país é certo que não estará interessada em ver mais um Estado europeu vitimado por sobejamente reconhecidos trouble makers

Se fosse embaixador do Reino da Tailândia ou da República do Vietname, informaria o meu governo e de imediato exigiria explicações e um recuo formal ao Palácio das Necessidades, pois o racismo  também é isto: afastam-se pessoas devido à sua origem e incapacidade de directamente retaliar.  

* A pedido de Bruxelas, Passos faria precisamente o mesmo. 

publicado às 21:35


1 comentário

Sem imagem de perfil

De João José Horta Nobre a 06.02.2016 às 22:19

É uma pouca vergonha o ponto a que isto chegou. Este Primeiro-Ministro que nos calhou na rifa, uma autêntica chamuça de caril com pernas, é um ordinário em toda a linha. Estamos a ser reduzidos a cidadãos de segunda categoria por esse bandido.

Espero que, ao menos, os empresários agrícolas tenham o mínimo de juízo e percebam que se mandarem embora os asiáticos, para os substituir por muçulmanos, só vão ter problemas e não tardará para que a taxa de crime dispare nas zonas onde essa gente se instalar.

Comentar:

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.







Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds