Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Mário Soares e a China

por Nuno Castelo-Branco, em 28.03.12

Um oportuno e sucinto artigo  da autoria de Mário Soares, sumariamente foca alguns aspectos da situação que a pujante China hoje vive. Evocando a aparente contradição entre o comunismo "dogmático, reconhecidamente duro, e uma economia neoliberal de capitalismo selvagem", o autor poderia ter ido mais longe, procurando dissecar o que verdadeiramente se esconde por detrás dessa realidade. Tal como vimos nos ainda recentes acontecimentos ocorridos na Baixa da capital tailandesa, a plutocracia encontrou na forma de organização do Estado maoísta, um quase perfeito enquadramento das massas, submetidas estas aos ditames do Partido que pela clara coerção física e moral, impõe as regras, desloca populações, mantém o silêncio e a disciplina. É certo tratar-se de um primeiro estádio em que a contemporização do PCC também se deve à necessidade de aquisição de know-how e avidez de novos mercados.

Podemos então questionar acerca da capacidade que os ocidentais terão em indefinidamente continuarem a comprar produtos chineses, dada a constante desindustrialização e consequente empobrecimento da outra rica Europa. Paralelamente há ainda que perceber a forte hipótese de a China enveredar pelas possibilidades oferecidas pelo seu mercado intern, com as inevitáveis transformações políticas que tal opção encerra. Este consite sem dúvida, num aspecto essencial com o qual o mundo terá de contar.

 

A China vai cimentando algumas submissões na região e além-mar, mas também encontra novas desconfianças e decerto bastantes precauções por parte de países que não estarão dispostos a demasiadas cedências perante delírios de grandeza que até já reivindicam o Mar das Filipinas e o controlo das passagens para o Índico como imaginadas fronteiras naturais. Como o Ocidente poderá aproveitar esses potenciais aliados temerosos e conhecedores daquilo que os chineses têm desenvolvido em regiões tão problemáticas como os Himalaias, o Médio Oriente e o Sudeste asiático, é a incógnita que se coloca. 

publicado às 12:23

Written Speech for the Leangkollen Conference Cycle

por João Teixeira de Freitas, em 18.03.12

A 7 de Fevereiro do presente ano proferi um discurso sobre Transatlanticismo e valores Transatlânticos no Século XXI num dos eventos internacionais da Comissão Norueguesa do Atlântico (Norwegian Atlantic Committee - Den Norsk Atlanterhavskomite) a pedido da mesma. Sendo que venho acusando algumas falhas em termos de assiduidade na minha escrita, procuro agora compensar tal situação - mesmo que ligeiramente - postando aqui o discurso que proferi. Em Inglês, claro.

 

Espero que seja do vosso apreço; como sempre, os comentários construtivos são bem-vindos. A versão do discurso aqui 'postada' será a editada a dia 13 de Fevereiro de 2012.

 

Segue a dita:

 

"Honourable members of State, diplomatic delegates and representatives, colleagues and friends of the Atlantic Treaty Association and of the YATA:

 

During the past day we heard many claims regarding a power shift from the West to the East and, thus, we were all confronted with the questionable nature of the relevance in the U.S. – E.U. relation. However, we must consider that there is no actual power shift - there’s an occurrence of power dispersion, which is mainly motivated by the various forces of globalization and by the unsurpassable fact of erosion in collective Western capacity. This gap opening signifies an opportunity for the Eastern players (mainly in Asia), and even players in the South-Atlantic (like Brazil), to occupy - for the moment - key roles in global geopolitics, but while maintaining positive interaction (or even tight cooperation) with pre-existent key players – all of which are born within and operate on a Western framework.

 

When considering the phenomenon of power dispersion in this new multi-polar paradigm we must also be attentive to the fact that the new players have patrimonial-like relations of power and wealth (see Russia and China), which means globalization serves them more as a tool rather than an equalizing process of methodologies and ideology. As such, this power dispersion - or multidimensional redistribution of power - most likely will not mean the harnessing of new and comfortably integrated allies, but rather will signify the necessity of a more affirmed western identity that will simply have to deal with the undeniable relevance of ideologically differing agents and players. The only global identity is indeed human nature itself.

 

This means the US-Europe (E.U.) relationship will be and still is the spearhead of the West and western values (and thus of trans-Atlantic values), albeit the E.U. has lost some of its western identity to post-modernism and a slightly anti-conservatism posture.

 

In practical terms, the European Neighbourhood Policy (ENP) is extremely relevant to the U.S.A. due to how it allows the European Union and its respective member-states to deal with the Middle-East through the Mediterranean partnerships within a developmental security framework. On its own side, the U.S. may just function as a gateway to the broader east, and the transatlantic link can bring players like Russia into aiding with that proximity; additionally, we need to consider the influence of current Chinese investment in European economies – mainly the southern ones which will, in fact, determine the future of the Eurozone itself and, by extension, the future of the European Project.

 

As such, it is very relevant for The Alliance to get on board with the Eastern players making the best possible geostrategic use of the U.S.-E.U. connection. Trans-atlanticism has indeed not been this relevant since the Cold War, thus I believe it is far from decaying or over.

 

 

But many relevant questions still remain and some of them have indeed been mentioned before, here at Leangkollen...what is the modern trans-Atlantic relationship supposed to be founded on? Is it values, institutions or interests?

 

Well, all relationships between power blocks within the international system are invariably motivated by interests and circumstantial economic climates. The values and institutions are simply that same motivation made manifest through formalizing processes – the founding interest for NATO and the trans-Atlantic effort was stopping the advance of the Soviet system, ideologically, politically and strategically. From this interest were birthed the many institutions and the formal and emotional ties that would later develop into framework values for NATO and the trans-Atlantic Link. Values that would help further the notion of Western identity.

 

The so-called core values are born from the allegiance to core interests; we must not forget that my country, Portugal, was a dictatorship when it became one of the founding members of NATO and, supposedly, at the time there were already core values regarding civil liberty and the freedom of the individual; we now know, of course, that back then this was just pure rhetoric. Today it is not, however, and indeed Portugal grew towards being able to call itself an Atlanticist Nation-State in what regards security and defence policy, as well as ideology. Again, values become the consequence of the prolonged convergence of common interests and, mainly, common threats – they are the fruit of allegiance.

 

I must stress however that it is also true that we need to return to a policy of values and principle. The somewhat Liberal views of the Alliance were actually connected to North-American Conservatism, and when the European member-states of the Alliance embraced post-modernist logics as the European Project winded on we were stuck with a fragmented and even slightly divided western identity (even if still sharing a common framework); as such, it is by using the historical values of The Alliance (which were, in their beginning, relative) that we might strive to create common ground.

 

There’s no such thing as core values though, there’s merely a framework for a common driving force (ideological) based on state-culture and its foundational ideas and values. So, to foster an effective cooperation between the growing European Union’s centralized authority for foreign action (not foreign policy, that is still a sovereign monopoly and rightfully so) and the U.S.A., the E.U. member-states that are also NATO members must be committed to the construction of a value based framework that makes the best possible usage of the many converging interests The Alliance naturally shares with the E.U.

 

The modern trans-Atlantic relation must also take into consideration modern circumstances. Not only does this relation have to deal with power dispersion it must also deal with identity dispersion.

 

The fractured mentality in Europe has dispersed many Youth’s identities, leading a vast majority of young people to find solace of existence in broader identities, quite separate or unrelated ad inicium from their original country’s perspectives and cultural heritage – as such, it becomes even more important to have a relevant common ground in which it must be possible to bring and bind together the Western Youth, promoting the convergence of diverging ideas and edifying a beacon for the trans-Atlantic ideal and western culture. There are even many young western people who don’t feel western at all, and it is exactly because of such a situation that this becomes an even greater necessity.

 

Returning to practical matters however, the issue of Security still remains to be tackled. What is it that binds us in terms of Security policy within the Alliance? And does the relationship with Asia make the E.U. irrelevant towards the U.S.?

 

Answering the second question, I believe that a potential irrelevance is a non-issue. The relationship with Asia is all the more reason why The Alliance should strive to build deeper ties with members of the E.U. that are not yet members of NATO; and the U.S. itself should keep fostering relations with NATO and E.U. members. Surely the U.S. has a greater economic interest in the Pacific and Asia since all the booming wealth and commerce markets are there – but this is also why many E.U. members have private enterprises located in that region. When we talk about issues of relevance in international relations we must talk Geopolitics, not just Economy since that part is (mostly) already handled well enough by private sector players and, thus, there’s no point in smoke-screening the already smaller relevance of Government in these aspects.

 

Asia is, as I mentioned, a gateway, not an invitation for stasis in the ongoing relationship between the U.S.A. and the E.U. Asia also binds together both of these regions due to its growing influence in the financial and manufacture based commerce sectors world-wide. It is also a fact that our common geopolitical interests paradoxically foster diverging benefits - which can be extracted from security cooperation.

 

Western based societies and states share similar views for Development and Security, as well as sharing many similar threats – even if their specific origins are different. Currently we are further bound together not only by that slightly more conceptual framework but also by a very palpable reality: the Arab spring and the Middle-East. Common threats (potential or materialized) breed common security interests, and common security interests are what bind states together in matters of security cooperation and common policy.

 

Both the aforementioned binding elements are currently the main sources of potential and materialized security issues, respectively. The E.U. must deal with what is going on in the south of the Mediterranean in the best possible way if it doesn’t want increasing instability in close geographical proximity; and that approach will undoubtedly affect the Middle-East, where the U.S.A. are still the main player –  one must note that the E.N.P does not offer structures that allow for the same kind of influence, and the very framework and finance allocation of the E.U. does not allow it as well –, and, by extension, where NATO might also be a main player.

 

We must also remember that the E.U. has a very residual and ineffective common security policy, not really possessing the necessary coordination and legal framework (much less the resources as things currently stand) to have a “NATO of its own”. As such, The Alliance still plays a major role for the security of both the European states that are NATO and E.U. members and those that aren’t but are part of the E.U. And the U.S. knows it must still play this cooperative role, for the threats of one Block may quickly become the threats of the other; diverging economic interest notwithstanding, the U.S. and most of the E.U. member-states have not forgotten the relevance of the NATO cooperation framework and the importance of their continued relationship for ensuring a common survival in an ever changing and unpredictable international system.

 

We must not bury our heads in the idealist bubble of a fantasy world ran only by peaceful economic interest; NATO hasn’t and, as such, neither can the U.S.A. or the E.U. And neither can the rest of us. 

 

 

João Teixeira de Freitas

 

- President of the Portuguese Atlantic Youth Association (YATA Portugal)

- Secretary-General for the Youth Atlantic Treaty Association "

 

 

                                                                                    

  

publicado às 23:10

O embaixador imperial

por Nuno Castelo-Branco, em 03.08.10

No Expresso do passado fim de semana e no meio dos trastes do costume, o prático saquinho de plástico reservava-nos uma extensa e interessante separata, focando as já seculares relações luso-japonesas que dentro de três décadas comemoração o V Centenário. Este será um século de celebrações luso-asiáticas - a desconfiada Índias, as receptivas Tailândia, Indonésia, Ceilão, Malásia, Birmânia, e China - e se existisse a mínima intenção em se aproveitar esta oportunidade única, muitos proventos Portugal retiraria de um património que de tão esquecido ou negligenciado, pertence apenas aos poucos que por ele se interessam. Em poucas palavras, a um punhado de académicos, alguns dos quais persistem em manter esta memória e inestimável contributo para aquilo que o Ocidente ainda é.

 

O embaixador imperial concedeu uma importante entrevista, na qual focou os tradicionais pontos de contacto entre os dois países e sobretudo, a grande influência cultural que teima em vingar num Japão nostálgico de um passado sempre  evocado.

 

As glórias da modernidade conquistada por uma administração competente e sob a orientação de um soberano de excepção, fizeram do Império do Sol Nascente, uma grande potência que sacudiu o torpor de séculos de isolacionismo que poderiam ter transformado o país, em mais uma colónia do avassalador imperialismo europeu que em oitocentos alastrava por todo o Extremo Oriente. O império consolidou a sua independência, abriu-se ao mundo, contratou técnicos e deu uma especial atenção à formação de quadros, libertando-se de preconceitos  locais que viam o estrangeiro como uma ameaça à segurança de uma velha comunidade de enraizadas convicções e princípios. Seis décadas decorridas após a revolução Meiji, os couraçados japoneses já haviam vencido a frota russa em Tsushima, tinham perseguido os navios do Kaiser pelo Pacífico fora e substituído a Alemanha como presença em valiosos territórios na China, nas concessões internacionais que mais não eram, senão arremedos de possíveis futuros Hong-Kongs. Culminou esta ascensão, com a simbólica presença da frota japonesa nos portos da Indochina Francesa, onde risonhos vietnamitas respondiam às imprecações escandalizadas dos seus gálicos senhores coloniais, dizendo que ..."os japoneses são duros ocupantes, mas aqueles porta-aviões e couraçados foram construídos na Ásia e pertencem a gente igual a nós".

 

A parte substancial do discurso do diplomata, deverá ser entendida nas evidentes sugestões enviadas às eternamente distraídas, euro-obcecadas ou ignorantes autoridades portuguesas. O senhor embaixador diz aquilo que há muito tempo os monárquicos têm defendido, mas sem qualquer tipo de sucesso junto do poder instituído. Os governos portugueses olham demasiadamente para a Europa Central, um espaço que nos é estranho e pouco favorável. Portugal é um país europeu, mas as suas verdadeiras oportunidades de crescimento, encontram-se precisamente  naquele património adquirido ao longo de séculos de persistente labuta daqueles que tendo governado o país, deixaram à iniciativa dos mais ousados, o estabelecimento de entrepostos comerciais que conseguiram irradiar uma cultura que decisivamente contribuiria para o progresso em paragens tão distantes e díspares como a África dos dois oceanos, a América do Sul e a Ásia.

 

Quase podemos sentir o desdém contido, em certeiros comentários que sugerem a hipótese que persiste em perder-se, de um Portugal que nas devidas proporções ..."poderia ser o Japão da Europa". A extraordinária posição geográfica no centro do grande comércio mundial que liga o Atlântico a todos os outros oceanos do planeta, uma língua que tende a expandir-se a par do inglês e do espanhol, uma situação climatérica privilegiada e uma população nada avessa à curiosidade e ao conhecimento do outro. O embaixador diz aquilo que no seu país é interiorizado como uma quase absoluta verdade histórica: Portugal não é a "mesma coisa". Os japoneses respeitosamente reverenciam os contactos estabelecidos com holandeses, espanhóis e ingleses, mas no caso de Portugal, esse respeito vai muito além da sua proverbial cortesia. Entra-lhes pela casa adentro, permanece nas páginas dos seus livros de história, come-se à mesa, continua em palavras do quotidiano e por mais paradoxal isso nos possa parecer, significa o progresso de um momento inesquecível. É isso mesmo que hoje os faz desfilar pelas ruas de uma Lisboa calcinada pelo sol de verão, procurando nas nossas fachadas, os elos nunca perdidos com aquele velho reino que tanto lhes deu e que decerto gostariam ver reerguer-se e figurar entre os maiores.

 

De uma forma cortês, o embaixador imperial desferiu um tremendo ataque a uma política ruinosa, estúpida e incompetente, que tem privado Portugal do seu verdadeiro lugar no mundo.

 

Em retribuição pelos missionários, militares e comerciantes que há quinhentos anos chegaram ao Japão, não poderá o único Tenno discretamente enviar-nos uma completa e multidisciplinar missão composta por Nakamuras, Konoyes, Suzukis, Oshimas ou Umezus, que contribuam decisivamente para o quebrar das grilhetas que nos prendem a este pelourinho e deixa Portugal à mercê de todas as intempéries?

publicado às 10:00

Um conselho a José Sócrates

por Nuno Castelo-Branco, em 07.01.10

 

Se me fosse possível falar com o Primeiro-Ministro, dir-lhe-ia: "Excelência, não tenham medo, corram o risco, apareçam em Colombo, Dacca, Naypyidaw, Banguecoque e Phnom Pehn e digam-lhes aqui estamos, para restabelecer o que por ignorância quase deixámos cair no esquecimento". "Para que servem embaixadas na Argentina, Áustria, Bulgária, República Checa, Chile e em Cuba, no Egipto, Finlândia, Irlanda, Sérvia ou na Grécia ? Realizam captação de investimento, a expansão do comércio português, elevam a capacidade negocial portuguesa ? Não tenham medo, invistam o esforço na Ásia nestas últimas décadas de hegemonia ocidental, preparem o futuro"

publicado às 16:32

Um outro Portugal

por Nuno Castelo-Branco, em 17.12.09

 Portugal era, ainda no século XIX a bater à porta do século XX, a grande referência inspiradora nesta vasta região entre a Índia e o Império do Meio. Pena que ninguém disso queira saber na definição da nossa política externa e que sigamos, sempre, infileirados no comboio do europês sem memória e sem experiência do mundo.

 

publicado às 14:08

O interesse nacional e os ditadores do momento.

por Nuno Castelo-Branco, em 28.07.08

Portugal parece ter despertado de uma longa e ruinosa letargia de mais de duas décadas e o governo tem recentemente mostrado um inusitado afã na promoção das empresas portuguesas no além-mar. Desde o fim do Império, o país habituou-se à miragem de uma Europa pródiga em dinheiros e possibilidades de enriquecimento fácil. A miragem era afinal nada mais que isso mesmo, esgotadas as ilusões de uma caminhada triunfal em direcção a um almejado Estado à imagem das "ominosas monarquias" do norte europeu, sempiterno modelo a seguir pelos iniciados nas coisas da política económico-social do defunto século XX.

 

A decepção avoluma-se há mais de uma década. O país não assistiu ao verdadeiro arranque dos prometidos "Silicon Valley" do extremo oeste peninsular. Portugal debalde esperou pela terminal-central de contentores que veria desembarcar as riquezas da infrene indústria de consumo chinesa. Fecharam fábricas de automóveis e de químicos. Liquidaram-se empresas vidreiras da época do despotismo esclarecido do josefismo-pombalino. O comércio com o antigo Ultramar estiolou numa exasperante inércia e as delegações do ICEP confirmaram aquilo o que delas sempre pensaram os portugueses interessados, isto é, a existência pela necessidade da presença meramente formal.

 

O regime encontrou uma fugaz válvula de escape no mercado espanhol, hipotecando a solvência do país à esperada constante do crescimento económico e financeiro do reino vizinho. Portugal encontra-se hoje mais dependente de uma só nação estrangeira, como jamais se verificou na sua história secular, nem mesmo quando dos piores momentos de ligação à Grã-Bretanha. É a verdade, simples, dura, implacável. 

 

Sócrates parece ter finalmente compreendido o dilema que desde sempre se colocou à simples existência de Portugal como Estado soberano, mesmo que essa soberania tenha que ser hoje encarada de uma forma distinta daquela a que a História nos habituou. A verdade é que a Europa existe por causa da visível sobrevivência das suas nações e dos seus Estados. É uma realidade indesmentivel e que tenderá - ao contrário daquilo que os arautos do federalismo procuraram fazer atroar de leste para oeste e de norte para sul - a vincar-se ao longo dos próximos anos. Os interesses são díspares e não é inimaginável concluir a divergência de interesses entre os componentes do chamado núcleo duro de "grandes potências" do tacitamente aceite Directório da UE.

 

As visitas governamentais e empresariais ao Brasil, Venezuela e Angola, incluem-se nessa frenética procura de salvação daquilo que realmente importa. Os investimentos em Espanha ou noutros países parceiros da União são decerto importantes, mas irrelevantes, se comparados com as economias em constante crescimento e potencialmente riquíssimas em termos de fornecimento de matérias primas e possibilidades de fixação de produtos portugueses. Os argumentos de índole meramente política e sentimental e ao sabor dos media de ocasião - os ditadores, a plutocracia reinante na China ou Angola, por exemplo -, são pertinentes, mas completamente irrelevantes em termos de solubilidade dessas próprias questões. Portugal, nada pode fazer, no que que respeita a uma intervenção nos assuntos internos daqueles Estados que surgem como potenciais clientes-fornecedores . Nada pode, nem deve procurar esse quimérico e perigoso poder de interferência. 

 

A oposição procura agitar a evidente acalmia política dos tempos de banhos de verão, apontando folclores exibicionistas e claras ligações perigosas. Contudo, chegou o tempo das oposições se conformarem a ser aquilo que a política lhes destina, isto é, a servirem de gabinetes de estudo e constante procura de soluções benéficas ao interesse de todos, do país. Durante décadas Portugal manteve relações normais com terríveis ditaduras como a russa, chinesa, norte-coreana, iraniana, de todo o antigo bloco-leste, o reino árabe saudita, iraquiana, líbia etc. Neste rol podemos também incluir a generalidade dos Estados saídos das independências de 1975. Nunca ninguém colocou objecções de consciência a tal tipo de tráfico diplomático, político e económico. Estranho é, agora num mundo em evolução acelerada e imprevisível, encontrar escolhos a colocar diante de oportunidades únicas. O relacionamento de Portugal, país democrático e com um regime relativamente estável, com outros Estados que não cumprem cabalmente aquilo que se considera ser apanágio da moderna civilização  ocidental, confirma a praxis normal de todos os parceiros da União Europeia, disso não tenhamos qualquer tipo de ilusões.

 

Sou um português não-europeu e isso evidencia-se por cem anos de permanência familiar em África. A Europa como realidade política continental, nada me diz, nem me interessa. A Europa serve-nos de enquadramento de uma história quase milenar e vejo-a em termos meramente funcionais. Enquanto valer, serve e apenas isso. O sacro egoísmo do interesse nacional deve manifestar-se como na generalidade dos países que connosco partilham a existência da UE. Disso não tenho qualquer tipo de dúvidas ou de hesitações meramente sentimentais. Portugal não reivindica qualquer tipo de aventuras territoriais no continente europeu e a sua história secular confirma-o. Sempre desprezámos e olhámos com mal disfarçado espanto, as constantes lutas de outrém, para a posse de uma "fronteira natural" no Reno, no Vístula, no Niémen ou do Dniéster. Com espanto e até com uma certa mofa, pois o Amazonas, o Congo ou o Zambeze, fazem empalidecer resquícios medievais e feudalizantes de territórios que pouco acrescentaram à garantia de preservação da existência dos contendores dessas insignificâncias.  O simples e bem evidente crescimento da lusofonia, prova a justeza de uma política secular de não comprometimento com as questiúnculas intestinas europeias. E assim deverá ser.

 

Portugal deve voltar aos seu ambiente histórico tradicional, isto é, a África, à América e à Ásia. A Europa é um mero complemento de status internacional,  de segurança e de enquadramento de um desejável modelo político e social, nada mais que isso. Parece que Sócrates compreendeu a insofismável realidade. No interesse de todos, no interesse de Portugal. E se no caminho tropeçarmos num ou outro déspota de momento, paciência. Vamos em frente.

publicado às 19:15






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds