Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Screen Shot 2015-06-15 at 17.54.24.png

 

Aproveito a deixa de Fernando Melro dos Santos para confirmar que os portugueses nunca estiveram tão preocupados com os eventos que assolam a Europa contemporânea. É surpreendente que ainda arranjem tempo para marchas populares, romarias a Évora, privatizações, calvários da bola e atribulações decorrentes de aparições de Jesus em clubes alheios. A Grécia já rachou e em breve sentiremos o impacto dessa falha na União Europeia e de um modo que transcende a normalidade, anormalidade. O que vale é que o crédito ao consumo em Portugal já está ganhar proporções épicas. Isso há-de salvar o país de catástrofe certa. Podemos também dormir aliviados sabendo que a eurodeputada Elisa Ferreira sabe interpelar o presidente do Banco Central Europeu para lhe colocar uma pergunta lúdica, infantil: "Senhor Mário Draghi, pode garantir que não haverá contágio se a Grécia abandonar o Euro?". Isto foi há coisa de três horas. Estamos defendidos, como podem ver.

publicado às 17:40

Portugal e a armadilha das comparações

por John Wolf, em 16.04.14

Acho péssimo o jogo das comparações. Portugal não é a Grécia. Portugal não é a Irlanda. Portugal não é isto. Portugal não é aquilo. Nem os silogismos servem a causa (argumento formado de três proposiçõesa maiora menor (premissase a conclusão deduzida da maior, por intermédio da menor). Portugal é igual a si e já basta. Este género de notícia eterniza a ideia de que Portugal deve usar a régua dos outros para medir a sua envergadura, a sua virilidade. E depois subsiste uma outra dimensão corrosiva. Assim que se transmite a ideia de que Portugal passou a ser um país de aforristas, os cidadãos, embalados pelo prémio de desempenho, começam a dar largas à imaginação. Já podemos observar as campanhas hedonistas apresentadas nos escaparates mediáticos. Ele é férias na praia dominicana. Ele é festa temática no verão que se aproxima. Ele é campeonato do mundo de futebol. E, assim, sem se dar conta, a boa notícia da poupança morde a própria cauda, come-se. É uma armadilha.


"silogismo", in Dicionário Priberam da Língua Portuguesa [em linha], 2008-2013, http://www.priberam.pt/dlpo/silogismo [consultado em 16-04-2014].

publicado às 08:02

A desquadra natalícia

por John Wolf, em 15.12.13

É um lugar comum afirmar que é bom ver tanta gente na rua. Que ruas apinhadas é sinónimo de felicidade e de esperança. Quem ontem deambulasse pela Baixa lisboeta veria com os seus próprios olhos o caudal de pessoas que inundava os passeios. Foram ver as montras e as decorações de Natal para afogar as mágoas. Foram ver com os próprios olhos o enfeite luminoso para não perder pitada do entusiasmo natalício. Os políticos e os defensores dos direitos afectivos do homem dirão que faz bem à sociedade e ao país encontrar os concidadãos na rua, mas eu tenho uma visão mais cínica, pessimista. Os transeuntes da quadra natalícia transbordam os passeios, mas não passam de window shoppers. Sonham com o dia em que poderão entrar nas lojas e levar sem pestanejar a máquina fotográfica para captar com precisão os melhores momentos - a ascensão e a queda da sua condição dependente do estatuto social, o seu semblante espiritualmente descaído e culturalmente deplorável. As pessoas nada melhor têm para fazer do que desejar a materialidade que parece ter escapado por entre os dedos, por entre a censura da austeridade e os devaneios do neo-liberalismo. E não é apenas na grande superficie ou na loja de bairro onde esta lógica impera. Nos outros locais de culto, do LX Factory ao Mercado de Campo de Ourique, a humanidade também se faz ver nessa triste constrição da sociedade de consumo. Uns dirão que a malha forjada em forma de cachecol é artesanal e por isso produto de uma Esquerda esclarecida pela lã. Outros afirmarão que o televisor LED, embora construído por trabalhadores oprimidos na República Popular da China, estará a contribuir para o crescimento económico e social daquele país, a fazer crescer a média classe a um ritmo nunca antes visto. Ou seja, o Natal serve para todos os embrulhos ideológicos e conceptuais. Permite a oferta de todo o género de justificações e não parece ser arma de arremesso do espectro político na sua integridade total. Neste caso, bizarro e paradoxal, a concordância é plena. O redentor para todos os males chama-se Jesus - mas não passa de um menino.

publicado às 10:27






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds