Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



As « Padeiras de Aljubarrota » de 1640

por Cristina Ribeiro, em 03.12.12

 

"Dizia-se que as mulheres representarão mui digno papel nesta revolução ( ... ) D. Filippa de Vilhena, fidalga ilustre de Lisboa, armou ela própria os seus dous filhos, e empunhando a espada de seu marido, que militara na India, lhes disse: «Sois cavalleiros. Ganhae um throno para el-rei, e a liberdade para a patria.» Outra fidalga, de appelido Lancastre, praticava iguaes feitos na mesma manhã, e muitas mais tinhão no centro d'alma identico pensamento. ( ... ) A duqueza de Bragança, D. Luiza Francisca de Gusmão foi quem mais decidiu o duque a actuar."

 

M. Fernando Denis, «Descripção Historica D'este Reino».

publicado às 20:40

Porque temos memória e desconhecemos a ingratidão

por Cristina Ribeiro, em 30.11.12

 

"Ha hoje provas, devidas a aturadas investigações, de que nunca, durante o dominio de Hespanha, a casa de Bragança affrouxara em suas justas pretenções. D. Theodorico protestara contra o acto iniquo, que entregava a Filipe II a corôa de Portugal. ( ... ). Sondou-se a opinião das pessoas de Lisboa, quanto ao animo dos povos, e se obteve a certeza da affeição delles á casa de Bragança. ( ... )


- Margarida de Saboia, duqueza de Mantua, governava então Portugal, na qualidade de vice-rainha, titulo brilhante a que a corte apenas dava um poder limitado. O segredo dos negocios, e quási toda a auctoridade, tinha-a Miguel de Vasconcellos, portuguez, que exercitando as funcções de secretario d'estado da vice-rainha, era ministro absoluto e independente. Recebia elle directamente as ordens do conde-duque, cuja creatura era, e a quem se tornara bem-quisto e necessario pela habilidade com que tirava de Portugal grandes quantias de dinheiro. Manejando a arma do enredo, realisava os seus mais occultos desejos, promovendo odios e inimisades entre os grandes do reino, nisso assentava a segurança e tranquillidade do ministro, pois estava persuadido que em quanto os cabeças d'estas familias allimentassem odios e vinganças particulares, não se lembrarião de tramar contra o governo.


Em Portugal,só o duque de Bragança podia inquietar Hespanha. D. Theodosio, seu páe, dotado de caracter impetuoso e cheio de foge, deixou-lhe como legado todo o seu odio aos hespanhoes, que fizera sempre olhar como usurpadores da corôa. ( ... )


D. João passava, com justa rasão, por ser um dos homens mais instruidos do seu tempo, havendo rasões para crer que fôra o gosto pelos estudos sérios que o determinou a ligar á sua casa João Pinto Ribeiro, um dos homens mais eminentes d'esta epocha. Este habil jurisconsulto, descendente d'uma familia nobre d'Amarante, de raros conhecimentos, possuia animo ardente, o coração verdadeiramente patriotico, e ia tornar-se o principal agente d'uma conjuração meditada, desde longo tempo, que surgiu de repente por ter sido o resultado de longa combinação politica. ( ... )


Mantinha-se o duque indeciso, e passou ao quarto da duqueza, cuja firme resposta mais o decidiu - « Antes perecer reinando, do que viver obedecendo. Quanto a mim, senhor, prefiro ser rainha uma hora, a ser duqueza toda a vida. Pedro Mendonça, alcaide-mór de Mourão, que fôrra a Villa Viçosa sondar as disposições de D. João, transmitiu aos conjurados uma resposta que muitos delles não esperavão. ( ... )


Chegára enfim o momento dos grandes successos.


Derão nove horas : todas as lojas se conservavão abertas, e nada fazia suppor que ia começar uma grande alteração politica, no bairro onde habitava a duqueza de Mantua. No terreiro, ou largo do paço, havia tanto socego como nos tranquillos dias de Filipe III. D. Miguel d'Almeida, fidalgo velho que visitava a miude o paço, atravessava o limiar d'este quando de repente se ouviu um tiro de pistola. Era o signal convencionado, dado o qual sairão centenares de homens das carruagens, enchendo-se a praça de cavalleiros. O conspirador octogenario, e que representa a antiga fidalguia portugueza, apparece na varanda, e com a espada em punho vbradou ao povo: - « Viva D. João Iv, até agora duque de Bragança, e morrão os traidores que nos roubarão a liberdade ». ( ... )


Pinto Ribeiro, que tinha sido o homem de conselho maduro, e de alta previsão politica, foi também homem de acção na hora do perigo. Os conjurados tinham-se dividido, de modo a que pudessem obstar a qualquer resistencia. Encaminharam-se alguns dos mais ousados, com Pinto á frente, ao quarto de Miguel de Vasconcellos. Encontraram-no escondido num armario. Vasconcellos morreu sem proferir palavra, sendo Antonio Tello quem lhe deu o primeiro tiro de pistola. Os demais conjurados se arremeçaram ao cadaver do indigno ministro, e o lançarão da janella abaixo."

publicado às 22:14






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas