Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A foto do ano

por Pedro Quartin Graça, em 29.12.12

Créditos: DIÁRIO AS BEIRAS/LUÍS CARREGÃ

Pedro Passos Coelho, ontem em Coimbra.

publicado às 12:39

Escadarias

por Nuno Castelo-Branco, em 25.05.11

Deixando de parte as cíclicas cretinices arrotadas em campanha eleitoral, o assunto das escadarias da Universidade de Coimbra, parece poder despoletar um caso. Segundo informações que já circulam pela net, existem projectos que visam a "modernização" de todo aquele espaço, com intervenções dos santarrões de regra e esquadro do regime. Geralmente chancelados com a benção de progressismo, servem o mesmíssimo fim daqueles que ingloriamente, vão de auto-estradas asfaltando Portugal de norte a sul. 

 

"Diz-se que" em Coimbra existem estudos para uma radical transformação do espaço histórico já abusivamente alterado durante a 2ª República. Provavelmente, a via crucis que é a escadaria monumental, desaparecerá, tal como desapareceu aquela outra que a precedeu. Já se invocam nomes como Byrne, Souto Moura ou Siza. Enfim, o costume, está-se mesmo a adivinhar o que dali sairá. Uma quantidade de caixas de sabão de estreitinhas janelas rasgadas, tectos baixos, miserável minimalismo, toneladas de Pladur e muitos alumínios de vários tons. Nada que vá contra o politicamente correcto e aceite. Infalivelmente, já consta a construção de um "parque de estacionamento" no alto, bem no coração da velha Universidade. Era de prever, a obra de "remodelação" visará tão só, o empochar de dinheiro fácil, previsivelmente saído dos bolsos dos pais de uma geração que estando "à rasca", para a Universidade viaja a bordo da sua viatura.

 

Num país arruinado, Coimbra sofre dos mesmos males das outras cidades portuguesas. O centro histórico encontra-se pontilhado por uma grande quantidade de belos edifícios semi-arruinados, vazios e à espera de demolição. À beira rio e perto do renovado "jardim da ponte", idem. Casarões oitocentistas a caírem aos pedaços, lojas com correntes à porta e aqui ou ali, um imundo "edifício moderno", erguido com mais betão, mais Pladur e mais alumínio para a especulação. 

 

Alguns alegam com a clara mensagem política que a escadaria monumental representa. É uma verdade, mas hoje apenas perceptível a quem tenha um mínimo conhecimento da história ou que se interesse pelos actos simbólicos de um regime já passado. A escadaria coimbrã, tem precisamente o mesmo significado que aquelas outras construídas em todo o planeta, desde a Mesopotâmia, ao Egipto dos faraós e impérios da América Central. A escadaria "de Eisenstein", em Odessa, foi construída durante o período czarista, mas sendo maravilhoso o aspecto cénico, logo foi copiada pelos adventícios soviéticos que a fizeram replicar por toda a URSS. Existem também no Memorial a Vítor Manuel II - a famosa e injustamente chamada  "máquina de dactilografar" -, em Estalinegrado, na Berlim de Hitler e dos seus sucessores do SED, na Roménia pós-Miguel I, na China, em Piong-Iang, na democratíssima Paris do Trocadero ao estilo Speer e até, pasme-se, na Federal Reserve USA. Foi um estilo, uma época. Há uns anos, João Soares quis construir um a espécie de teleférico que arrasaria uma boa parte da encosta do Castelo de S. Jorge. Era a sua "escadaria" das novas tecnologias. 

 

Não valerá a pena perdermos muito tempo com explicações acerca do porquê desta mania das escadarias, impróprias para o conforto de quem queira atingir um ponto situado num dado local. Vencer a natureza cheia de difuldades topográficas, o atestar da força da vontade de um sistema, o querer estar mais perto do céu? Tudo isto é possível e até adaptável aos pontos de vista das gerações que se vão sucedendo na ocupação do espaço.

 

De uma coisa estaremos bem cientes. A menos que este empobrecido país cometa mais loucuras, as escadarias lá continuarão por muito tempo. O mesmo não poderemos dizer da CDU ou de qualquer um dos Partidos que preenchem a nossa actual paisagem política. 

publicado às 14:25





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds