Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Clube dos Poetas Mortos

por Fernando Melro dos Santos, em 13.11.12
Cátia tem treze anos e estuda no oitavo ano. Como sempre até aqui, transitou sem notas negativas, e prepara-se agora para tentar repetir o feito, fim para o qual procura, perante a dificuldade acrescida que sente nesta temporada, pela primeira vez a ajuda de um explicador que possa auxiliá-la nas disciplinas de Matemática e Físico-Química.

Na primeira "aula", o profissional, que é licenciado em Ensino da Matemática e dá explicações há vinte e três anos, constata antes de mais que Cátia não domina suficientemente bem a língua Portuguesa de maneira a traduzir por palavras as dificuldades que sente com a matemática. Sabe apenas dizer que teve 34% no primeiro teste, e que se limita a passar para o caderno aquilo que vê no quadro, nas aulas. A turma tem 28 alunos, poucos dos quais repetentes, e as notas que obtiveram naquele teste rondaram, em média, os 30%.

Cátia não sabe fazer contas de dividir, multiplicar, ou subtrair; somente de somar. Para o resto recorre à calculadora apesar de não ter juízo crítico que lhe permita discernir quando por algum motivo a máquina fornece um resultado erróneo. De igual forma, não consegue abstrair e compreender as relações entre a teoria que lhe é exposta e os exercícios de aplicação.

O manual adoptado pela escola que Cátia frequenta parece, para o explicador, um tratado sobre esquizofrenia. Cores, figuras, notação matemática e enunciados saídos de um gabinete repleto de pedagogos inanes. Um livro inaplicável, portanto, até mesmo a alunos de quinze ou dezasseis anos que tivessem merecido passar de ano; quanto mais a crianças habituadas a transitar, época após época, com notas puxadas para cima e sem saberem sequer quanto bastasse para obterem aprovação, há duas décadas apenas, no quarto ano de escolaridade.

E isto sem falar das demais inadequações de que Cátia padece: sem hábitos de leitura nem domínio do idioma materno que lhe permita descodificar o mundo onde se insere, e no qual daqui por meros cinco anos terá direitos de voto, de condução de veículos automóveis, e de abortar, por exemplo, quem a vê indaga-se aturadamente sobre justamente que espécie de gente é que deixou que isto chegasse a tal ponto.

Assim vai ser difícil.

publicado às 13:00

Stand and Deliver

por Fernando Melro dos Santos, em 12.11.12
Papelarias, retrosarias, drogarias, mecânicos, oficinas, mercearias, tascas, serralheiros, canalizadores, electricistas, alfaiates, carpinteiros, marceneiros, endireitas, sapateiros, barbeiros, criadores de gado, produtores de fruta, horticultores, oleiros, torneiros, estucadores, pedreiros, pintores, padeiros, pasteleiros, cozinheiros, vendedores de gelados, da castanha e de bolos, amoladores, bate-chapas, leiteiras, peixeiras, jardineiros, lojas de electrodomesticos, de peças para electrodomesticos, de ferramentas, de materiais.

É bom que expliquemos aos nossos filhos que ainda há 20 anos havia isto, e que vai voltar a haver, e que ainda bem, mas que isso significará o fim do usa e deita fora, da galinha-é-uma-cena-embalada-e-carimbada-pela-ASAE, e das indignaçõezinhas por tudo e por nada.

Que marrar com os costados de um pinheiro a baixo é muito mais doloroso do que torcer um dedinho a teclar mensagens e que há razões de fundo, objectivas, para que a roupa não se lave sozinha.

E finalmente, para 20 valores, que ter um conforto emprestado e dependente é o mesmo que não ter conforto nenhum.

(http://www.imdb.com/title/tt0094027/)

publicado às 10:46

A Classe

por Fernando Melro dos Santos, em 11.10.12
Numa escola EB23, pública, em Setúbal, 5 semanas após o início das aulas há varias turmas que ainda não têm professor de Matemática nem de História. Na mesma escola, a professora de Fisico-Quimica lecciona, com dificuldade e erros factuais, ate mesmo os rudimentos do programa de que foi incumbida.

Nesta escola, bem como noutras - publicas e privadas - grande parte dos alunos envergam roupas caras, chegam de carro à escola, nao praticam quaisquer actividades extracurriculares, nao sabem o que querem ser, desconhecem o que é ter rotinas, obrigações e consequencias para as suas escolhas, e somente a custo conseguem urdir dois pensamentos conexos. Na forma tentada.

Numa escola do 1º ciclo, a quase totalidade dos alunos não sabe dizer em que mês nasceu. Leram bem o que escrevi: nao sabe dizer em que mes nasceu. Filhos de portugueses e de imigrantes, que nao saem da mais abjecta miseria, nem sairão, mas que talvez pudessem sair se o Estado cessasse de insistir em amolecer-lhes a vida com doutrinas inclusivas e paternalistas.

Mais a jusante, ouço dizer que se houvesse eleições, outra forma de socialismo ganharia; que esta nao serve porque é muito austera, porque não paga às pessoas o que elas conquistaram ao logo dos anos. A cassete Abrilista de fio a pavio.

Não sei de que pessoas, nem de que conquistas, esta gente conversa. Vivem noutro planeta que não o meu.

E eu quero sinceramente que se empalem de frente na realidade o mais depressa possivel.

publicado às 20:39

A ler - o estado da educação em Portugal

por Samuel de Paiva Pires, em 03.06.11

Ao longo das últimas semanas, o Alexandre Homem Cristo publicou uma série de verdadeiro serviço público, que agora se finda com este assertivo resumo por parte do mesmo:

 

"Temos, no contexto europeu, das menores taxas de escolarização e das maiores taxas de abandono escolar. Temos uma das maiores taxas de imobilismo social da OCDE. Não conhecemos qualquer liberdade de escolha da escola, ao contrário do que na UE27 acontece, e as nossas escolas carecem da autonomia necessária para tomar decisões, num modelo de centralismo que não tem equiparação nos países desenvolvidos. Temos um Ministério da Educação centralista, que impede a transparência de informação e que, na UE27, maior percentagem do seu orçamento gasta com despesas de pessoal e que menor margem tem para investir. Temos os jovens do interior do país a ficarem para trás, com piores desempenhos, e sem políticas de incentivo ao desenvolvimento nessas regiões. Temos uma carreira docente fechada, incapaz de atrair os melhores, e temos um modelo de avaliação docente que foi, desde o início, um fiasco.

 

Estamos, em alguns aspectos, melhor do que estávamos? Sim, mas também os outros estão. O abismo que deles nos separa é o mesmo. Por isso, este sistema, que serviu o propósito de abrir o acesso à escola no pós 25 de Abril, não é capaz de, hoje, responder às necessidades educativas dos nossos jovens."

publicado às 13:50

O desfazer de um mito, parte II

por P.F., em 02.06.10

 

 

Os ideários contidos na República e na Democracia caracterizam-se pelo optimismo antropológico em relação à Humanidade. Em especial, quando esta está sob os efeitos de um sistema em que a Educação e a Cultura é igual para todos. Neste sentido, na I e III Repúblicas proliferaram ministérios cheios de paixão pela Educação, tida como a panaceia para todos os males e atrasos do País. Abriram-se escolas, universidades, quer nos sectores público quer no privado sem que fossem tidas em conta as características demográficas numa análise a curto, médio ou longo-prazo. Estava mais do que previsto o impacto negativo que iria ter no Ensino e nos seus agentes a diminuição da natalidade e a destruição da instituição família, fenómenos a que não é alheio o ideário democrático progressista.

Pelo meio inventaram-se modelos novos que, de tão maus na sua essência e inconsistentes no seu conteúdo, deram frutos espectaculares logo nos seus inícios. Daí que foram sendo ao longo dos diversos governos substituídos por outros, mas sempre da mesma natureza: o eduquês, o facilitismo, o didactismo, etc.

Os resultados estão aí. A Escola é um espaço moribundo, à beira da falência económica e moral. Podia restar ao aluno com dificuldades em aceder Ensino - o qual outros colegas e compatriotas seus têm quase de borla - a esperança de poder aprender uma profissão que garantisse o seu futuro. Mas até isso lhe é vedado devido à quase inexistência de ensino técnico onde ele é mais preciso.

Já alguém perguntou aos senhores do Governo o que vai fazer agora com a Escolaridade Obrigatória até aos 18 anos?

publicado às 17:38

Crítica da falta de exigência no ensino

por Samuel de Paiva Pires, em 25.06.09

 

Assisti hoje (ontem) a parte do debate quinzenal na Assembleia da República. Retive um curioso paradoxo assinalado por Francisco Louçã: há uma geração atrás eram os filhos dos ricos que frequentavam o ensino superior e não se pagavam propinas, agora que todos conseguem chegar à universidade muitos desistem porque não conseguem pagar propinas.

 

Seria necessário operacionalizar o conceito de ricos, já de si duvidoso, e desconstruir a falaciosa afirmação de que eram apenas os filhos dos tais ricos que frequentavam a universidade. Quererá isto dizer que os pais de Odete Santos, Álvaro Cunhal, Francisco Louçã e companhia seriam todos eles ricos? Não tenho conhecimento de causa quanto a estes, mas na actualidade, pelo que vejo de muitos comunistas e meninos e meninas da esquerda-caviar, de facto, por padrões "louçanianos" com certeza que são ricos. Continuamos impávidos e serenos a assistir a este pobre espectáculo das habituais incongruências próprias do pensamento incoerente e estagnado desde há dois séculos da nossa esquerda, mas também não é propriamente sobre isto que queria falar. 

 

Atente-se na segunda parte da ideia de Louçã: agora que todos conseguem chegar à universidade. Pois o problema é mesmo esse. Recupero aqui parte do que escrevi a convite do Pedro Correia para o Corta-fitas, há pouco mais de um ano:

 

Grande parte das preocupações do Presidente da República prendem-se com o desconhecimento ou ignorância em relação ao que foi o 25 de Abril e os seus intervenientes, o que é desde já explicável pela gritante degradação do sistema de ensino, desde a chamada Revolução dos Cravos. A III República, naturalmente avessa à palavra elite, tem simultaneamente apregoado uma alegada igualdade, não fugindo o sistema de ensino a esse estigma. Não só se têm nivelado por baixo as exigências a alunos e professores, como os programas e manuais escolares se têm tornado cada vez mais básicos à medida que o tempo passa, o que é rapidamente verificável passando os olhos pelos livros de História do ensino básico, onde não mais de oito ou nove páginas se dedicam ao regime de Salazar e à transição democrática, sem falar que na maior parte dos anos lectivos nem sequer chegam a ser leccionadas tais matérias. Além do mais, a provinciana síndrome de um país de "doutores e engenheiros", traduzida pela exacerbada primazia dada às ditas ciências duras, a Medicina, as Engenharias, a Economia, a Gestão e o Direito, tem retirado espaço e tempo às ciências humanas, nomeadamente às traves mestras dessas, a História e a Filosofia, o que aliado à lógica de decorar por detrimento de pensar, numa sociedade largamente massificada em todos os sentidos, resulta no estado de coisas que está à vista de todos.

 

Diz a autora de uma tese de doutoramento sobre o financiamento do ensino superior, Luísa Cerdeira, que "O facto das famílias pagarem mais que o Estado e o baixo valor do apoio social, são as duas faces desta moeda, que acaba por ter como resultado um ensino superior elitista que reproduz as desigualdade sociais, conclui a economista." Isto não é um ensino superior elitista a não ser que para a autora o conceito de elite considere apenas a riqueza monetária dos indivíduos. Sendo assim temos um ensino superior plutocrático, não elitista no sentido que a palavra elite deveria tomar, i.e., o ensino superior deveria ser elitista e aristocrático no sentido técnico, de premiar os melhores alunos. O ensino superior não deveria estar ao alcance de todos. Não, não somos todos iguais. Não, não nascemos todos iguais. Não, não temos todos as mesmas capacidades. Uns são mais inteligentes que outros. Mas em Portugal o mito jacobino da igualdade aplicado ao ensino resultou numa massificação que se materializa quotidianamente na falta de exigência. Isto vai ser prejudicial ao país a longo prazo e nem quero imaginar como serão as próximas gerações de governantes (ou por outra, até tenho uma boa ideia sobre uns quantos...é assustador).

 

Como é que é possível que se termine de vez com a tentativa de melhorar as capacidades dos portugueses ao nível da sua própria língua se hoje em dia na escola primária todas as crianças têm um Magalhães? Ainda não sabem ler ou escrever correctamente mas isso também não interessa para nada.

 

Como é que é possível que toda e qualquer pessoa não chumbe e consiga terminar o 9.º ano faltando a quase todas as aulas e ainda receba como presente exames ridiculamente fáceis? Claro, é preciso garantir que estatísticas favoráveis ao governo são apresentadas a Bruxelas e à OCDE.

 

Como é que é possível que os exames nacionais do 12.º ano se tenham tornado também eles ridiculamente fáceis? E quanto a estes, não se augura nada de bom agora que se sabe que a escolaridade obrigatória vai abranger o secundário. É como nos diz o Miguel Vaz:

 

Agora, um Ministério da Educação que trocou o Ensino pelas estatísticas anunciou como medida emblemática a extensão da escolaridade obrigatória até ao 12º ano. Os opinadores e comentadores aplaudiram. A oposição também. Mas o que representa afinal esta medida? Na prática, significa alargar até ao 12º os ridículos níveis de exigência do ensino básico. Volta-se a nivelar por baixo, em nome das estatísticas. Em breve, os jovens chegarão à universidade a saber ainda menos do que os alunos que por estes dias fazem os seus exames nacionais. Seremos um país de doutores que não sabem escrever.

 

E eis que chegamos à universidade. É indescritível. Desde pessoas que fazem uma licenciatura inteira a cabular, passando por pessoas que não sabem escrever português, outras que não conseguem interpretar, analisar e relacionar pelo menos duas ideias, pessoas que terminam uma licenciatura sem saber fazer notas de rodapé (custa muito procurar sistema de referência de Harvard ou de Oxford na net ou olhar para trabalhos bem feitos para aprender), e todos sem excepção conseguem fazer um curso superior. Seria praticamente impossível contabilizar a quantidade de pessoas que quase poderiam ser casos clínicos de estupidez que todos os dias vejo ou conheço e que frequentam o ensino superior. Tudo em nome da igualdade, porque todos têm direito a estar no ensino superior e, portanto, desce-se o nível para que todos possam fazer a licenciatura. E agora, com a Bolonhesa, mais década menos década, até as licenciaturas serão abrangidas pela escolaridade obrigatória, o que será a derradeira conquista do processo de estupidificação do povo português.

 

E o que é que os professores foram obrigados a fazer? Deixaram de poder ser elitistas no bom sentido, acabando por ser quase moralmente forçados a passar todos os alunos, mais cedo ou mais tarde. Juntando-se a isto o método da sebenta, sabendo que tudo na universidade portuguesa se faz por manuais e sebentas, os alunos acabam por ser dispensados de ler artigos académicos, livros, autores de referência, e tornam-se meras máquinas acríticas que decoram e debitam matéria nos exames. Basta ler as sebentas, manuais e apontamentos e faz-se as cadeiras sem grande dificuldade. Premeia-se o facilitismo e desconfia-se dos que realmente gostam daquilo que estudam e querem ir mais além sendo forçados a tornar-se autodidactas e fazendo aquilo que o Professor Maltez nos diz que a licenciatura nos permite: (licença para) estudar por nós próprios.

 

Mas para quê pensar por nós próprios? Não, a maior parte dos estudantes universitários já vêm mal habituados e querem ser levados ao colo, querem precisamente que os professores debitem matéria para que possam tirar apontamentos, quando se fossem autónomos teriam capacidade para estudar a matéria que vem nos livros. Se um professor tenta dar aos seus alunos algo que vai para além dessa matéria que vem nos livros ouve-se logo alguém queixar-se que o Professor não dá matéria. E o que dizer daqueles que acham sempre que sabem tudo e depois se desiludem quando têm negativas? A culpa é do professor, claro está, e sim, mesmo sabendo que alguns professores não têm critérios ou atitudes adequadas, torna-se aborrecido ouvir tanta gente dizer que sabe tanta coisa que as recorrentes más notas só podem ser culpa do professor.

 

Ainda na terça-feira vinha uma colega minha a queixar-se no Diário Económico sobre o facto da qualidade de ensino não corresponder ao valor que pagamos de propinas. Sim custa a todos pagar propinas tão elevadas. E porque é que as universidades tiveram necessidade de as impor? Porque foram descapitalizadas e ainda ninguém teve coragem de enfrentar a questão da insustentabilidade de manter tantas universidades públicas e um sem número de cursos iguais com milhares de pessoas que não têm inteligência nem capacidades para frequentar uma universidade a sério, realmente elitista, exigente e competitiva. Não é possível às universidades públicas manter tantos alunos sem aumentar as propinas quando o orçamento de estado tem vindo a reduzir a dotação financeira para o ensino superior público. Se tivéssemos um ensino superior exigente e que premiasse os melhores, porventura nem seria necessário haver lugar ao pagamento de propinas. Como há que garantir a igualdade e se nivela todos por baixo, os bons alunos são obrigados a ter que ver o nível de exigência inadequado às suas capacidades. Como é que as universidade poderiam não aumentar as propinas se somos obrigados a ter nas universidades estudantes que acham que a II Guerra Mundial foi no século XVIII, que no sistema de castas indiano os párias são as pessoas que tratam das vacas,  outros que dizem a plenos pulmões nas aulas baboseiras como "a religião deveria vir no Bilhete de Identidade", e tantas outras pérolas de que agora não me recordo. Ou ainda uma que o Nuno Castelo-Branco me contava aqui há tempos, numa turma de 12.º ano a que deu aulas de História, quando falava da Restauração e os alunos muito abismados não sabiam do que se tratava, acabando um por responder que não percebia do que o professor estava a falar porque a restauração é um sector da indústria hoteleira. E o que é que acontecerá no longo prazo? O que Paulo Soares Pinho escreveu ontem no Diário Económico:

 

O carácter excessivamente elementar de um exame tem uma importante consequência: não permite evidenciar os bons alunos, os únicos que conseguem lidar com as questões mais complexas. Consequentemente, nivela todos os estudantes por baixo. Para os maus alunos passa um sinal de que a vida se desfará em facilíssimos e que não é preciso trabalhar arduamente para obter resultados e é a prova de que nada tem de ser levado a sério, o que terá consequências na forma como encararão a sua futura vida profissional.

O facilíssimo desmotiva os bons alunos, os quais se queixam de o ministério andar a brincar com o trabalho deles e o dos professores, retirando-lhes, ainda, o incentivo a trabalhar, a empenhar-se em aprender e a levar a sério a sua actividade. Numa fase da vida importante para a definição da sua personalidade, passa-lhes a mensagem de que não existe diferença entre o muito bom e o suficiente e de que o trabalho extra não tem recompensa.

Estes bons alunos são os potenciais futuros cientistas, investigadores, tecnólogos, gestores, médicos, etc. São a futura elite do país. É deles que se espera, através das suas capacidades científica, inovadora, empreendedora e profissional, a criação de crescimento económico capaz de propulsionar o país e pagar as facturas do TGV, das SCUT e demais galopante dívida pública gerada no momento actual. É deles, da sua capacidade criadora, que a minha geração vai depender para ter algo que se pareça com uma pensão. Ao avaliá-los através de provas que os desincentivam a trabalhar, a tomar riscos, a compreender os benefícios de se aperfeiçoar e ser melhor, não estimulamos a fundo a as suas capacidades. Por isso, a actual política facilitista, com objectivos puramente propagandísticos, não se limita a acentuar a continuada destruição do papel do ensino secundário. Contribui para agravar, ainda mais, o futuro do país.

 

Infelizmente, ao contrário do que Sir Karl Popper defendia, que o objectivo da democracia é o de elevar a qualidade do ensino, neste nosso Portugal a democracia fez precisamente o contrário.

 

Resta-me terminar da mesma forma com que concluí um post sobre a Bolonhesa aqui há uns meses:

 

Se já antes era o que era em que qualquer pessoa conseguia fazer um curso superior (doidos, bêbados, com Q.I.s que devem ser negativos, que não conseguem juntar duas palavras correctamente etc) então agora ainda é mais fácil, em nome de um qualquer paradigma da igualdade. Ainda hoje em conversa com uma amiga veio-me à ideia que deveria existir uma forma de diferenciação meritocrática, algo como por exemplo um sistema que no fim do 1.º ano (*) colocasse os melhores alunos  numa espécie de turma à parte e que elevasse o nível de conhecimentos leccionados e de exigência em relação ao normal, com um foco mais acentuado na vertente de investigação.
 
Mas isso é elitismo e é politicamente incorrecto. Enfim, viva a igualdade e a massificação que isto da meritocracia e diferenciação é bom mas é para os outros que não percebem nada destas coisas mas que são os países mais desenvolvidos do mundo. Até porque se muitas autoridades cá do burgo propagandeiam discursivamente a meritocracia, neste nosso Portugal como em tantas outras coisas, na prática a teoria é outra.

 

(*) 1.º ano da universidade, obviamente, não do ensino primário. Aquando do outro post algumas pessoas julgaram que eu estava a falar da primária.

publicado às 01:53

A educação começa em casa

por Samuel de Paiva Pires, em 28.12.08

 

(imagem picada daqui)

 

Logo após ter ingressado na universidade recordo-me de um professor nos ter dito que a educação dá-se em casa enquanto à escola/universidade cabe instruir. Lembrei-me disto a respeito do caso da professora ameaçada com uma arma de plástico na Escola do Cerco, no Porto.

 

Se por um lado se este tipo de fenómenos são representativos da desresponsabilização dos próprios pais perante a educação e valores de cidadania que devem incutir aos filhos, por outro lado pode-se, de forma determinista e creio errada, à boa moda de certa esquerda, culpabilizar a condição social dos pais e filhos, como se o facto de se ser pobre ou pouco afortunado implique necessariamente que se seja um marginal, vândalo ou mal educado, senda essa uma alegada correlação linear para mim muito duvidosa, apesar dos milhentos exemplos, mas isso parece-me que é colocar a personalidade como sendo exclusivamente produto do ambiente, como se o indivíduo não tivesse capacidade para ser autónomo em relação a esse. Há ainda um outro ponto de vista de assinalar, a crescente desreponsabilização dos alunos com os sucessivos estatutos do aluno e afins documentos e leis que têm vindo a permitir os mais variados abusos por parte dos alunos em relação aos seus semelhantes e aos professores, abusos esses com que os pais dos meninos também pouco ou nada se preocupam.

 

Seja lá o que for que permita explicar estes recorrentes fenómenos de violência nas escolas, uma coisa me parece evidente: sem um bom sistema de ensino nenhum país pode desenvolver-se e competir no mundo de hoje. A educação sempre foi e sempre será um dos sectores onde qualquer país mais deve investir, propiciando a professores, alunos e funcionários todas as ferramentas (e obviamente não estou a falar do Magalhães) necessárias para que a escola cumpra a sua função: instruir e preparar as gerações para o futuro. 

 

Mas o que fazer quando já há filhos que mandam nos pais, como noticiava uma reportagem há alguns dias atrás, quando grande parte dos pais pouco ou nada se preocupam com a educação dos filhos, quando a escola se torna cada vez mais facilitista por forma aos governantes poderem garantir e manipular as estatísticas e, como se já não bastasse, ainda temos que assistir ao deplorável espectáculo da guerra aberta entre professores e a Ministra da Educação? 

 

Eu tenho cá umas ideias bem concretas mas é melhor não me adiantar muito. Tenho para mim que a educação de facto começa em casa, mas se essa não é dada em casa cabe a alguém corrigir tal falha, e esse alguém é em última instância o Estado. E é também a esse que cabe corrigir, a montante e/ou a jusante, isto é, prevenindo ou remediando, falhas estruturais na sociedade que deterministicamente ou não vão permitindo a desculpabilização dos que são pobres e marginais que acham piada a gozar com a escola e com os professores.

 

É uma tragédia esta que se vai interiorizando em gerações cada vez mais irresponsáveis, desrespeitosas e tendencialmente anárquicas visto que colocam em causa o papel da escola, o que no futuro se poderá ainda reflectir no desrespeito pelas mais elementares regras da vivência em sociedade. Se os pais/sociedade não fazem nada para acabar com isto, alguém terá que fazer, mais cedo ou mais tarde, e quanto maior é a balbúrdia mais dura e incisiva será a intervenção.

 

Não sei se ainda há salvação possível para o sistema de ensino público actualmente vigente, certo é que a continuarmos assim não vamos a lado algum. Aliás, só andamos é para trás...

publicado às 01:27

O Conselho Nacional da Educação

por Paulo Soska Oliveira, em 29.10.08

Impressionante a recomendação do Conselho Nacional da Educação que refere que as criancinhas até aos 12 anos não possam ser reprovadas.

 

E o Governo vai na cantilena : "O secretário de Estado da Educação concorda com a recomendação do Conselho Nacional da Educação no sentido de arranjar alternativas aos chumbos de alunos até aos 12 anos, mas recusou o fim das repetições de ano por decreto."

 

O mesmo Secretário de Estado que não se coíbe de opinar arduamente em certos bares Lisboetas.

 

Não consigo perceber. Faz-me confusão...

 

Quem é que tem estas ideias milagrosas que apenas fazem mal ao país? Não hoje, mas daqui a 20-30 anos. Socorro!
 

No meu tempo, quem não sabia - reprovava.
Agora já é preciso andar com justificações. Dentro de meses, putativamente as criancinhas vão poder fazer o que lhes der na real gana, dado que não vai ser preciso aprender um corno...

Cada vez mais me convenço que Abril nada nos trouxe - apenas e tão só a MEDIOCRIDADE.

 

publicado às 21:00

Contra-senso em que acho que vale a pena pensar

por Samuel de Paiva Pires, em 22.10.08

É lugar comum falar mal da educação pública em Portugal. Todos sabemos que o sistema educacional é facilitista, pouco exigente e de má qualidade no geral. Quem pode não hesita em colocar os filhos em colégios privados. Então como explicar que quando em igualdade de circunstâncias, isto é, na altura do acesso ao ensino superior, os que vêm do ensino público passam à frente dos que vêm do privado?

 

Esses aliás acabam na sua maioria por ingressar em universidades privadas, também elas regra geral de muito má qualidade em relação às públicas, salvo honrosas excepções. Pelo menos no Brasil, os que têm possibilidade de estudar nos melhores colégios saem de facto melhor preparados e conseguem entrar nas universidades públicas, também elas muito melhores que as privadas. Isso acaba até por causar uma distorção e injustiça social, na medida em que os que têm menos posses acabam por ter que ingressar em privadas, trabalhando incansavelmente para poder pagar os estudos.

 

Não sei se sou só eu que me apercebo deste contra-senso, mas acho que vale a pena pensarmos nisto.

publicado às 02:04

"Tragam os Josés Silvas de volta à universidade"

por Samuel de Paiva Pires, em 07.07.08

Isto não se faz! Está uma pessoa a almoçar, assistindo ao programa Sociedade Civil na RTP2, hoje subordinado ao tema da Universidade em Portugal, quando subitamente tenho um ataque de riso/choro quando Fernanda Freitas, citando um artigo da The Economist acerca da falência das universidades públicas britânicas, constante de um livro sobre o ensino superior em Portugal, destaca a afirmação: "Bring back Adam Smith to the university", que é como quem diz tragam os Josés Silvas de volta à universidade". E no meio do ataque que tive nem reparei se algum dos académicos presentes fez o devido reparo!

 

 

publicado às 14:40

Legalizar o copianço e exames nacionais (post 2 em 1)

por Samuel de Paiva Pires, em 07.07.08

"...notei como a única maneira de evitarmos a fraude do clássico copianço está em legalizarmos o copianço, admitindo-o como parte integrante da resposta ao teste, incluindo as microfotocópias reduzidas dos textos de apoio que, talvez, venham a ser peças que oferecerei para o futuro museu do espírito de Bolonha."

 

José Adelino Maltez in Sobre o tempo que passa

 

Ora aí está uma medida que o PM poderia adoptar como bandeira da sua governação. Afinal, "os alunos têm direito a ter sucesso", e ainda constituem uma larga faixa de votantes.

 

Ainda há uns dias discutia com uns amigos sobre o copianço na universidade, tendo para mim, que nunca fiz cábulas, que em primeiro lugar sentir-me-ia mal comigo próprio se o fizesse, estaria a enganar-me a mim próprio, e em segundo lugar, se o fizesse morreria de vergonha só de pensar em ser apanhado, quanto mais se o fosse. Ainda assim, são imensos os casos de pessoas que fazem uma licenciatura a cabular em quase todas as cadeiras.

 

Mas enfim, parece que nos exames nacionais do secundário a média de matemática subiu 4 valores (milagre!), enquanto a de português desceu. Na televisão uma aluna explica a descida a português: "a maior parte das pessoas não estava à espera que saísse Os Lusíadas, e é uma obra muito difícil de interpretar...".

 

Mas isso também não interessa para nada, desde que saibam fazer contas não é preciso saber escrever português nem reflectir, o regime até agradece, menos incomodam e ficam melhor preparados para apreender as regras do acordo ortográfico.

publicado às 13:57

Coisinhas boas recebidas por e-mail

por Samuel de Paiva Pires, em 01.07.08

Composição de um aluno sobre a educação em Portugal:

 

Eu axo q os alunos n devem d xumbar qd n vam á escola. Pq o aluno tb tem direitos e se n vai á escola latrá os seus motivos pq isto tb é perciso ver q á razões qd um aluno não vai á escola. primeiros a peçoa n se sente motivada pq axa q a escola e a iducação estam uma  beca sobre alurizadas.

Valáver, o q é q intereça a um bacano se o quelima de trásosmontes é munto montanhoso? ou se a ecuação é exdruxula ou alcalina? ou cuantas estrofes tem um cuadrado? ou se um angulo é paleolitico ou espongiforme? Hã?

E ópois os setores ainda xutam preguntas parvas tipo cuantos cantos tem 'os lesiades', q é um livro xato e q n foi escrevido c/ palavras normais mas q no aspequeto é como outro qq e só pode ter 4 cantos comós outros, daaaah.

Ás veses o pipol ainda tenta tar cos abanos em on, mas os bitaites dos profes até dam gomitos e a malta re-sentesse, outro dia um arrotou q os jovens n tem abitos de leitura e q a malta n sabemos ler nem escrever e a sorte do gimbras foi q ele h-xoce bué da rapido e só o 'garra de lin-chao' é q conceguiu assertar lhe com um sapato. Atão agora aviamos de ler tudo qt é livro desde o Camóes até á idade média e por aí fora, qués ver???

O pipol tem é q aprender cenas q intressam como na minha escola q á um curço de otelaria e a malta aprendemos a faser lã pereias e ovos mois e piças de xicolate q são assim tipo as pecialidades da rejião e ópois pudemos ganhar um gravetame do camandro. Ah poizé. tarei a inzajerar?

publicado às 23:42

Na blogosfera

por Samuel de Paiva Pires, em 22.03.08
Não é permitido suspender ou expulsar um aluno, procuram-se todas as formas de facilitismo, que visem evitar reprovações, para orgulhosamente se exibirem estatísticas, permitindo que os jovens sejam formados numa cultura onde impera a bardinagem, o desrespeito pelas mais elementares regras de civismo, educação e respeito pela autoridade. Exige-se ao governo que tome medidas, naturalmente não para resolver este caso concreto, mas que possibilite á escola uma maior autoridade, autonomia, onde os professores saibam exactamente as suas competências, e assumam as responsabilidades, quem não quiser, saia do sistema, existem outras profissões, e os alunos, passem a estar OBRIGADOS a comportamentos sociais aceitáveis, sob pena de suspensão, expulsão para reincidentes. Os paizinhos podem começar por dar chazinhos ás criancinhas, e educarem os seus filhos em casa, não podem é exigir da sociedade, que esta seja obrigada a aturar e corrigir, o resultado dos fracassos e frustrações familiares.

António de Almeida in Direito de Opinião.

publicado às 17:53

Na blogosfera

por Samuel de Paiva Pires, em 22.03.08
No centro do anfiteatro estava aquela a quem ainda aludimos, em temente sussurro, como "ministra da educação". Certo ignaro lhe perguntou toscamente em tosca linguagem qualquer coisa como 'por que hão-de contar para a avaliação dos professores as classificações dos alunos?'. Desconheço se o bruto atrevido fazia parte do Bloco, do PC, do PSD ou do PP. O que sei e vi é que ela, a ministra, irada com a ingratidão das gentes, se levantou destemida e exclamou estas palavras, que se esforçam já por sair do pobre invólucro da linguagem:
'as classificações dos alunos contam para a avaliação dos professores, porque era o que faltava que não contassem!' [sublinhado meu para realçar a força desmedida do argumento]
A malta bestial, alapada em redor, com excepção dos iniciados mistéricos do centro em concordância respeitosa, desatou a contorcer-se e a soltar grunhidos e risadas. Desgraçados, que não compreenderam o que se tinha ali passado.
Consegue o arguto leitor imaginar argumento mais inatacavelmente completo do que aquele citado? Brilhante (na verdade, fulgurante), ela não foi cobardemente buscar uma razão, uma explicação exterior à coisa. Não. Ela afirmou a coisa em toda a sua inteireza como o melhor, o único argumento de si própria.

Carlos Botelho in O Cachimbo de Magritte

publicado às 15:36

Na blogosfera

por Samuel de Paiva Pires, em 22.03.08
Resta saber o que os pais da minha geração estão dispostos a sacrificar e a prescindir para agradar aos seus anafados principezinhos. Uma duvidosa licenciatura numa privada, muitos direitos e a chave de um automóvel, tudo sem contrariedades nem esforço. Deixem então as vossas criancinhas fazer o que bem lhes aprouver, pois entre mortos e vivos alguém sempre há-de escapar neste país de medíocres. E acreditem que os professores humilhados são o menos maligno dos danos colaterais.

João Távora in Corta-fitas.

publicado às 15:26

Apetece citar o Kropotkine:

e um soco nos cornos?

só tou a perguntar....mas pareçe que não se pode tratar açim as "crianças"....

será que aquela aluna famosa, além dir agora apresentar programas na tevisão, participará nos sistemas de auto-aprendizagem automotivados e à medida que lhe "desperta" a curiusidade sem ser oprimida pela orientação desmotivadora dos profeçores?

Não vou pôr-me com grandes discursos a analisar o estado do ensino, sobre aquilo que já toda a gente sabe, ou seja, que desde o 25 de Abril a educação em Portugal tem caído a pique. Educação enquanto forma de ser e estar na vida que deve ser ensinada aos filhos pelos pais, e educação enquanto instrução, não só porque os programas do básico e secundário são na sua grande maioria ridículos, como o sistema vigente premeia cada vez menos a meritocracia e continua o nivelar por baixo característico dos supostos sistemas igualitários que acabam por se tornar facilitistas. Seria assim tão difícil nivelar por cima e primar pela excelência? Parece que sim, e os fenómenos de violência nas escolas são reflexo disto, para além de outras causas sociais e externas à escola.

Na primária tive a sorte de ter uma professora dos seus sessenta anos, obviamente advinda do regime salazarista, que tornou toda a turma em excelentes alunos, a tal educação de base que muito poucos professores conseguem dar, e cuja falta resulta, por exemplo, nas belas calinadas no português que todos os dias se vêem por aí. Levei reguadas na primeira e segunda classe, e não havia lá pais a bater à porta da escola a queixarem-se que os filhos fossem mal tratados, até porque, verdade seja dita, era uma turma muito inquieta, e na ausência da professora aproveitávamos para vandalizar a sala de aula, para logo a seguir levarmos uma série de reguadas. E era uma daquelas réguas antigas, de madeira massiça, que nos deixavam as mãos a escaldar! Recordo-me ainda que tive vários colegas ciganos, que chegaram um dia a chamar a família toda que nos cercou na escola, tendo sido chamada a GNR a intervir.

Daí para a frente, especialmente na escola preparatória, recordo-me de cenas de agressões físicas entre alunos, de agressões de alunos a professores (chegou a apelidar-se um aluno de Van Damme, que se orgulhava de ter feito um rotativo que mandou uma professora para o hospital com o maxilar partido), e de agressões a alunos por parte de professores (um professor chegou a puxar-me as orelhas, e a dar umas chapadas em mais alguns colegas, no caso, verdadeiramente sem justificação (foi mais tarde suspenso, supostamente por stress ou depressão, qualquer coisa do género)).

Lembro-me de ver alunos a serem esfaqueados; um colega meu a partir os óculos de outro com um murro, deixando-lhe a cara em sangue; uma colega que foi perseguida por grande parte dos alunos da escola, por alegadamente ter roubado um telemóvel a outro colega; lembro-me de uma perseguição a ciganos que alegadamente se tinham infiltrado na escola; recordo-me do pessoal que ia fumar charros e beber cerveja para trás dos pavilhões e locais mais recônditos; recordo-me de ver um aluno a urinar para um balde em frente à fila para o refeitório, tendo depois um outro aluno mais velho espetado com esse através de uma porta de vidro; recordo-me de alunos terem vandalizado carros de professores, furando pneus e riscando a pintura, sem contar com uma altura em que os nossos pais tinham que nos ir buscar, pois no caminho para o autocarro eram frequentes as abordagens por parte de alunos ou outros indivíduos mais velhos, a pedirem-nos dinheiro (cheguei a andar com dinheiro nas meias), tendo até uma vez sido assaltado por um drogado.

E se achava eu que a nossa escola na altura era violenta, fiquei assustado quando uma vez fomos jogar futebol a outra escola do concelho (Loures, na altura), integrado num torneio inter-escolas, onde fomos apresentados a um professor que nos disse para não deixar nada nos cacifos, e se prestou logo a ir embora porque tinha medo dos alunos. Ora para além das ameaças durante o jogo, que nos afectaram psicologicamente (inclusive à professora da nossa escola que nos acompanhou), que acabámos por perder, fomos logo de seguida escorraçados, tendo que fugir da escola, e ainda me lembro de ter visto uma pedra da calçada a passar-me a escassos palmos da minha cabeça. Imaginem se tivéssemos ganho.

Isto é apenas uma pequena amostra daquilo que me recordo. Mas mais recentemente ainda há pouco tempo uma miúda andava a ameaçar de morte a minha irmã de 15 anos, chegando a chamar os amigos mais velhos para lhe bater. A minha mãe, que por acaso até é a presidente da associação de pais foi falar com o Conselho Executivo ou Directivo ou lá o que é, com a delegada de Turma e com a Escola Segura. Todos disseram o mesmo, que não podem fazer nada.

É este o estado a que estamos a chegar. Alguém tem soluções? Há por aí algum brilhante sociólogo que se queira pôr a discorrer sobre a influência do meio sobre o indivíduo e afins clichés que sempre surgem quanto a estas questões? E que tal alguém pensar em enfrentar a realidade em vez de se preocuparem com avaliações de professores? Talvez uma verdadeira reforma de fundo de todo o sistema educativo fosse mais apropriada, com vista a prosseguir de forma real o tal ideal da escola que se pretende segura, uma espécie de segunda casa dos alunos onde quem manda são os professores, e não o contrário como se verifica amiúde. Quer-me parecer que isto com um Salazar ia ao sítio. Chamem-me fascista, who cares...

publicado às 06:27






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas