Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Demolition Man (Marco Brambilla, 1993)

por Fernando Melro dos Santos, em 20.01.13

De cada vez que ouço um partidário do Estatismo invocar o argumento do "quem não deve não teme", só me apetece, de tão pueril que me parece o desplante, indagar acerca da sua coerência: o que fariam, ou aliás fazem, os seráficos colectivistas quando não é o Estado, e sim qualquer entidade privada, a demandar pormenores referentes às suas vidas? Pois é, cai o Carmo e a Trindade, apesar de não haver quaisquer diferenças nos princípios orientadores da questão. 

 

Cá no burgo, coito de tribos tão provincianas que até o próprio provincianismo ignoram, gozou-se com os britânicos quando foi proposto tornar obrigatório o porte de um bilhete de identidade, coisa ainda inexistente no Reino Unido, onde o passaporte serve como principal documento identificativo. Qual é o mal, desenham os néscios nas nuvens idílicas da crendice moderna.

 

Faz-se chacota de quem anda nisto há séculos, como se os trinta e oito anos de regabofe e devaneios transcorridos até aqui conferissem habilitação suficiente a um bando de nativos que ainda se deixa engodar com missangas.

 

Há dias recebi mais um email emitido pelo ubíquo director-geral do confisco, trazendo ao meu conhecimento a existência de um inquérito à satisfação do contribuinte, acessível no Portal das Finanças após inevitável registo e identificação; "para melhor combater a fraude", escreveu o ignóbil, ou por ele outra alma de igual calibre. Qual é o mal, não?

 

Que o arrazoado argumentário desta gente pequenina e transparente não encontre sequer um arremedo de espanto perante os atentados à Lógica e à Razão que cometem, para não falar numa sublevação civil, é coisa que assombra cada vez menos. De facto, os eunucos imperam e para esta forma paulatina de paludismo cerebral não consta haver fim à vista.

 

E as "conquistas"? As conquistas do Estado Social, as conquistas de Abril, as conquistas da Europa, as conquistas de Obama. 

 

 

Boletim de preenchimento obrigatório para o acesso ao "Obamacare", sistema que é tudo menos gratuito

 

 

Qual é o mal em responder a umas perguntinhas pessoais? Um sistema de saúde gerido pelo Estado, ícone e farol da rectidão, não é aquilo que todos querem? Aquilo que todos deviam querer? Quem não quiser tem de pagar o preço da sua auto-exclusão, ou não fosse a bitola pela qual se regem muitos dos arrebanhados apoiantes do agora defunto Acordo Ortográfico, essa quimera de estar sempre actualizado, ou seja, igual à nova moda como as crianças pré-púberes. 

 

E as armas? Quem é que precisa de armas? Quem não deve não teme. Muita gente não tem armas. Que só os maus e as forças a mando do Estado as tenham, decerto não causará mal algum. 

 

E preferências sobre o automóvel que se conduz, a roupa que se veste, a comida que se come, a escola onde os filhos andam ou as matérias que aprendem? Para quê tudo isto? Porque hão-de ter algumas pessoas privilégios quando ainda não há equidade no Mundo que permita a todos viver com os mínimos de dignidade conformes aos estipêndios legislativos do Comité? Qual é o mal em que todos tenham o mesmo? 

 

Para que é que precisas de dinheiro no bolso quando o Estado pode dar-te uma caderneta de senhas?

 

Vai para casa, vê a novela, fala da bola, lê a Caras, não difiras no corte de cabelo, adequa-te ao credo urbanista, desliga o LED da televisão antes de ires dormir para não aquecer em demasia os campos de arroz no Suriname, e não te esqueças, quando volta e meia receberes uma coima nova, só tens que perguntar qual é o mal. 

 

Os instalados do sistema agradecem. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:51






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas