Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Os novos meios usados pelo narcotráfico

por Pedro Quartin Graça, em 16.02.11

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:30

A chegada dos gangs boulevard

por Nuno Castelo-Branco, em 23.07.08

 

 

Os acontecimentos violentos entre etnias diferentes, trouxeram à realidade comezinha do quotidiano, o potencial paiol em que os subúrbios das grandes cidades europeias se vão irreversivelmente transformando. Se em França - Paris é a imagem de marca para o melhor e para o pior - os problemas decorrem de uma evidente coligação - africanos negros e magrebinos e alguns brancos banlieu - de todos aqueles que se renderam à subcultura do gang organizado e que actua através da mais directa coacção física, em Portugal os focos problemáticos vão alastrando a todas as zonas circundantes das duas principais cidades. Aqui, os conflitos vão atravessando todas as fases que caracterizam a passagem ao estádio da insegurança final. A péssima solução de confinamento que o regime permitiu ou impôs, aliada à desastrosa ausência de uma verdadeira política de reordenamento territorial que liquidou todas as esperanças de encorajamento do necessários equilíbrio entre o norte e o sul e entre as zonas costeiras e o interior - é necessário reler Ribeiro Telles -, tem permitido a criação de grandes cidades satélites que não o sendo formalmente, consistem numa inegável realidade que desafia qualquer estudo sociológico e de planificação urbana. A palavra desastre é decerto a mais apropriada para caracterizarmos a situação.

 

Num primeiro estádio, os clãs vão-se organizando na base da sua origem étnica, como é compreensível e lógico. Disputam o espaço da zona de controle e residência, para logo depois, passarem a atacar na cidade propriamente dita, seja ela Lisboa ou o Porto. As zonas de actuação são aquelas que oferecem maior possibilidade de lucros rápidos e seguros, como os centros de diversão nocturna ou de passeio. Aqui vão estabelecendo os seus entrepostos de venda de produtos ilícitos, definindo as áreas de faina de cada grupo, inicialmente evitando contactos susceptíveis de conduzir a uma intervenção mais decidida da autoridade. A organização assenta não apenas na venda das drogas sociais, como também, passadas as horas de maior tráfego de noctívagos, em assaltos pontuais a transeuntes isolados.

 

Numa segunda fase - e esta varia consoante a disponibilidade de stocks de produtos consumíveis -, assiste-se a um crescendo de rixas mais ou menos violentas a que os noticiários fazem crónica menção. O território parece reduzido, a necessidade de proventos vai-se concentrando cada vez mais em chefes bem identificados e pelos grupos reconhecidos como tal. É a actual situação que se vive no Bairro Alto, onde o descaramento da venda de drogas às claras a toda e qualquer pessoa, se tornou na imagem de marca da zona de lazer da capital. A isto, acrescentemos a para muitos imperceptível demarcação de limites através do flagelo dos graffiti, com mensagens lubliminares apenas compreensíveis para alguns iluminados. A violência vai-se tornando habitual e os meses de maior afluxo turístico (Junho-Setembro), assistem a um autêntica invasão por bandos facilmente reconhecíveis e que traficam em plena luz do dia. Não é possível convencer alguém de que as autoridades não sabem quem são, como actuam e onde podem ser encontrados os meliantes. Todo o percurso entre o início da Rua da Rosa (pela D. Pedro V)  e a Diário de Notícias, é pontilhado por autênticas emboscadas feitas pelos comerciantes de cavalo, branca, pastilhas, etc, que perseguem quem entra no Bairro, propondo insistentemente aquilo que têm para vender. Há zonas de brancos, outras de ciganos e um pouco por todo o lado - e em número mais reduzido - de negros, à porta de bares, salões de jogos, discotecas e restaurantes. Esta é a verdade que os "politicamente correctos"  da esquerda e da direita insistem em negar.

 

A terceira fase é previsível, pois a constante extensão de novas zonas ditas de "habitação social", trará a infalível e final coligação de todos aqueles que hoje aparentemente só encontram motivos de mútua hostilidade. É a fase boulevard, com o ataque generalizado à propriedade urbana e até suburbana, assaltos recorrentes nos transportes públicos com o uso de violência física extrema e situações que raiam a insurreição. É previsível e inevitável, com as consequências políticas que se conhecem. Tempos promissores se avizinham para os extremistas do quadro político-partidário, enquanto os bem pensantes de uma certa "esquerda do condomínio de luxo", comodamente discutem a transcendência das limpezas étnicas  camufladas de mises au pas, da dupla Estaline-Trotski, numa qualquer amena jantarada à beira Tejo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:05






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds