Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Prognóstico reservado.

por Cristina Ribeiro, em 28.11.09

Porque, diferentemente,  penso que Portugal está muito doente, rodeado de podridão, mesmo. E se Espanha já foi considerado o irmão doente da Europa, mais uma vez o nosso destino lhe está ligado. Sendo por demais evidente que Aquilo que transmite informação faz homens e mulheres livres que possam, participando directamente nessa mesma vida pública, ainda acudir ao enfermo, desastroso que se tem revelado o sistema integralmente representativo, baseado apenas na partidocracia, fonte de tantos e tantos males, de que a gritante corrupção não é o menor.

publicado às 15:08

disse-lhe um aluno. Coisas muito, muito estranhas, se passam num país, onde a Educação já foi tantas vezes apontada como uma paixão, uma coisa prioritária, mas que, e não tapemos o sol com a peneira, foi preterida por outras " urgências ".

publicado às 12:17

" Foi Chão que Deu Uvas "

por Cristina Ribeiro, em 05.10.09

Auto-estima ? Orgulho Nacional?

Hoje mesmo me dizia António de Almeida que pouco se fala no Tratado de Zamora, ao que só soube responder que um povo que não " ouve " o seu passado... Vive-se, ninguém o nega, uma " cultura do vazio ", em que não há lugar para nos determos um pouco no país que já fomos, e que esta gente que agora nos governa tudo faz para que esqueçamos.Concordo totalmente com o que diz Vasco Graça Moura, quando vê " nesta baixa auto-estima nacional uma consequência directa do « divórcio dos portugueses em relação a realidades como a sua língua e o património ».Para o poeta e ensaísta, « enquanto não houver políticas de educação mais exigentes, o país não tem saída". "Portugal está cada vez mais transformado num país de analfabetos em relação ao seu próprio país. Acho lamentável que tudo isto se passe assim, com a literatura transformada numa espécie de papel higiénico e os próprios políticos a correr atrás da primeira moda com que se lhes acene ».

 

Também aqui, a começar por aqui, aliás, é urgente mudarmos de rumo. Essa a primeira obrigação de quem dirige um país: a educação, e todos nós veremos que temos muitas razões para ter uma auto-estima alta - sendo que a condição primeira é que os politiqueiros que temos, campeões da corrupção,a quem só interessa o bem estar próprio, sem que em nada lhes interesse o bem-estar, visto como um todo, da Nação, passem a ser políticos, nos quais nos possamos rever, sem termos de passar pela vergonha que nos infligem diariamente. Assim, como estamos, não há auto-estima que aguente.

publicado às 17:22

Democracia? Onde?

por Cristina Ribeiro, em 16.09.09

 

Ontem , regressava já do trabalho, deparei com o cartaz com a equipa que actualmente gere os destinos da minha aldeia, Santa Cristina de Longos - e, diga-se de passagem, o tem feito bem: as monstruosidades, a começar pela estrada municipal, e continuando no caos urbanístico, numa aldeia que podia ser um colírio para os olhos, fica por conta da Câmara, mas essa é outra história -; o espanto ficaria para hoje de manhã, quando ia para o mesmo local de trabalho: o cartaz tinha sido removido da estrutura metálica, sem dúvida por adversários políticos, cujos cartazes estão expostos há já um mês, intactos. É com gente desta que a tal de " democracia consolidada " conta? Estamos, então, conversados.

publicado às 18:54

Deslocando-me até ao Combustões

por Cristina Ribeiro, em 30.08.09

para dar os parabéns ao Miguel, ao ler da deturpação que se tem feito daquilo que é a liberdade, mais uma vez me ocorreu este texto do Pedro Félix:

 

No meio de um povo geralmente corrupto a liberdade não pode durar muito Edmund Burke in "Carta aos Xerifes de Bristol"

 

            A palavra liberdade, como muitos outros conceitos filosóficos e morais, já está tão gasta por ser repetida em circunstâncias diversas que o seu significado tem vindo a perder-se, a ser deturpado e muitas vezes manipulado.O mais comum é que cada um de nós lhe dê o seu próprio significado, condicionado pela sua percepção e concepção do mundo. E aí, no meu entender, começam os logros. .Há filósofos que eivados de vãs intenções progressistas vinculam o conceito de liberdade ao de igualdade. Nada mais falso do que acriolar um princípio absoluto como a liberdade a uma quimera anti-humana. Nem chega a ser utópico, por tão contranatura que é. Há quem o vincule à justiça e a valores morais que se prendem a questões sociais. Meros devaneios de quem quer encerrar em ideologias conceitos que devem ser absolutos e quase extra-humanos. São as ideias quase inatingíveis, entre as quais a liberdade, que levam a uma vontade visionária de querer transformar uma sociedade e de a reformar não com base em sistemas abstractos mas numa tradição perene assente em princípios absolutos e incorruptíveis os quais nortearão, com algum quê de utopia, a praxis política e a intervenção cívica.A liberdade far-se-á sentir, então, numa acção criativa e edificadora do Homem sem as amarras por este criadas com base em interesses, desejos espúrios e em sistemas falidos. A máquina burocrática, o nepotismo dos aparelhos políticos que vivem em função de quem os criou, e uma sociedade em degenerescência são os maiores inimigos da liberdade. Da liberdade autêntica, que é responsável e inerente à vontade inata do ser humano e da Natureza..

publicado às 09:21

Só mais um indício de que " isto está assim".

por Cristina Ribeiro, em 30.03.09

Consulta marcada no médico. Num terceiro andar. Dirijo-me ao elevador.

Junto deste encontro uma senhora idosa, que pergunta se vou subir. Que  sim. Suspira de alívio, e sobe também. "É que tenho medo de ir sozinha no elevador, mas não me atrevo a ir pelas escadas: a qualquer hora do dia estão pejadas de jovens que se injectam, e há dias, ia com uma neta, ameaçaram-nos com uma seringa. ". Fico sem palavras.

publicado às 20:23

Como chegámos

por Cristina Ribeiro, em 22.01.09

aqui? E quando vamos parar? E algum dia vamos parar?

Este um dos muitos buracos negros do presente, que me angustia. A muitos de nós.

publicado às 15:19

"E ainda se admiram que Salazar

por Cristina Ribeiro, em 29.09.08

 

 

 

 

 

 

 

 

tenha sido votado por uma grande maioria como o maior português de sempre", disse-lhe eu, no auge da irritação.

"Somos muitos os que acreditamos que os valores da Segurança e da Ordem são possíveis numa Democracia em Portugal, mas também são muitos os que se esforçam por demonstrar que eles só são possíveis numa Ditadura, e para isso contam com a conivência das autoridades".

          

           Nesse dia tinha havido, numa outra zona da cidade, perto dali, dois assaltos à mão armada, e havia mais de meia hora que ligara para a PSP pedindo-lhes que viessem acabar com a arruaça de altos berros. A escumalha deu-se ainda ao luxo de continuar a gritaria por mais um bom bocado, depois de lhe chamarmos a atenção, porque sabe que mesmo que chamemos a polícia, esta lhe dará ainda muito tempo...; e não se enganou: quando o agente chegou,  limitou-se a perguntar se queríamos participar o ocorrido ao Comando Geral; que sim, pelo que preencheu um formulário completíssimo, com nome dos pais, profissão, etc. etc., ao fim do que disse - "vou pôr no relatório que encontrei tudo normal"

Fiquei indignada. Depois de lhe ter dito que o colega que atendera o telefone  confirmara, porque ouvira, a barulheira, ainda lhe perguntei porque é que nos fizera perder tempo com o tal formulário.Eram quatro horas da madrugada.

publicado às 17:51

"Isto está assim..." (2)

por Cristina Ribeiro, em 15.09.08

Mas a madrugada de Sábado foi apenas mais uma: o cenário repete-se todas as noites, embora eu só o pise nos fins-de-semana.

Num deles, a minha amiga foi com o marido, numa tentativa de " refrescar" os ânimos:

- "Quando andei em Coimbra, há vinte anos- disse ela aos barulhentos, todos na casa dos vinte anos- também me diverti com os amigos, só que nunca perturbámos ninguém, sempre respeitámos os outros, coisa que desconhecem...; é impensável isto acontecer na Alemanha ou na Suíça...;

-"Nós estamos em Portugal", repostou um deles.

publicado às 17:46

"Isto está assim..."

por Cristina Ribeiro, em 13.09.08

Em casa de uns amigos.

Ele trabalha bem  cedo (daqui a poucas horas).

Como não conseguíamos dormir, com tamanha barulheira, com estudantes embriagados a tocarem  batuque altíssimo, e aos berros, a minha amiga telefonou à polícia.

Atendeu-a um senhor que disse ter cinquenta e um anos, mas que "se fosse mais novo emigrava. Isto está assim,e ninguém faz nada".

Continuam...

publicado às 02:03






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas