Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A admissão que tarda

por John Wolf, em 03.07.13

Vitor Gaspar demitiu-se, Paulo Portas apresentou a demissão e Passos Coelho já foi demitido, embora não o saiba. A democracia portuguesa está a funcionar. Foi o povo que exerceu o seu anti-voto. Foi a população portuguesa que exerceu pressão alta ao longo de largos meses e que tornou a situação insustentável. A economia, o emprego e os mercados também ajudaram - porque também se demitiram de Portugal. Não foi Seguro que alcançou estes resultados extraordinários. Por essa razão não merece um bónus por bom desempenho - não foi bom e não podemos chamar à sua actuação de desempenho (disse umas coisas para figurar entre parêntesis). O lider socialista não chegou aos pés da opinião pública e colocou-se prematuramente à porta de São Bento com as malas feitas para o check-in, só que o voo não chegou. E ao fazê-lo com tanta ânsia pelo poder, também se demitiu. Demitiu-se e foi demitido por inerência de presunções. À medida que o governo sai à peça, passa em nota de rodapé uma mensagem de alerta máxima. As pessoas tentam imaginar o Seguro como o suplente que salta do banco e chegam à conclusão que não serve. Por essa razão Portugal está encalhado no purgatório da demissão. Anda um diabo à solta que nem sequer tem uma forquilha para ostentar. Essa é uma das leituras que deve ser realizada, mas não constitui a leitura principal. Todos estes fascículos são pequenos tomos da mesma mossa política. O desmoronamento do governo, realizado faseadamente, é um exemplo da reforma do Estado que se inicia com o próprio executivo. No meu entender, a cada demissão não deveria haver uma nomeação. O governo ao emagrecer, tende à extinção, ao seu desaparecimento, mas esse acto de desvanecimento arrasta sem piedade o país inteiro para o abismo de um segundo resgate. E acresce a esta vontade interna de "põe-te daqui para fora" (atiçada de um modo irrascível), uma magistratura que mingua o processo demissionário em curso. Há uma entidade que não conseguem demitir. Há um inimigo que galvaniza o país mas que não pode ser chutado para o canto. Por mais entradas e saídas que ocorram, por mais portas que girem, o monstro omnipresente não pode ser excluído e não se demite. Acho incrível que se tenham esquecido do décor que se mantém sejam quais forem os actores em cena. A Troika e as condições impostas não se demitem. Vivem numa espécie de eternidade infernal, política. Esse pequeno facto parece ter sido omitido, esquecido no calor do momento, no entusiasmo que sempre caracterizou a pequena política, os afazeres de um pequeno bairro de embirrações e rancores. A matriz fracturante nacional nunca autorizará um governo de salvação nacional. Os partidos e os seus políticos ao recusarem colaborações de recurso, demonstram que a demissão foi a regra e nunca a excepção. Se os políticos tivessem presentes o sentido de urgência nacional, colocariam de lado o seu ego ideológico. Se Cavaco "os tivesse no sítio", se fosse corajoso, punha em andamento a construção de uma equipa de salvamento. Recrutaria membros de todas as facções políticas e dos movimentos cívicos. Mas o chefe de Estado é o maior de todos - o mais demitido de todos. Um auto-demitido que ainda não foi admitido na instituição adequada. São palavras excessivamente fortes e desrespeitosas, aquelas que eu prefiro? Não me parece. A situação é gravíssima, temos de demitir, perdão, admitir.

publicado às 07:14





Posts recentes


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas