Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



37 dias

por Nuno Castelo-Branco, em 31.07.14

Desta vez há que elogiar o serviço que a SIC N prestou ao transmitir a série 37 Days, da BBC.

 

Quase todos apontam a Alemanha e o Kaiser Guilherme II como os únicos responsáveis pela eclosão do conflito, mas a verdade foi desde sempre conhecida, embora escassamente aceite pelas multifacetadas opiniões públicas.

 

O resvalar para a guerra obedeceu aos interesses de cada uma das grandes potências e a uma miríade de enganos, mal-entendidos, expectativas goradas e  vaidade de alguns dos intervenientes, um jogo perigoso que conduziu a Europa à destruição. Infelizmente, os autores da série não se interessaram pelo decisivo papel representado pelas autoridades da Sérvia, ansiosas pelo liquidar da Áustria-Hungria. O governo de Belgrado claramente patrocinava os grupos subversivos e a pegada Dimitrievic era muito evidente, sendo difícil separar a condescendência dos governantes de Belgrado, da autoria moral e material do crime de Sarajevo. Outro aspecto que é uma novidade para a maioria dos telespectadores, será a imagem que nos fica dos soberanos das principais monarquias em liça. Os imperadores da Áustria e da Alemanha, o czar e o rei Jorge V, parecem muito cerceados daquele poder omnipotente que lhes era atribuído - especialmente no que se refere aos três imperadores -, evidenciando-se então o papel desempenhado pelos diplomatas onde Paul Cambon surge de forma episódica mas decisiva, as discórdias entre os membros dos governos das potências - sobressaindo o relativamente prudente chanceler Bethmann-Hollweg - e também, a pressão exercida pelos militares. Um mês de decisões erráticas, hesitações e porque não dizê-lo?, de múltiplos e recíprocos wishful thinking que levaram a Alemanha, Áustria-Hungria, Rússia, a França e o Reino Unido à guerra. 

Uma série a não perder.  

publicado às 15:51

Serviço público britânico

por João Pinto Bastos, em 30.01.13

O debate acerca da privatização da RTP, agora convertida em reestruturação conduzida pelo prestimoso Relvas, é uma daquelas chinfrineiras em que todos vociferam e ninguém se entende. É fácil perceber o porquê desta desinteligência. Quando a nebulosa dos interesses é demasiado dilatada, ninguém está disposto a perder o seu quinhão de privilégios. É, porventura, por essa razão que as opiniões são tão desencontradas quando se fala em conteúdos de serviço público. A medida do ridículo foi há muito superada pela ignorância dos ditos analistas que, contrariando as regras do bom senso, dizem tudo e o seu contrário, sobretudo aquele género de pantominas que servem unicamente para encher a pança do populacho: os preços certos que prometem mundos e fundos e espalham minuciosamente a ignorância. Os mandarins autóctones poderiam aprender alguma coisa com os seus homólogos britânicos. Os exemplos abundam e não são nada despiciendos. Um bom exemplo, daqueles que deveriam fazer escola, e, simultaneamente, fazer corar de vergonha os "donos" dos ditos conteúdos, é o recente projecto da BBC, levado a bom termo, de colocar online uma ampla colecção de pinturas das mais variadas épocas, disponibilizando assim, o acesso à arte pictórica a uma larga plateia. Para quem anseia por bons exemplos, ou na novalíngua em voga, pelo "benchmarking" do óptimo lá de fora, o paradigma atrás citado é um bom modelo de captação de públicos. Coisinhas simples que cá, neste burgo infestado pelo curto-termismo e pela política da terra queimada, não interessam a ninguém.

publicado às 23:45

Tags:

publicado às 08:29






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds