Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A eterna incompetência na "gestão das bandeiras"

por Pedro Quartin Graça, em 16.11.15

12247039_824110961031006_4446658796516957990_n.jpgDepois do célebre caso da bandeira invertida no Município de Lisboa, agora foi a vez da Assembleia da República onde a solidariedade se estendeu...à Holanda!!! Os Protocolos de Lisboa e da AR não acertam uma...

 

 

publicado às 19:39

A coisa começa a complicar-se...

por Pedro Quartin Graça, em 04.11.12

...quando, até numa cidade "operária" a bandeira azul e branca surge na varanda da Câmara Municipal local... Querem ver que foi o camarada Aires Rodrigues que se converteu à Monarquia?

publicado às 16:27

Há quem nunca aprenda...

por Pedro Quartin Graça, em 12.10.12

 

1994 - 2012 - A persistência de um comportamento errático...

publicado às 20:36

No dia em que a República Portuguesa hasteou a sua bandeira ao contrário, é com muito prazer que o Estado Sentido apresenta em exclusivo e em primeira mão o vídeo da aventura de um intrépido monárquico que, em 5 de Outubro de 2010, hasteou a bandeira azul e branca no consulado de Portugal em Macau, acontecimento que foi noticiado pela Lusa, conforme imagem abaixo.

 

publicado às 17:08

República - é o fim!

por Pedro Quartin Graça, em 05.10.12


É O FIM!


Bandeira da República de pernas para o ar em plena Praça do Município!!!! Recorde-se que, de  acordo com os códigos militares, a bandeira ao contrário significa que o local está tomado pelo inimigo.


Actualização: Vídeo da TVI aqui.

publicado às 09:51

A bandeira "deles" e o que verdadeiramente significam as

por Nuno Castelo-Branco, em 14.08.09

 ALDRABICES REPUBLICANAS

 

Pouco ou nada entendo de heráldica e nem sequer esta é matéria do meu interesse. No entanto, estes dias têm servido para uma vez mais levarem ao engano os portugueses mais incautos, até porque os símbolos são importantes, exactamente pelo seu verdadeiro significado.

 

O chamado partido republicano português (prp), foi desde o início, uma organização que pugnava pela federação da chamada Ibéria, na qual se incluiriam todas as regiões de Espanha e um Portugal republicano, livre dos "ominosos Braganças da Restauração de 1640". 

 

A verdade que sempre tentaram esconder, é esta:

 

Nos anos setenta e oitenta do século XIX, existia uma agremiação que dava pelo nome de Centro Republicano de Badajoz e que tinha como símbolo, uma bandeira bipartida a verde e vermelho. O verde representava a "república  portuguesa" integrada na Ibéria e o vermelho, a parte espanhola também já republicanizada. Foi também com o verde e vermelho que o brevíssimo bambúrrio do 31 de Janeiro - que os áulicos exaltam, mas que na verdade nada mais foi senão uma perfeita demonstração de inépcia, cobardia e laxismo dos gloriosos revolucionários de tasca - decorou o mastro onde alçou a bandeira do Centro Republicano Federal, um pano vermelho com uma bola verde ao centro. A partir daí, estas ficaram a ser as cores pelas quais os prp's e o seu braço armado, a Carbonária, se reconheciam.

 

Com a golpada do 5 de Outubro, simplesmente fizeram hastear nos navios a bandeira Carbonária. Após um aceso debate entre Guerra Junqueiro - que pretendia manter o azul e o branco - e os arrivistas recém chegados ao poder, decidiu-se a Comissão - sem ninguém consultar, coisa que se tornou moda até ao dia de hoje - pelo verde e vermelho. Disparate que viola todas as regras da heráldica, pois o verde é um esmalte e o vermelho também, necessitando de um metal - o ouro/amarelo ou a prata/branco - para os separar. Enfim, para não nos alongarmos, apenas mudaram a disposição das cores da bandeira da terrorista carbonária e assim, o verde ficou junto do mastro (tralha) e o vermelho na parte posterior (1). Outras asneiras foram perpetradas, como o ridículo vivo a branco e a negro à volta do escudo que felizmente, não ousaram abolir. A esfera armilar, dita dos descobrimentos, é também uma habilidosa justificação enganadora, pois na verdade, é mais uma contribuição da Carbonária.  

O resto, já se sabe: a 2ª república patrocinou a coisa até à exaustão e deu-lhe lírica interpretação (2), desde verdes esperança até ao vermelho de sangue derramado (neste último caso, com toda a razão, dado o que se passou após 1910). Até a justificação dos castelos "conquistados no Algarve", consiste numa descarada mentira, pois não passam de um recurso de D. Afonso III, que desta forma distinguiu as suas armas relativamente às do seu irmão D. Sancho II. De facto, os castelos fazem alusão à mãe de ambos, oriunda do país vizinho, seguindo O Bolonhês, aquilo que a norma heráldica ditava.

 

Assim,  os portugueses podem hoje comprar em qualquer loja chinesa a bandeira da Carbonária e com um bocadinho de sorte, decorada com pagodes. Para rir.

 

 

 

(1) Tal como aconteceu com o prp e com apenas sete por cento dos votos, tudo isto equivale ao CDS conseguir amanhã dar um golpe de Estado e decidir impingir ao país uma bandeira azul e amarela, justificando-se com o "azul do mar e o amarelo das estrelas da Europa"... Ridículo.

 

(2) O mesmo fazem os republicanos brasileiros, pois apresentam agora o verde como a "mata amazónica" e o amarelo como o "ouro de Minas". A verdade é outra. Nos dias em que ocorreu a declaração da independência (1822), a então princesa real do Reino Unido de Portugal, Brasil e Algarves, D. Leopoldina de Habsburgo, decidiu criar uma bandeira própria para o Reino do Brasil. Como cores, adoptou o verde da Casa de Bragança (do marido, D. Pedro) e o amarelo da Casa de Habsburgo (a sua família). Como vêem, a falcatrua parece ser um recurso habitual na família republicana.

        

 

           A actual bandeira e a da Carbonária: descubra as diferenças, se conseguir

publicado às 18:14






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas