Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Norodom Sihanouk

por Nuno Castelo-Branco, em 15.10.12

Morreu Norodom Sihanouk, uma das mais formidáveis, multifacetadas e controversas personalidades da história do século XX. Várias vezes Rei, Presidente ou Primeiro-Ministro, foi bem um exemplo da desordem que a prepotência do colonialismo europeu instalou nas muito tradicionais sociedades asiáticas. Deslumbrado por aquilo que julgara ser o progresso e a modernidade, comprometeu seriamente os seus iniciais e bem sucedidos esforços pela emancipação do antigo protectorado francês do Camboja, oscilando entre instáveis posições políticas internas e uma complicada estratégia internacional, impossíveis de conciliar com a instituição que encarnava. Da cegueira, violência congénita e ignorância norte-americana perante as realidades de um sudeste asiático na encruzilhada do conflito entre um ocidente em declínio e os avanços do imperialismo maoísta, Sihanouk procurou a síntese numa quimérica neutralidade, cujo resultado final consistiu no total comprometimento com as tiranias de Pequim e de Pyongyang. Endossando alguma credibilidade interna aos genocidas Khmers Vermelhos que com a sua adesão conseguiram angariar uma sólida base de recrutamento de camponeses guerrilheiros, Sihanouk atravessou a barreira do inaceitável, mas passado o vendaval assassino, uns anos mais tarde e uns tantos milhões de mortos bem contados nas guerras e nos Killing Fields, regressaria como monarca constitucional restaurado, descobrindo na acalmia geral dos anos noventa, o papel para que fora talhado e rejeitara em benefício da ambição por aquele poder político tão transitório quanto enfeudado a interesses alheios aos do seu povo.

 

Neste momento, agravam-se as tensões naquela região do planeta e uma nova investida chinesa poderá estar em preparação, obrigando a um realinhamento das pequenas potências com poucas opções de escolha, senão uma neutralidade benevolente para com Pequim  - os chineses ainda não esqueceram o período imperial e os correspondentes Estados vassalos -, ou a declarada inimizade plena de consequências. Aliando-se a ocidente ao Irão e apoiando-se a leste na Coreia do Norte, a China desafia abertamente os japoneses, enquanto a Coreia do Sul, as Filipinas e a Formosa temem pela sua segurança, até hoje sustentada pelos EUA. O próximo objectivo será claramente, o enfeudamento ou neutralização do Vietname, Camboja, Laos e Tailândia, deixando a Monarquia dos Norodom perante o eterno dilema das escassas opções.

 

Com a ascensão do seu sucessor Norodom Sihamoni ao trono de Phnom Penh, o Camboja parecia ter finalmente encontrado o ponto de equilíbrio interno, numa região onde a instabilidade poderá ciclicamente regressar. Infelizmente, Pequim terá como sempre uma palavra a dizer.

 

Tags:

publicado às 09:56

...

por Nuno Castelo-Branco, em 18.08.08

 

                                                    Sihamoni do Camboja: o rei simpatia

publicado às 19:33





Posts recentes


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds