Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Blog OLHAR DIREITO entrevistou João Gomes de Almeida do Manifesto "Instaurar a Democracia, Restaurar a Monarquia". Eis as perguntas feitas por Francisco Castelo Branco.
"OLHAR DIREITO: Qual é o objectivo principal do Manifesto?

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : Este Manifesto foi um acto cívico, lançado pelas mãos de vários portugueses de sempre, que nunca desistiram de Portugal e que também não o pretendem fazer agora, quando estamos na mó de baixo. Numa altura em que todos os políticos avançam com problemas, nós reagimos e apresentámos uma solução. O Rei sempre apareceu conduzido pela mão do seu povo, nunca levado ao colo pelas elites. Foi isso o que fizemos, enquanto povo, enquanto patriotas, que acreditam na soberania de Portugal e numa chefia de estado independente de todas as forças de pressão.

OLHAR DIREITO : És a favor ou contra o referendo? porquê?

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : Sou a favor de um referendo, porque a república onde vivemos foi imposta ao povo português por uma revolução armada, precedida de um duplo homicídio. Nunca o povo português foi chamado a discutir e a escolher a sua chefia de estado, nestes 100 anos de república. Numa altura tão complicada para o nosso país, urge que se devolva a palavra aos portugueses.

OLHAR DIREITO : Qual a vantagem de Portugal ser uma Monarquia neste momento.

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : A nossa política e a nossa justiça estão premiáveis aos mais diversos lobbys, aos quais o chefe de estado deveria ser superior, funcionando como um verdadeiro árbitro e moderador do sistema, o que não acontece actualmente em Portugal. Já imaginou um jogo de futebol em que o árbitro é nomeado pela equipa que tem mais sócios? Acha que faz sentido? Em monarquia o chefe de estado nasce Rei. Não precisa de fazer carreira partidária, não necessita que lhe financiem as campanhas eleitorais e não tem amigos que gerem bancos e empresas de construção civil. Desta forma, torna-se verdadeiramente independente - dependendo e devendo obediência únicamente ao seu povo, o único que tem poderes para o depor. A esta independência na moderação do sistema democrático, junta-se também o simbolismo que a figura do rei encarna, como pólo agregador das vontades de um povo, lutando por um desígnio maior: Portugal e a sua língua espalhada pelos 5 continentes. 

OLHAR DIREITO : A Monarquia tem resposta para os problemas sociais e económicos do país?

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : A monarquia é a resposta para a refundação do nosso sistema democrático. Oferecendo-lhe independência e representatividade popular na chefia de estado. Permitindo aos portugueses saberem que o seu chefe de estado é verdadeiramente isento e se encontra únicamente ao serviço do seu povo. E não dos lobbys que o elegeram, como acontece na república.

OLHAR DIREITO : - Quais são as grandes falhas da Republica?

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : Por muito que a república se tente aperfeiçoar e adaptar ao sistema democrático, nunca conseguirá garantir uma chefia de estado verdadeiramente independente e representativa de todos os portugueses. Muito menos enquanto continuar a ser imposta ao povo português, que está proibido constitucionalmente da referendar.

OLHAR DIREITO : Quais seriam os poderes do Rei numa Monarquia Constitucional do Século XXI?

JOÃO GOMES DE ALMEIDA : Seriam essencialmente os mesmos poderes do chefe de estado republicano. Mas exercidos de uma forma verdadeiramente independente e investidos de uma maior simbologia, carga histórica e representatividade popular. Como acontece nas restantes democracias monárquicas constitucionais da Europa."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:01






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas