Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Tudo bons banqueiros

por John Wolf, em 09.08.14

Exemplos de uma classe profissional bem representada. Seguramente há outros. Há mais.

 

BPN -  Oliveira e Costa

BCP - Jardim Gonçalves

BPP - João Rendeiro

BES - Ricardo Salgado

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 14:14

Gozar com os contribuintes

por Samuel de Paiva Pires, em 02.12.08

 

O Estado vai garantir 450 milhões de euros de empréstimos concedidos por seis instituições nacionais ao Banco Privado Português e recebe de garantia activos do banco avaliados em 672 milhões de euros, anunciou hoje o Banco de Portugal.

 

Neste caso concordo com Francisco Louçã:


"As condições legais não se verificam porque o Estado não tem interesse no empreendimento, não há projecto concreto de investimento nem garantia com segurança suficiente"

 

Isto depois de se ter verificado a incoerência de Teixeira dos Santos que há uns dias parecia que que estava disposto a deixar cair o BPP ao afirmar que a sua falência não colocava risco sistémico ao sector, e agora diz que o Governo decidiu salvar o BPP para defender a imagem de Portugal em termos externos e para evitar uma histeria doméstica.

 

Portanto o Estado empresta o dinheiro dos contribuintes a bancos com peso considerável na economia portuguesa para depois esses emprestarem dinheiro a um banco que gere fortunas e tem uma reduzidíssima expressão na economia real, o que o impede de receber os tais 700 milhões de dólares que João Rendeira pretendia. É só impressão minha ou a isto chama-se  engenharia financeira/contabilística ou lavagem de dinheiro?

 

Aquando o início da crise financeira internacional, por aqui fomos dos mais acérrimos críticos dos tais fundamentos do neo-liberalismo predador do homem e propenso à corrupção, à ganância e sem verdadeiro impacto no desenvolvimento das sociedades. Mas quanto a Portugal parece-me que os fundamentos do mercado e do liberalismo deveriam ter imperado não só no caso do BPN mas ainda mais no caso do BPP. No primeiro caso, aproveitou-se para nacionalizar um banco que muita gente sabia ser perpassado por uma gestão danosa e actos de corrupção. No segundo, salva-se um banco através de uma complexa engenharia financeira e contabílistica utilizando dinheiro dos contribuintes e um aval do Estado, para eventualmente executar uma hipoteca em caso de incumprimento das obrigações de pagamento destes empréstimos no futuro, ou seja, concretizando-se então a nacionalização do BPP à posteriori. Nenhum deles tem verdadeiramente impacto na economia das famílias e empresas, pelo que as respectivas situações não são sequer comparáveis às falências de instituições financeiras fundamentais para a economia real dos respectivos países.

 

Como li já não sei onde, parece que andamos a brincar aos países grandes e às nacionalizações. Falando em termos de imagem externa, acham que isto parece melhor do que deixar o mercado funcionar quando realmente deve? E em termos internos, gozar com os contribuintes é engraçado não?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:43

Berardo opina sobre o BPP

por Nuno Castelo-Branco, em 29.11.08

 Pouco sei acerca de Joe Berardo. Creio que cumpriu plenamente a promessa da conquista de um futuro de abastança e na África do Sul construiu o seu destino de milionário. Conheço-o através da sua colecção exposta no CCB, daquela outra que reúne preciosidades criadas por Bordalo Pinheiro e  pelas periódicas entrevistas na televisão, comentando ou posicionando-se nas lutas inter-banqueiras que todos sabemos. 

 

Esquecida a mefistofélica etapa do "escândalo Millenium" que acabou em quase nada, ontem surgiu Berardo na RTP, dando a sua opinião quanto ao processo de falência - é disso que se trata - de um até então quase anónimo Banco Privado Português. Após uma breve reportagem na qual foram ouvidos dois dos principais participantes e interessados - Balsemão e Saviotti -, Berardo deu a sua opinião que grosso modo, corresponde à da esmagadora maioria do comum cidadão.

 

Os bancos não são propriamente jardins de recreio, campos de golfe, bordéis, clubes de canasta e bridge, ou salões com escadarias para passagens de modelos. São instituições destinadas ao financiamento de projectos, ao investimento em benefício dos accionistas e do país em geral e principalmente, de guarda dos depósitos  que aí são colocados, finda a época da caixinha escondida atrás da lareira, do porquinho de barro ou do colchão de palha. Por uma mera e ao que parece hoje dispensável questão de ética, os bens depositados devem ser garantidos, consistindo num verdadeiro ponto de honra e na base do funcionamento de qualquer uma destas instituições. Se os gestores e principais accionistas decidiram e executaram projectos de investimento ruinosos, talvez até com contornos poucos claros e que em consequência conduziram determinada instituição ao colapso, as responsabilidades e o ónus devem ser da responsabilidade daqueles.  Foi isso mesmo que Berardo ontem disse e com toda a razão. O Estado faz o que lhe compete, se garantir que os depósitos efectuados por clientes de boa fé forem cobertos, evitando novas misérias e a perturbação da ordem pública. Mas quem efectuou maus negócios de livre vontade, manipulou números e fez desaparecer património de outrém, deve resposabilizar-se pelos seus actos. Se os senhores Balsemão, Saviotti e companheiros se sentem auto-lesados, o problema não deve ser assacado ao Tesouro Público e aos contribuintes sobrecarregados de impostos. Outro aspecto não descartável, consiste no facto da referida entidade, apenas aceitar depositantes com maquias superiores a 1 milhão de Euros (será verdade?) e se assim era, os senhores milionários especuladores que paguem a própria pequena crise. Jogaram? Brincaram? Especularam? Então responsabilizem-se e cubram eles próprios o prejuízo. Assim deve ser um capitalismo saudável, como se quer. Berardo tem razão e coloriu as suas palavras com a fábula da cigarra e da formiga. A alternativa a esta cristalina evidência, é o completo descrédito do regime no seu todo e quanto a isto, o senhor primeiro-ministro está decerto ciente, pelas lições que a história já nos deu, até porque sonantes nomes da superestrutura do poder parecem - com ou sem razão - envolvidos neste caso.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:37

Incongruências?

por Samuel de Paiva Pires, em 27.11.08

A crise financeira internacional tem obrigado a bailout plans e nacionalizações para permitir injectar liquidez nos mercados, incentivar o consumo e evitar falências de instituições bancárias e financeiras com muito peso nas respectivas sociedades, primordiais para a sustentabilidade económico-financeira das famílias, empresas e respectivo Estado. Em Portugal a crise veio mesmo a jeito para nacionalizar um banco que as elites políticas sabiam ser perpassado por trocas de favores, corrupção e gestão danosa há já vários anos, até porque grande parte dos indivíduos envolvidos nessas "brincadeiras" faz parte dessas elites, e agora está-se a desencantar um plano para salvar o Banco Privado Português, que gere apenas fortunas milionárias. Mas o dislate e o descaramento destes politiqueiros da terceira república não tem limite?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:28






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds