Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Revisão constitucional

por P.F., em 06.06.10

Há de facto necessidade efectiva da Revisão Constitucional  mas no que toca à simplificação e redução de prerrogativas, ao invés de uma ainda maior extensão das mesmas. Por isso, é tão ridículo colocar limites ao défice das contas públicas como a actualmente existente universalização e estatização dos serviços de saúde e de ensino. Todas elas estão condenadas a ser letra morta, que é o destino final de todos os economicismos que tentaram transformar em pedras basilares dos regimes.

publicado às 05:23

É muito fácil ditar a austeridade... para os outros.

publicado às 01:00

"Esquema" nuclear

por Nuno Castelo-Branco, em 07.04.10

Há momentos na tvi, o sr. Mira Amaral declarava a necessidade de se estudar a hipótese da instalação de centrais nucleares em Portugal.  Sabemos o que isso quer dizer. Mais despesa a pagar pelos estarrecidos contribuintes - ou os "esquemáticos" entram com o seu dinheiro? - mais maluquices especulativas de terrenos, mais desastres ambientais em perspectiva. Em suma, um regresso à insegurança, ao medo e à incerteza. Se com a co-incineração as populações reagiram, imagine-se o que seria relativamente a isto?  Neste aspecto - entre outros mais -, estou com o governo. A peça que antecedeu a curta entrevista, demonstrava a opinião "generalizada" de alguns convivas dos círculos do costume: os "malefícios hidro-eléctricos" - barragens que "podem estourar"! -, o "estragar da paisagem" pelos geradores eólicos e outros argumentos tão credíveis como a kriptonita que enfraquece o Super-Homem.

 

Nem sequer querendo perder mais tempo com tais excelsas banalidades trauteadas pelo "conhecido e insuspeito  mundo dos negócios", remeto os necessários esclarecimentos acerca do tema, para o nosso correligionário Pedro Quartin Graça. Creio que ele também não estará pelos ajustes, mas podem tentar.

publicado às 22:13

Mérito e socialismo

por Samuel de Paiva Pires, em 04.11.09

 

Tenho dado por mim a pensar no socialismo, no economicismo e no mérito. E surgiu-me uma hipótese a respeito das perspectivas economicistas. Sabendo-se que muita gente se queixa quando são adoptadas determinadas perspectivas economicistas, seja sobre que assuntos for - mas pensemos aqui no mercado de trabalho, seja em que sector for - seria de esperar que uma atitude deste cariz promovesse a concorrência e o mérito, optimizando recursos e melhorando a produtividade e qualidade dos produtos.

 

Acontece que, a mais das vezes, muitos dos que adoptam este tipo de atitudes, pouco ou nada percebem ou sequer almejam no que diz respeito à concorrência, à optimização de recursos de acordo com uma teoria mais liberal do que socialista. Mas, na prática, muitos dos que a estas atitudes recorrem, estão impregnados (sabendo-o ou não), de socialismo. E socialismo com economicismo parece-me ter um resultado catastrófico: a negação do mérito. Porque o economicismo  e o "não há dinheiro" torna-se uma mera desculpa, uma mentira que tem por lógica proteger determinados interesses e afastar os indesejados por meio de um maquiavelismo de trazer por casa.

 

Logo, poderá haver mérito quando o nosso país está atravessado por preconceitos de esquerda e do politicamente correcto, que alimentam o desporto nacional - a inveja? Não, não pode enquanto houver por aí muita gente que alia o socialismo ao economicismo. Na política, na administração pública, nas empresas, nas universidades. Tornou-se cultural. E a mediocridade lá vai vencendo.

publicado às 21:56






Arquivo

  1. 2021
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2020
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2019
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2018
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2017
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2016
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2015
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2014
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2013
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2012
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2011
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2010
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2009
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2008
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D
  183. 2007
  184. J
  185. F
  186. M
  187. A
  188. M
  189. J
  190. J
  191. A
  192. S
  193. O
  194. N
  195. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas