Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Leitura recomendada

por Cristina Ribeiro, em 17.01.10

 

a todos os que não enxergam o perigo que pode ser para a Europa, se continuar a baixar as defesas, o fundamentalismo islâmico - « A Islamização da Europa ».

 

Cheguei até ele via O Reacionário, e ainda o não li, mas as palavras de apresentação do livro, aliadas a leituras anteriores, parecem-me elucidativas...

publicado às 19:39

O que há pouco ouvi na televisão, e o que agora leio neste artigo faz-me pensar que num certo país do Médio Oriente o rastilho já se acendeu: pedir o fim da república Islâmica, em manifestações cada vez mais corajosas e frontais. Isto só revela que as pessoas que vivem lá não são os teóricos politicamente correctos que enxameiam esta Europa que anda pelas ruas da amargura.

publicado às 00:34

O politicamente incorrecto

por Cristina Ribeiro, em 16.12.09

Sei que é voltar a bater na mesma tecla, mas porque penso que nunca é demais dizer que  a Europa tem de se cuidar...


(...) se neste momento há uma religião agressiva, é mesmo o islão, que comporta um projecto político bem definido e pouco apreciável. Que os suíços não apreciem a vocalização cantante e muito audível da mensagem não se deve levar a mal.

publicado às 13:07

" mas que a liberdade religiosa foi atingida, foi."

por Cristina Ribeiro, em 08.12.09

diz o Manuel, referindo-se ao referendo suíço. Não creio. A liberdade de culto não foi posta em causa; os seguidores do Islão continuarão, livremente, a frequentar as suas mesquitas. O que se visou neste referendo terá sido algo que, por nele verem um símbolo intimidatório, as pessoas mais rapidamente associam à Sharia,  a lei que assusta os ocidentais, e não terá sido por acaso que o não foi maioritariamente feminino ( " reminders of Islam’s oppression of women " ), sabendo-se que já houve tentativas - Londres - de a impor; entre muçulmanos, eu sei, mas indo contra a lei que vigora no país de acolhimento.

 

 

 

publicado às 16:10

disseram-nos logo no hotel para não apanharmos táxis que não estivessem assinalados de uma certa forma, identificativa de " seguros ", pois que havia muitos problemas com taxistas turcos. Depois amedrontámo-nos com o olhar violento que eles nos dirigiam na rua ( o mesmo olhar que viria a encontrar no ano seguinte em Munique ), pelo que entendi perfeitamente a citação ontem ouvida na televisão, quando se falava no referendo suíço: " na prática a teoria é outra " - esta é só para quem vê as coisas de longe, bem instalado na bancada.

O medo surge na sequência de ameaças reais. Não foi a liberdade religiosa que foi a votos, claramente.

publicado às 19:34

7 de Maio de 1945

por Cristina Ribeiro, em 07.05.09

 

Fim da II Guerra Mundial

publicado às 21:58

Que divulguemos

por Cristina Ribeiro, em 15.04.09

 

esta mensagem, diz JMB

 Internacionalização da Amazónia? Nao! responde o senador  Cristóvam Buarque.

publicado às 01:03

...na senda da rainha Noor, Nuno.

por Cristina Ribeiro, em 16.03.09

 

Esta uma das razões para vermos no  reino Hachemita um farol de esperança naquela zona do Próximo Oriente.

publicado às 12:04

É melhor esperar sentada é,

por Cristina Ribeiro, em 22.01.09

Nora, porque, como diz,  los cristianos no interesan para los titulares ....

publicado às 23:43

Embrenhada na leitura do primeiro dos dois

por Cristina Ribeiro, em 18.01.09

volumes sobre as duas guerras mundiais, fácil se tornou o extrapolar para o que em Portugal se passava à época: recorro à compilação dos fascículos, assinados por Aniceto Afonso  e Carlos de Matos Gomes, publicados pelo Diário de Notícias:

                      « A guerra não desatou o nó górdio. Também não foi a última das guerras. O mundo novo prometido não passou de uma grande ilusão. Os povos europeus, destroçados (...) , foram-se erguendo sobre os seus mortos».

 

A revolução da rotunda acontecera havia pouco tempo, e a participação de Portugal no conflito, através do Corpo Expedicionário Português, apenas visava os interesses dos próceres do Partido Republicano, que assim pretendiam a aceitação internacional, sem olhar a meios.

publicado às 14:35

" Longa, dolorosa, mortífera

por Cristina Ribeiro, em 17.01.09

 

  a Grande Guerra viu matarem-se  entre si milhões de homens que, ainda na 

véspera, juravam « guerra à guerra » (...) Após 1918, transformados em antigos combatentes, nem uns nem outros puseram em dúvida a legitimidade do seu sacrifício: haviam combatido pela defesa da pátria e a guerra que tinham feito era uma « guerra justa  ». Durante cinquenta anos não pararam de o repetir .Porém, ainda no decorrer das hostilidades, uma dúvida nasceu nalguns deles: teria algum sentido a continuação da guerra? "

 

 

 

 

" Comparando os efeitos do tratado de Versalhes ( 1919 ) aos do Congresso de Viena ( 1815 ) , Henry Kinssinger, no seu livro« O Mundo Restaurado », observa que este último garantiu à Europa várias décadas de paz, ao passo que,  desde o primeiro dia após aquele fez-se sentir um cheiro a guerra, que acabou por deflagrar menos de vinte anos após a sua assinatura(...) porque em 1815 as potências vitoriosas sobre Napoleão souberam poupar a França, país vencido (...) Essas potências tinham combatido e agido em  nome da legitimidade, e em seu nome restabelecersam quase todas as fronteiras de 1792, e devolveram o trono ao legítimo herdeiro da monarquia, Luís XVIII.

Em 1919, as potências vitoriosas longe de pouparem os vencidos, humilharam-nos."

 

 

                            Uma visita à livraria revelou-se deveras frutífera, pois que, entre outras aquisições, estes dois volumes de Marc Ferro prometem algumas horas de proveitosa leitura.

São os primeiros que dele leio, mas o que já tinha lido sobre o historiador francês situam-no na linha de Jacques Le Goff e de Fernand Braudel, esses sim, já conhecidos, o que é já uma garantia de honestidade histórica.

  O que acabo de confirmar após uma rápida leitura das páginas iniciais.                 

publicado às 20:41

Foram lá passar estes dias; a São Tomé e Príncipe.

por Cristina Ribeiro, em 02.01.09

" A melhor viagem de sempre ", dizem.

Mostram fotografias, contam histórias. Muitos sorrisos quando falam neste e naquele.

Episódios de empatia. Mais sorrisos. O calor que transmitem. As saudades que já sentem, Lá, deixaram a promessa de voltar.

" Na roça de Portalegre, - contam- perguntam-nos porque é que os portugueses não voltam ".

publicado às 23:40






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas