Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A Coreia do Norte executou publicamente uma mulher cristã no passado mês de Junho por ter distribuído a Bíblia, proibida no país, informaram activista coreanos esta sexta-feira.

 

Ri Hyon Ok, com 33 anos de idade, foi executada na cidade e Ryongchon, cidade do noroeste da fronteira com a China no dia 16 de Junho, segundo um relatório de uma aliança de dezenas de grupos activistas anti-Coreia do norte.

Os pais, o marido e os três filhos foram enviados para um campo-prisão político na cidade de Hoeryong, no noroeste do país, um dia após a execução.

Embora a Coreia do Norte afirme que a liberdade de religião dos cerca de 24 milhões de habitantes está assegurada, na realidade existem observações religiosas bastante rígidas, sendo que a religião praticada no país consiste no culto de personalidade em torno do fundador Kim II-Song e o filho, o actual líder Kim Jong-II.

O governo autorizou quatro igrejas estatais, uma Católica, duas protestantes e uma Ortodoxa, destinadas a estrangeiros. Contudo, os activistas estimam que mais de 30 mil norte-coreanos praticam secretamente o cristianismo.

 

A pátria dos Queridos Líderes e arranha-céus com elevadores que não funcionam, apologizada por Bernardino Soares e por diferentes pasquins ligados ao PCP , continua a mostrar a sua face ao mundo. Espanta-me como é que um caso como este, já com uns dias,  teve tão pouca repercussão e pouco se ouviu falar nas notícias

 

Bem a propósito, surgiu agora uma obra  - "Os Aquários de Pyongyang - Dez anos no Gulag Norte-Coreano", de Kang Chol-Wan e Pierre Rigoulot, na Editoral Hespérria (sugestão de CM) -  que é mesmo oportuna. A tomar nota da coluna de horrores que provavelmente desfilará naquelas linhas.

 

publicado às 19:06

Barbaridades

por Samuel de Paiva Pires, em 05.04.08
Vieira da Silva, ministro do Trabalho e da Solidariedade Social, em entrevista ao Expresso:

A matriz ideológica do PS mantém-se intacta ou houve uma evolução?
Matrizes intactas são matrizes mortas. Aquilo que não mexe, que não se adapta, que não se reformula ou renova, está condenado à fossilização. Até as estrelas se movem! Não julgo que seja possível que os contornos das opções ideológicas e doutrinárias das forças políticas não evoluam. Relativamente aos factores essenciais de caracterização do socialismo democrático, em Portugal representado pelo PS - liberdade, igualdade, justiça social, papel do Estado como factor decisivo para garantia daqueles valores - permanecem decisivos, são o código genético do PS.

Pondo de parte a pergunta abjecta, posto que a ideologia dos partidos do centrão, seja aqui seja onde for, é a ideologia do marketing e da governance, pois então o PS é que representa em Portugal a liberdade, a igualdade, a justiça social. Pois, mais ninguém mesmo, e as pessoas ainda se deixam levar nesta lengalenga. Depois queixem-se que os socialistas se arroguem de ser os donos da liberdade de Portugal, os grandes combatentes pela liberdade e os direitos sociais, assim legitimando as suas acções em toda a linha. É assim que se atravessa a ténue linha do ilusório pluralismo para a ditadura ideológica.

Continua a acreditar no modelo europeu de Estado Social?
Há poucas realidades que se tenham mantido tão socialmente eficazes como o Estado Social europeu. Nenhum outro modelo, em nenhuma parte do mundo, tem tal capacidade de reequilíbrio social face a dificuldades de evolução histórica. Mas também não pode ser entendido como algo de estático. Valorizo uma dimensão de mudança. O nosso modelo social europeu, nuns países mais eficaz do que em Portugal, noutros menos, foi construído com base numa lógica de intervenção dos poderes públicos que era profundamente niveladora, com direitos sociais universais e idênticos para todos. O que a realidade dos tempos nos vem mostrando é que a forma de concretizar esses direitos universais tem de ser corrigida no sentido da diferenciação positiva, de uma intervenção mais forte juntos dos segmentos mais fracos da população. É uma correcção porque exige menos recursos à sociedade e dirige-os para onde eles são mais eficazes

Pois de facto há poucas realidades que se tenham mantido tão socialmente eficazes como o Estado Social europeu. Só que onde o modelo funciona efectivamente, ao invés de pensarem em valorizar a intervenção do Estado, demonstram uma combinação mista, herdeira da teoria keynesiana quanto aos sectores chave (educação, saúde, justiça, onde tem de haver mais Estado, ao contrário do que se vem fazendo em Portugal), e da teoria liberal, originária de Adam Smith, valorizando o papel do mercado nos restantes sectores da sociedade, novamente, ao contrário do que se vem fazendo em Portugal (basta atentar na assoberbada intervenção do Estado na Banca, e na quantidade de privados que andam de mãos dadas com o Estado para que possam enriquecer).

publicado às 02:44

Barbaridades

por Samuel de Paiva Pires, em 05.04.08
O Secretário de Estado da Educação disse aos jornalistas, à margem do IX Fórum da Associação de Estabelecimentos de Ensino Particular e Corporativo, que "há uma campanha orquestrada contra a escola pública".

Valter Lemos considera que esta é uma campanha totalmente imerecida porque “para a maior parte dos portugueses, não existe alternativa ao ensino público”.

Não querendo adiantar que está por detrás desta campanha, Valter Lemos disse apenas que vê as notícias e que os jornalistas saberão.


Olhe que se não há, devia haver. Por não existir alternativa ao ensino público, para muita gente, é que as pessoas se revoltam, ao contrário do que pretendem muitos, que os portugueses se deixem ficar no marasmo, pagando impostos para assistir ao constante nivelar por baixo, pela mediocridade, do sistema de ensino, sem falar ainda das cenas "tristes" a que temos vindo a assistir nos últimos anos.

E parece que já temos aí outra cabala na calha, agora é uma teoria da conspiração contra o sistema de ensino público. Claro, nunca se vai chegar a saber quem é que estará por detrás de tal coisa.

publicado às 02:36






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas