Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]




A terceira infância de Abril

por Fernando Melro dos Santos, em 27.01.15

Estive a ver, no Diário de Notícias, as famigeradas provas às quais os professores foram sujeitos, coitadinhos. Percebo que mal saídos de casa dos pais, aos 35 ou 40 anos, tenham vivido um encontro traumático com a crueza da sua não-cristalinidade querúbica. Depois reli bem o enunciado, pensei: mas o que diria o meu avô? E encontrei facilmente a resposta.

 

Esta merda é vergonhosa. Os "docentes", ou pelo menos 2/3 deles com especial agravo nos 11% que chumbaram pela segunda vez, exibem o conhecimento e a organização mental próprios de símios dos trópicos, infantilizados, e justamente - o que torna tudo ainda pior - a um nível que faria corar um aluno da quarta classe em 1935.

 

Acomete-me um nojo irrecusável quando vejo a que maralha pueril, mimada, vácua, ignara é hoje permitido dar aulas.

 

Todos para o olho da rua, a demografia permite-o e há cortes mais injustos dos quais ninguém reclamou.

publicado às 12:27


1 comentário

Sem imagem de perfil

De José Domingos a 27.01.2015 às 20:27


É vergonhosa a posição do comité da educação, nao era isto, o ministério da educação e formatação, só perguntar aos professores, coisa que eles não sabiam.
Acho que é discriminação, uma atitude fascista, e se calhar, até nazi.
Como podem saber aquelas coisas, se andam a ter formação no sindicato.
Embora bem pago e bem avaliado, o tovarish nogueira, não fazia estes testes, eram simples de mais.
Mas isto vai mudar, com os ares novos que correm pela europa, foi assim com o obama, com o holland e vai ser com o syriza, ainda por cima aliado á extrema direita, não, á direita radical.
Estou farto desta merda toda.

Comentar post







Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas