Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os dois pesos

por Nuno Castelo-Branco, em 23.06.14

Pelos vistos, anda muita gente distraída com casos secundários. Há perto de um ano, alguém hasteou a mesmíssima bandeira ao contrário. Diante de todas as objectivas de fotógrafos e das câmeras de tv, o zelador-mor da República foi até ao fim, não parecendo muito aborrecido pela habilidade. Não consta ter sido movido qualquer processo "derivado" do ultraje à flâmula do regime.

 

No antigo Reino dos Algarves, existe uma justiça muito mais célere e capaz de colocar os prevaricadores em sentido. 

 

Estranho país que viu serem queimadas milhares de bandeiras nacionais num já longínquo 1º de Dezembro de 1910. Celebraram este crime como grande coisa, como se se tratasse de um clarão libertador. E quem caprichadamente organizou esse ultraje? Nada mais nada menos senão a gente do poder instituído por assalto, exactamente aqueles que foram os antecessores de quem actualmente o exerce e faz respeitar através do conhecido sistema "dois pesos e duas medidas". 

publicado às 14:50

A berrante porcaria a cem metros de altura

por Nuno Castelo-Branco, em 18.12.09

 

 

Definitivamente, a localidade de Paredes - e o pateta PSD lá do sítio- parece estar a tornar-se num local mal frequentado. Diz-se por aí que o edil perdeu a cabeça e resolveu comemorar não se sabe bem o quê e quem, erguendo um pau de bandeira com perto de cem metros de altura. Logo a correr, veio o senhor da tutela manifestar o seu apoio a tal iniciativa, exactamente no momento em que o governo pede sacrifícios e contenção nos gastos. Um milhão de Euros vai custar a brincadeira de mau gosto político e visual. Mau gosto visual, porque a coisa está desprestigiada, pouco tem que ver com o Portugal que interessa - o dos 900 anos de História - e ainda por cima, é feia e simboliza a derrota de um século. Mau gosto político, porque mais uma rotunda ou o trigésimo melhoramento nas infraestruturas desportivas da localidade, seriam obras mais úteis. Mas em Paredes, o dinheiro corre num caudal digno do Amazonas. Não há melhoramentos a fazer nos centros sociais, nem os Bombeiros precisam de mais meios, sejam eles de combate a fogos ou ambulâncias. Em Paredes, a terceira idade vive em casas aquecidas, decentemente construídas e com todos os confortos. Em Paredes, não são necessárias creches nem jardins de infância. Em Paredes, as estradas são impecáveis e o saneamento básico recomenda-se. Então, porque não atirar ao vento mais um milhão desnecessário?

 

O que vale, é a justiceira natureza que com uma brisa mais forte fará o pano de polyester cobrir uns metros quadrados do buraco de ozono, lá para as bandas do Polo Sul. Enfim, é o parolismo Guiness Record no seu melhor.

 

Aqui em Portugal e desta vez bem longe de Lisboa, espatifa-se mais uma batelada de massa que escapa à contabilidade dos 10 milhões da Comissão do Centenário, aos 17,5 milhões anuais de Belém e ao "pagamento por conta" aos presidentes passivos ainda no activo do Orçamento de Estado. Sem sequer falarmos mais na comemoração republicana da adulteração do Terreiro do Paço.

 

Rui Ramos tem razão. A coisa está mesmo por um fio.

 

É fartar, vilanagem! Irra!

publicado às 18:17

Retido no fim de semana sem net, acompanhei ao de leve as comemorações da implantação da república, desta vez sem presidente. Parece todavia que as comemorações monárquicas tiveram mais impacto e maior adesão. Houve variadas formas de manifestações, à cabeça das quais o desfraldar da bandeira azul e branca na sede da Causa Real, ao Chiado. Desde Janeiro que não era ali hasteada (já tinha reparado nisso, e até pensei que tivessem mudado de instalações). Segundo as balbuciantes justificações da CML, um qualquer regulamento municipal proibia-o, embora até hoje, e durante sessenta anos, nunca tivesse havido a menor proibição por parte da edilidade lisboeta.
 
 


 

A ausência de Cavaco Silva dos habituais discursos em frente à câmara de Lisboa revelam bem a menor importância atribuída ao "5 de Outubro". A razão oficial foi a aproximação das eleições autárquicas. O quer só reforça a ideia da importância menor destas comemorações para mais presididas pela presidente da AML): em 2001, em pleno dia de reflexão das presidenciais, Jorge Sampaio e todos os outros candidatos - à excepção de Ferreira do Amaral, por casmurrice - estiveram presentes na cerimónia de abertura do Porto 2001 - Capital Europeia da Cultura. Tendo em conta um e outro acto eleitoral e o impacto de cada um dos eventos, forçosamente se conclui que a relevância do "5 de Outubro" roça a nulidade.

 
Mas as movimentações monárquicas fazem-se notar. Francisco Louçã passou a semana a disparar contra tudo e contra todos, depois do tão anunciado terceiro lugar se converter numa miragem. O alvo era agora Paulo Portas, que ouviu tudo, desde a acusação de ser de "extrema-direita", de ter "destruído o país", e de "remar contra a maioria da população portuguesa no referendo à IVG". Muito interessante, vindo do "coordenador" de um movimento com laivos de extrema-esquerda, cujos componentes ajudaram à destruição da economia do país em 1975, e que tanto gostam de se anunciar como grupo de protesto, "contra-corrente", "ovelha negra", etc. Todas as dúvidas sobre a honestidade intelectual e o fanatismo ideológico do representante da Quarta Internacional em Portugal ficaram definitivamente dissipadas.


 

Mas como a querer afirmar isso de forma ainda mais acentuada, Louçã veio agora chamar aos monárquicos "um pequeno grupo de patuscos atrás de um milionário banqueiro que conduziu um dos maiores escândalos da criminalidade económica em Portugal," que "lá apareceu pelo Tejo a gritar as saudades da monarquia", que são todos de "direita reaccionária" que "reclama o regresso ao passado, o regresso ao atraso, à monarquia e à diferença”. A coisa resvalou para o insultozinho piadético sem piada nenhuma, a guetização ideológica, o lugar-comum marxista e a pura calúnia. Onde é que as acções Teixeira Pinto levaram à "criminalidade económica"? Tem Louçã provas do que diz ou é mais uma das suas atoardas justiceiristas, querendo-se mostrar como o homem probo (talvez um sub-gênero do "homem novo") no meio do "pântano da corrupção"? E porque razão quiseram as cúpulas do BCP afastar Teixeira Pinto quando este tinha um processo de renovação do banco, não se recordará o deputado trotsquista?


 

Quanto à confinação dos monárquicos na "direita reaccionária" só mostra o sectarismo e até a ignorância de quem desconhece (?) que há monárquicos de diversos quadrantes políticos, à esquerda e à direita, em todos os estratos sociais e em todas as instituições. Muitos mais do que na sua miscelânea de esquerda radical e tocadores de djambé que atrai pontualmente alguns descontentes com o PS. Para Louçã, todo aquele que não faça parte do seu círculo ideológico próximo é imediatamente rotulado de "direita", e se for monárquico, torna-se um "reaccionário" (só falta mesmo "fascista"). Acresce que só o poder moderador cabe ao Rei, que reina mas não governa, que a vassalagem já não existe, excepto nominalmente a nível de protectorados que nada têm a ver com a monarquia, e que qualquer súbdito de um reino ou principado europeu tem tanta ou mais liberdade e direitos que qualquer república. Sobre o regresso ao atraso, calculo que deva haver aí certa confusão entre a liberdade que a monarquia sempre trouxe, fossem em 1385, 1640 ou 1834 (perdoem-me os tradicionalistas) e o PREC, do qual deve sentir muitas saudades. Tudo coisas que Francisco Louçã deveria saber, com toda a importância que se atribui. Mas mesmo que lho provassem na cara, a sua desonestidade intelectual e o seu radicalismo, que o impede de compreender ideias alheias, tornariam qualquer argumentação sólida num imenso desperdício de tempo.
 

publicado às 17:21

A Câmara Municipal e a Bandeira

por Nuno Castelo-Branco, em 13.08.09

Em 2008, o sr. Marcos Perestrelo, na homenagem à Bandeira Absolutista 

(notem bem o pormenor do azul e branco nas fitinhas)

 

António Costa está a banhos e não voltou a Lisboa por causa da Bandeira Nacional. Fez bem, até porque o presidente da autarquia, sabe que seria uma insensatez envolver-se no turbilhão de parvoeiras que os "do costume" engendraram. Dando de barato as patacoadas do betinho Rui Tavares  - suplente de serviço dos outros ainda mais betinhos (e ricos da mamã) Louçã, Portas, meninas A. Dias e Drago,  etc -, concentremo-nos no essencial.

 

Além do Estado português considerar oficialmente a Bandeira Nacional (azul e branca) como um símbolo histórico - e por isso mesmo intocável - do país, consagra-a todos os anos no desfile das Forças Armadas a 10 de Junho. Ainda há dois meses, esta bandeira foi a última a apresentar-se na parada - destaque supremo! -, transportada por um aluno do Colégio Militar e com todas as honras da praxe prestadas pelos militares, membros do governo e da AR presentes e claro está, pelo teórico comandante supremo, o sr. dr. AC Silva. Assim, deste modo fica este assunto encerrado.

 

O que se torna bastante risível, é esta fúria contra a Bandeira que significa nem mais nem menos, senão o sistema representativo que a actual Constituição do regime também consagra. Tratando-se de comichosos e sarnentos ataques camarários, a situação atinge as raias do grotesco, pois todos os anos e de forma infalível, os presidentes da Câmara Municipal de Lisboa - ou um seu representante -, dobram a cerviz a uma outra bandeira monárquica, a indevidamente chamada Bandeira da Restauração, exactamente aquela que mais tempo flutuou nos territórios portugueses de aquém e além-mar. Apenas uma nota humorística que terá passado despercebida aos senhores doutos ou arquitectónicos gerentes camarários: é que esta bandeira perante a qual tão humildemente se curvam, é também aquela que acabou por ficar ligada ao que - incorrectamente - se convencionou chamar de Antigo Regime, ou na gíria arrogante dos orgulhosos ignorantes "do costume", o tal famigerado "Absolutismo", Miguelismo, ou "Apostolicismo", etc, etc.

 

Enfim, este é um acepipe que se serve frio ao sr. Sande Salgado, indo perfeitamente ao encontro daquilo que o aristocrático nome de Sua Exa. sugere: é o que acontece, quando  nem sequer se dão ao trabalho de abrir um livrinho da 4ª classe.

 

E para terminar, aqui deixo a prosa do sr. Marcos Perestrelo (PS), na ora (2008) diante da Bandeira "do Absolutismo" e em representação do dr. António Costa:

 

é com o olhar do presente e do futuro que queremos celebrar o passado”. Aludindo aos acontecimentos do dia 1º de Dezembro de 1640 e aos conjurados que os protagonizaram, o autarca lembrou os que “conseguiram vencer a adversidade, afirmando uma convicção, uma vontade e uma coragem maiores que o medo, o cálculo, o interesse ou a comodidade pessoal”, numa acção “na melhor tradição portuguesa e lisboeta da liberdade”.
Marcos Perestrello não deixou de estabelecer paralelos entre aquela época histórica e a actualidade, recordando que a Restauração é uma lição tanto mais importante em “tempos de crise e de desafio, que exigem de nós maior tenacidade, mais coesão, maior ousadia”, defendendo que “o patriotismo de hoje não precisa, para se afirmar, de ser um patriotismo negativo”, mas “um patriotismo positivo”, concluindo com uma citação de Padre António Vieira: “os bons anos não os dá quem os deseja, senão quem os assegura”.

 

Um monárquico não diria melhor. Talvez ele também o seja e nesse caso, parabéns, camarada!

 

Afinal é esta, a favorita da Câmara Municipal de Lisboa.

publicado às 19:11






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas