Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Censura de blogs e rãs

por John Wolf, em 24.04.15

Frog.jpg

 

Falo em nome próprio. Escrevo os meus textos. Assumo as minhas posições. O acordo assinado entre o governo e o Partido Socialista no sentido de exercer o controlo prévio dos meios de comunicação, na campanha eleitoral que se avizinha, diz respeito a todos nós. Colide com a liberdade de expressão de um modo descarado. Posso dizer, sem rodeios, que já sinto a censura há algum tempo. Não sei quem controla os blogs Sapo. Não conheço os administradores da PT, mas alegadamente houve uma decisão nascida no seio de uma estrutura partidária no sentido de mitigar os efeitos dos posts publicados. Basta ler os meus textos para perceber que pelo menos 75% dos mesmos servem para deteriorar os argumentos dos socialistas. Mas não são os únicos visados. Também aponto as baterias ao governo quando bem entendo. Nesse sentido, não nutro nem preferências ideológicas nem partidárias. Sou a favor da cidadania, da democracia e da liberdade de expressão. Em 2014 tive no portal Sapo 96 posts em destaque (primeira página, se quiserem), ou seja; registei uma taxa de visibilidade assinalável. E de repente a natureza dos destaques do portal Sapo deixou de ter acutilância política. E o Estado Sentido foi varrido dessa montra. Uma ordem deve ter sido dada, mais ou menos nestes moldes: "tirem-me estes senhores do ar". Neste momento o portal elege conteúdos de pendor light, cor de rosa e diet, e não passa despercebido. Mas como não devo favores a quem quer que seja, respiro profundamente os ares de independência, durmo tranquilamente. Nunca deixarei de dizer ou escrever o que penso. Uma nota final. As vozes críticas, mesmo as que não votam neste país, podem revelar a sua paixão por Portugal e o destino nacional. Eu inscrevo-me nessa categoria. Batalho por Portugal, muitas vezes com mais intensidade do que cidadãos de pleno direito. Quanto aos inimigos, prefiro levar-lhes a guerra à porta. Aqui, por exemplo.

publicado às 10:30

 

Parabéns aos blogs do Sapo pelos seus 10 anos de existência!

 

Aqui seguem as minhas dez razões de felicitação:

 

1. A posição independente da equipa de gestores dos blogs SAPO que concede voz (e texto!) às mais diversas e excêntricas orientações políticas e culturais - Os blogs Sapo são por isso contribuintes líquidos para a Democracia em Portugal.

 

2. O modo como os blogs "desalinham" os opinião makers, colocando-os em contraste com posições discordantes.

 

3. A promoção do debate transversal que coloca em diálogo os blogs de natureza distinta.

 

4. O estímulo à produção de conteúdos alternativos ao mainstream (até ao dia em que os blogs se tornam mainstream!)

 

5. A oferta da possibilidade ao cidadão comum de se fazer ouvir em representação dos seus interesses particulares ou de outra ordem colectiva.

 

6. O canal de interacção que os blogs SAPO representa na comunicação entre o poder político e os destinatários do mesmo.

 

7. A produção intelectual a que estão obrigados os bloggers e a sua procura no equilíbrio da mensagem a veicular.

 

8. A perfeita integração dos conteúdos dos blogs na corrente sanguínea das redes sociais.

 

9. A dimensão não onerosa do projecto blogs SAPO que oferece a possibilidade de configuração e design a título gratuíto.

 

10. E por último; a dinâmica de procura de inovação da equipa dos blogs SAPO que rompe fronteiras em busca da excelência e do verdadeiro serviço público.

publicado às 14:56

Mais uma vez, muito obrigado Blogs Sapo!

por John Wolf, em 30.04.13

Em nome próprio, e do blog Estado Sentido, gostaria de mais uma vez agradecer à equipa do Blogs Sapo pelo destaque que concederam ao meu artigo.  A resposta dos leitores é a maior prenda que se pode receber e ajuda a construir as mensagens que pecam sempre por defeito. Muito obrigado!

publicado às 10:11






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas