Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Continua o desgoverno dos medíocres

por Samuel de Paiva Pires, em 18.03.13

André Azevedo Alves, Rescisões na função pública: quem se lixa é o mexilhão...:

 

«To add insult to injury, não faltaram sequer as declarações de João Bilhim, que em 2005 dirigiu o Programa de Reestruturação da Administração Central do Estado (PRACE) e foi nomeado pelo actual Governo para o cargo de presidente da Comissão de Recrutamento e Selecção para a Administração Pública (Cresap), que simboliza exemplarmente o absoluto fracasso do Estado no que diz respeito à reforma da Administração Pública.»

publicado às 19:26

No Público:


«O deputado comunista João Ramos quer explicações sobre a nomeação para director-geral de Veterinária, em termos efectivos, de Alexandre Nuno Vieira e Brito, dois dias antes de tomar posse como secretário de Estado da Alimentação e Investigação Agro-Alimentar.


(...)


O deputado comunista refere ainda que Alexandre Nuno Vieira e Brito era membro da Comissão de Recrutamento e Selecção da Administração Pública, que em Outubro do ano passado abriu concurso para o cargo de director-geral de Veterinária. "Como perito indicado pelo Ministério da Agricultura [Alexandre Vieira e Brito] avaliou o seu próprio currículo", acusou João Ramos.»


Leitura complementar: Uma garantia, uma história de vida que fala por si e uma boa dose de humor negroBoys juniores e boys seniores: a podridão do regime vai muito além dos jotinhas…A Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública como um caso exemplar da decadência do regime (2)Resta a João Bilhim demitir-se de Presidente da Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração PúblicaComissão de Recrutamento e Selecção da Administração Pública (CReSAP)Morreu à nascença a já célebre Comissão de Recrutamento e Selecção da Administração Pública; Quando é que este descaramento acaba?

publicado às 23:03

Quando é que este descaramento acaba?

por Samuel de Paiva Pires, em 06.12.12

Uma pergunta que cada vez mais coloco a mim próprio é se certos indivíduos acham que Portugal é assim tão grande que as suas façanhas não sejam conhecidas por um certo número de pessoas. É que eu leio isto  e fico a pensar que só posso estar a ler o Inimigo Público. Deixo só uma dica: vão verificar quantas pessoas do segundo governo Sócrates (de assessores a Ministros) foram contratadas como docentes pelo ISCSP quando se tornou eminente a queda daquele governo e após esta queda, enquanto João Bilhim ainda era presidente do ISCSP.

 

Aqui fica parte da notícia:


«Questionado sobre se a célebre frase do antigo primeiro-ministro António Guterres sobre 'no more jobs for the boys', referindo-se ao fim dos chamados 'tachos' na Administração Pública, era agora uma realidade, João Bilhim foi perentório: "Ah, isso posso garantir. Eu tenho uma história de vida que fala por mim, e só sofre influências quem se põe a jeito, eu tenho 66 anos, não dependo disto, presido a um órgão que não pede nem recebe instruções do governo, e desde o princípio que disse que não sou influenciável".»

publicado às 20:00

À parte o facto de ser principescamente paga - o menor dos problemas, como referiu há dias o André Azevedo Alves -, quem conheça as personagens envolvidas nesta Comissão dificilmente ficará surpreendido por esta já estar envolvida numa polémica que deveria levar à demissão do seu Presidente, João Bilhim. 

 

No Jornal de Notícias, escreve assim Paulo Ferreira: «Há outro motivo para verberar a atuação de Passos Coelho: ele permitiu que a Comissão de Recrutamento e Seleção para a Administração Pública fosse instrumentalizada até à náusea. Quer dizer: matou-a à nascença. O currículo do vogal executivo da Metro foi três vezes analisado, até estar em conformidade. Seria outras tantas, caso fosse necessário. Só não é ridículo e vergonhoso para o presidente da dita, que continua serenamente à espera de novas instruções, em vez de fazer o que as circunstâncias impõem: demitir-se.»

publicado às 20:33






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds