Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



 A Comissão Nacional para as Comemorações do Centenário da República decidiu criar um curso sobre a 1ª república e o republicanismo (a 2ª e 3ª sem que se lhes mencione o nome).


Num país com dez milhões de habitantes, o entusiasmo generalizou-se às mais diversas áreas sócio-profissionais, conseguindo-se a inscrição da astronómica quantidade de 153 alunos, prevendo-se a necessidade do recurso à recruta de mais docentes que possam satisfazer a ansiosa procura popular. 

O curso obedecerá a uma criteriosa explanação da natureza do regime republicano deste os seus primórdios oitocentistas. Desta vez, destacamos alguns pontos de interesse para a formação dos estudantes:
1- Como o prp prosseguiu uma política de agitação, através de campanhas de boatos, calúnias e manipulação da informação através da coacção física e moral. 
2- Como o prp conseguiu obter deputados no Parlamento da Monarquia, através do favor dos dois principais partidos do sistema, o Progressista e o Regenerador, servindo assim como elemento desestabilizador e de ameaça à segurança do Estado (aula obrigatória).
3- Como o prp decapitou o regime, através do recurso ao terrorismo. Como construir uma rede bombista e como organizar grupos de executores de figuras públicas (aulas facultativas)
4- Como criar uma sensação de permanente insegurança pública, inventando notícias numa imprensa fragilizada pela ausência de censura prévia (aula obrigatória).
5- Como delegar no braço armado não filiado, as acções de violência subversiva, para após conseguido o objectivo, o Directório do prp se apoderar do poder que não conquistou por esforço próprio.
6- Como desenvolver - em conúbio com correligionários estrangeiros - uma campanha alarmista acerca da solidez institucional no país. Neste capítulo explicar-se-ão as razões que levaram a 1ª república a submeter-se de uma forma até então jamais vista, à tutela da Grã-Bretanha, como preço a pagar pela neutralidade de Londres perante a subversão em Lisboa.
7- Como liquidar o movimento sindical. Como destruir o Partido Socialista Português (aulas obrigatórias).
8- Como manipular as contas públicas, fazendo crer numa efectiva redução do défice orçamental (aula obrigatória).
9- Como forçar centenas de milhar de potenciais "reaccionários realistas" a emigrar para o Brasil e Estados Unidos da América (aula obrigatória).
10- Como convencer dezenas de milhar de matarruanos a partir para as trincheiras da Flandres, fazendo simultaneamente crer em Paris, num ingente esforço de guerra. Novos uniformes, novas bandeiras regimentais e logística ad-hoc (aula obrigatória e explicativa das missões das FAP no Iraque e Afeganistão).
11- Como entrar em guerra com a Alemanha e a Áustria-Hungria, cumprindo apenas os objectivos estratégicos do sector político que almejava ao completo reconhecimento diplomático.
12- Como ignorar o esforço de guerra do Rei que em Londres organizava o serviço hospitalar para os soldados portugueses. Como diminuir-lhe a acção no campo do aprovisionamento. Como aproveitar-se a influência da Majestade na Inglaterra, em benefício do Estado português e ao mesmo tempo, desencadear uma violenta campanha de imprensa em Lisboa.
13- Como ser derrotado em todas as frentes de batalha e apresentar-se em 1918, como potência vitoriosa e coberta de honra nos campos da Flandres, Angola e Moçambique.
14- Como consolidar o regime através da formação de 45 governos em 16 anos.
15- Como conseguir a respeitabilidade institucional, proclamando e depondo 8 presidentes em 16 anos.
16- Como organizar milícias de caceteiros eleitorais, dando força ao reordenamento dos círculos para a eleição de deputados e desenhando-os de forma a beneficiar exclusivamente os detentores do poder da força (aula obrigatória e modelar em perspectiva do próximo reordenamento do mapa eleitoral português).
17- Como ter um Parlamento onde o número de deputados uniformizados ascenda às dezenas.
18- Como transformar a GNR no exército privado do partido do regime.
19- Como organizar núcleos de coação, como a Formiga Branca ou a Legião Vermelha, capazes de acções de força intimidatória e exterminadora.
20- Como liquidar a influência do Estado sobre a hierarquia da Igreja, instituindo a Lei da Separação e permitindo a radicalização incontrolada do clero ultramontano.
21- Como assassinar um presidente da república, em nome da própria república. Como assassinar um primeiro-ministro republicano, em nome da própria república.
22- Como eliminar os opositores indesejáveis, promovendo passeios de Camioneta pelas ruas de Lisboa.
23- Como eliminar de uma assentada todos aqueles que sendo republicanos, se tornaram incómodos pelos seus próprios crimes, organizando-se uma Leva susceptível de ser emboscada na zona do Chiado/Corpo Santo.
24- Como prometer a construção de uma armada de couraçados do tipo Orion e conseguir manter em actividade a Armada Real durante mais 25 anos.
25- Como conseguir a ameaça de intervenção externa nas finanças e alfândegas nacionais (colónias incluídas). Pela actualidade, estas aulas são obrigatórias.
26- Como liquidar a solvência do Banco de Portugal, através do laxismo no controle da circulação da moeda, permitindo-se a falsificação de papel-moeda (aula obrigatória e explicativa da evolução do sistema off-shore).
27- Como encher as prisões com presos políticos em nome da liberdade, aplicando-lhes tratamento vexatório e conforme os figurinos do senhor Kamal Attaturk.
28- Como conseguir manter em circulação durante vinte anos três moedas diferentes no espaço nacional: o Real, o Escudo e a Libra esterlina, paralelamente a cédulas monetárias de âmbito local.
29- Como conseguir transformar a bandeira de um braço armado do prp em bandeira nacional, manipulando-se o significado das cores e elementos constantes no escudo nacional (aula obrigatória).
30- Como transformar um Hino claramente monárquico e dedicado ao Rei, em Hino da república (aula obrigatória).
31- Como criar as condições para uma sublevação militar que garanta indefinidamente a vigência do regime republicano.
32- Como reciclar a Formiga Branca, transformando-a em Polícia de Vigilância e Defesa do Estado.
33- Como criar e ampliar o campo de internamento do Tarrafal, para melhor controlo de facciosos extremistas.
34- Como conseguir a consagração do prp reformulado e crismado em União Nacional, como elemento único no Parlamento da república.
35- Como proceder a uma maciça campanha em prol dos símbolos do regime, de uma forma jamais vista em Portugal: bandeira, hino, presidente e presidente do Conselho de ministros (aula obrigatória, ministrada com a assistência de um famoso treinador de selecção de futebol).
36- Como manter o poder durante quatro décadas.
37- Como resistir a qualquer tipo de negociação ou período prolongado de transição, garantindo para a república a posse das províncias ultramarinas.
38- Como se desfazer apressadamente do Império Ultramarino, beneficiando os correligionários políticos e a potência dominante do campo internacional oposto às alianças em que Portugal participa.
39- Como retirar a nacionalidade a populações africanas, tendo como critério a cor da pele (aula obrigatória, dada a actualidade com a situação dos nacionais estrangeiros em Portugal que servem de mão de obra sem contrapartida legal).
40- Como destruir a economia, assinando os acordos necessários à adesão política da república portuguesa à Comunidade Económica Europeia, garantindo-se em contrapartida, a instauração por tempo indeterminado, do sistema de subsídios que acabarão por conduzir Portugal a uma União das Repúblicas Ibéricas (aula obrigatória, parcialmente ministrada em castelhano por um professor da Universidade Complutense, de Madrid).
41- Como promover a extinção de classes sociais, permitindo apenas a existência de duas: a dos muito ricos e a dos pobres.

Consiste esta breve súmula do programa, na primeira parte a desenvolver pelo corpo docente criteriosamente escolhido pela sua fidelidade ao regime, dependência de lugares cativos obtidos por nomeação de confiança político-partidária e comprovada linhagem republicana transmitida hereditariamente.

publicado às 00:21

Um site a visitar: http://www.regicidio.org/

por Nuno Castelo-Branco, em 25.03.09

 

Artigo 132 e seg. do Código Penal

 

* O assassínio é determinado por ódio racial, religioso ou político.


* Praticar o acto juntamente com, pelo menos, mais duas pessoas.


* Agir com frieza de ânimo, com reflexão sobre os meios empregados ou ter persistido na          intenção de matar por mais de 24 horas.


*Praticar o acto contra membro de órgão de soberania (...)

 

 

Tendo o regicídio consistido na essencial base do regime de 1910-2009, fica assim provado que à luz do Código Penal, o facto da ocorrência de Homicídio Qualificado Agravado, retira qualquer legitimidade à existência de uma Comissão oficial para as Comemorações da República. As verbas adstritas a esta entidade são ilegais, exigindo-se em nome do Estado de Direito, a imediata dissolução presidencial da dita organização.

publicado às 16:53






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas