Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Primitivismo do Bloco de Esquerda

por John Wolf, em 26.02.16

Cavman-bunny.jpg

 

Não é preciso ser católico praticante para avistar o primitivismo do Bloco de Esquerda (BE). Não é este o modo de celebrar a eucaristia da adopção por casais do mesmo sexo. O mau gosto, a falta de respeito e pudor, e a baixeza de nível deste modo de propaganda inscreve-se no repertório de truques rudimentares. Em plena época de clivagens entre distintas religiões na cena geopolítica, o BE abre a caixa de Pandora da bandalheira. Hoje os católicos, amanhã os muçulmanos e na semana seguinte os judeus. Mas existe uma outra dimensão que confirma uma enorme falta de sensibilidade. A Esquerda, que se autoproclama defensora dos ostracizados económica e socialmente, esquece, que grande número dos "pobre coitado" deste país, atravessando momentos de grande privação, serve-se da fé enquanto bengala para superar os obstáculos da vida. A instituição religiosa (seja ela qual for) merece essa consciência colectiva. O Bloco de Esquerda, porventura inspirado pelos cânticos de Charlie Hebdo, confirma que criativos de comunicação política não existem naquela casa. Se era para causar estardalhaço a qualquer custo, poderiam ter consultado a paternidade bombista das irmãs Mortágua. Não se brinca com a fé dos homens - mesmo não tendo Igreja, como é o meu caso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:59

As crianças são o mais importante

por José Maria Barcia, em 20.05.13
imagem retirada do aspirina b

 

Daqui a uns valentes anos, perguntem às crianças adoptados por casais homossexuais se são felizes. Provavelmente irão responder que não, que a vida é injusta. Nessa altura terão 18 anos. E quase todos dizem isso aos 18 anos. Mas depois perguntem se ter dois pais ou duas mães foi prejudicial para o seu crescimento psicológico (e não sei o que isto quer dizer, mas muitos dizem, então também digo). A resposta será qualquer coisa como um olhar de parvo sem saber o que responder. Porquê? Porque foram adoptadas quando eram crianças. A partir daí ter duas mães ou dois pais é considerado NATURAL. 

 

O natural é aquilo a que um está habituado. É normal que haja pessoas a considerar todo e qualquer assunto relativo a homossexuais uma coisa anti-natural. Se não têm contacto com assuntos destes, é normal que se sintam desconfortáveis. Mas daí até impedir alguém - por via política e legal - a um direito de todos, vai um grande caminho. Não há ataque à liberdade de adoptar de pessoas com orientação sexual diferente também o puderem fazer. 

 

Já li algumas pessoas a defenderem as instituições que albergam as crianças sem pais. Poderão argumentar usando o meu argumento: é natural aquilo a que estamos habituados. No entanto, todos estamos acostumados à ideia de paternidade e maternidade. Vulgo mãe e pai. Todos sabemos o que é uma mãe e um pai. Aqueles que vivem numa instituição e não são adoptados por famílias (de que tipo for) sabem o que é um pai e uma mãe mas nunca sentirão o que é ter. Por outras palavras, é uma ideia universal: pai e mãe.

 

Impedir casais homossexuais de adoptar, argumentado com o direito das crianças a terem um crescimento ''normal'' é tão inválido como dizer que a normalidade existe. É natural ter uma família. 

 

Não é natural viver numa instituição porque um grupo de pessoas se acha paternalista o suficiente para dizer que gays serão piores pais e mães que heteros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:24






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas