Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Raras vezes estive numa conferência tão interessante e com um debate tão elevado como aquele a que se assistiu ontem na 1.ª Conferência do Liberalismo Clássico. Da minha parte, permiti-me assinalar as convergências entre liberalismo, conservadorismo e socialismo, reflectindo sobre os Old Whighs Burke e Hayek, com pitadas de Oakeshott, Gray e Scruton, procurando mostrar como o indivíduo é um produto da tradição, como o mercado incorpora a moralidade desta e como chegámos a uma atmosfera moderna que é altamente destrutiva das tradições intelectuais e morais europeias. Deixei recomendações para os conservadores não caírem na armadilha de tentar capturar o estado para impor uma perspectiva conservadora às burocracias, e os liberais na da falsa dicotomia entre religião e política. Porque tomos assumimos, como assinalou José Adelino Maltez, "uma concepção do mundo e da vida anti-construtivista, anti-revolucionária e anti-estadista, segundo a qual não é a história que faz o homem, mas o homem que faz a história, mesmo sem saber que história vai fazendo" em que "Um liberal tradicional, aqui e agora, no Portugal de Gaspar, não é pela direita que quer conservar o que está, nem pela esquerda que quer conservar o que estava. É do centro excêntrico, porque, como diria Garrett, o jardineiro, vintista, setembrista e regenerador histórico, Portugal já não é o que foi nem pode voltar a ser o que era. O que vai ser é do querer de Deus, do sonho dos homens e da obra que eles fizerem. Isto é, da acção dos homens concretos, contra os planeamentistas da troika e os decisões do eixo. Os liberais apenas podem ser conservadores do que deve ser, dos homens livres num país livre."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:53

1.ª Conferência do Liberalismo Clássico

por Samuel de Paiva Pires, em 27.10.11

Organizada em conjunto pela Causa Liberal e Instituto Ludwig von Mises Portugal, a 1.ª Conferência do Liberalismo Clássico terá lugar em Coimbra a 26 de Novembro no Hotel Tivoli. Inscrições devem ser feitas através do e-mail geral@causaliberal.net e têm um custo de 10€ (jantar convívio, opcional, acrece 24€). Aqui fica o programa:

 

PROGRAMA

14h00 – Recepção dos participantes.

14h30 – Intervenção de Lourenço Vales: Liberalismo: A abordagem consequencialista vs deontológica.

15h00 – Intervenção de Ricardo Campelo de Magalhães: Como lucrar por ser liberal.

15h30 – Intervenção de Carlos Novais: O Keynesianismo e a crise.

16h00 – 1.º Painel: Liberalismos: entre o conservadorismo e o socialismo.

Apresentação: Professor José Manuel Moreira;

Intervenções: Luís Aguiar Santos e Samuel de Paiva Pires.

17h00 – Intervalo.

17h30 – Intervenção de Filipe Teles: Praxeologia e Liderança Política.

18h00 – Intervenção de André Azevedo Alves: A Escola de Salamanca e as origens ibéricas do liberalismo clássico.

18h30 – Intervenção de Luís Aguiar Santos: Perspectiva histórica do liberalismo português – Séculos XIX e XX.

19h00 – 2.º Painel: Liberalismo e os partidos políticos.

Moderador: João Miranda;

Intervenções: Professor José Adelino Maltez, Michael Seufert e Ricardo Campelo de Magalhães.

20h00 – Encerramento dos trabalhos.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:41






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas