Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Centenário do nascimento de Camus

por Samuel de Paiva Pires, em 07.11.13

 

A Queda:

 

"Cismo, por vezes, no que dirão de nós os futuros historiadores. Bastar-lhes-á uma frase para definir o homem moderno: fornicava e lia jornais. Depois desta forte definição, o assunto ficará, se assim me posso exprimir, esgotado."

publicado às 16:23

125.º aniversário do nascimento de T. S. Eliot

por Samuel de Paiva Pires, em 26.09.13

 

T. S. Eliot, Notas para um definição de cultura:


«Quando cada termo é tomado no seu justo contexto, a concepção de cultura e religião, como sendo aspectos diferentes da mesma coisa, é uma concepção que requer ser devidamente explicada. Desejo sugerir, porém, em primeiro lugar, que ela nos fornece os meios de combater dois erros complementares, o mais comum dos quais é pensar que a cultura pode ser conservada, ampliada e desenvolvida na ausência de religião. Este erro é mantido tanto pelo cristão como pelo descrente e a sua refutação exige uma análise histórica muito pormenorizada, visto que a verdade não é facilmente aparente e pode até parecer desmentida pelas aparências; uma cultura pode continuar, sim, e mesmo produzir algumas das suas mais brilhantes obras artísticas e de outros géneros depois de a fé religiosa ter caído na decadência. O outro erro é acreditar que a conservação e a continuação da religião não têm de contar com a conservação e a continuação da cultura, uma convicção que pode até conduzir à rejeição dos produtos da cultura como sendo obstruções frívolas à vida espiritual. Para nos encontrarmos na posição de rejeitar este erro, e também o primeiro, é necessário que olhemos bem longe e recusemos aceitar a conclusão, quando a cultura que temos ante nós é uma cultura sem declínio, de que a cultura é algo que podemos considerar com indiferença. Devo acrescentar que ver a unidade de cultura e religião dessa forma não implica que todos os produtos da arte possam ser aceites sem críticas, nem que essa perspectiva nos ofereça um critério pelo qual toda a gente possa distinguir imediatamente a diferença entre eles. A sensibilidade estética deve ser elevada à percepção espiritual e a percepção espiritual à sensibilidade estética e ao gosto disciplinado, antes de nos qualificarmos para julgar a decadência, o diabolismo ou o niilismo na arte. Julgar uma obra de arte por padrões artísticos ou padrões religiosos, julgar uma religião por padrões religiosos ou padrões artísticos, no fim de contas, deveria ser exactamente o mesmo., embora se trate de um objectivo que nenhum indivíduo pode alcançar.»

publicado às 17:46

77.º aniversário da morte de Fernando Pessoa

por Samuel de Paiva Pires, em 30.11.12

 

«Cada um de nós, na sua vida realizada e humana, não é senão a caricatura da sua própria alma. Somos sempre menos do que somos. Somos sempre a traição daquilo que quisemos ser e que, por isso, intimamente e verdadeiramente somos. A nossa vida é a nossa deselegância, o bobo eterno que a acompanha, e às vezes diverte, a divina Realeza.»

publicado às 12:33

Fernando Pessoa, nascido a 13 de Junho de 1888

por Samuel de Paiva Pires, em 13.06.12

 

 


O Agnosticismo puro é impossível
:

 

«O Agnosticismo puro é impossível. O único agnosticismo verdadeiro é a ignorância. Porque para nos radicarmos no agnosticismo é‑nos preciso um raciocínio para nos persuadir que a razão tem certos limites. — Ora, quem observa, pode parar; quem raciocina não pode parar. Portanto, quando pelo raciocínio havemos provado a limitação ou a não‑limitação destas ou daquelas faculdades, não podemos dizer: «paremos aqui» mas devemos seguir no raciocínio e tirar dessa limitação — na limitação, as consequências deduzíveis. Assim fazem todos os «agnósticos» consciente ou inconscientemente.»

publicado às 16:46

Parabéns, Friedrich Hayek!

por Samuel de Paiva Pires, em 08.05.12

Nascido a 8 de Maio de 1899. Ainda hoje utilizei a citação da imagem infra numa conversa. É uma das minhas favoritas. Aproveito para recordar que a minha dissertação de mestrado teve precisamente como temática o pensamento de Hayek. Está disponível no Repositório da UTL e no site da Causa Liberal.

 

(via Bastiat Institute)

publicado às 18:10

Efeméride - Há 20 anos falecia Friedrich A. Hayek

por Samuel de Paiva Pires, em 23.03.12

 

Citando Steve Horwitz, traduzido por mim, "Hoje paramos para notar o 20.º aniversário da morte de F. A. Hayek, talvez o mais importante pensador social do século XX e um homem cujas ideias ainda permanecem à frente do seu tempo e são distorcidas e mal compreendidas pela suposta elite intelectual."

 

Em homenagem, e como sugestão de leitura, deixo a ligação para a minha dissertação de mestrado, intitulada Do conceito de Liberdade em Friedrich A. Hayek, e uma das minhas citações favoritas, retirada de O Caminho para a Servidão (tradução também minha): "A independência mental ou força de carácter raramente é encontrada naqueles que não podem ter confiança que conseguirão fazer o seu percurso pelo seu próprio esforço."

publicado às 13:00

Efeméride - Oscar Wilde

por Samuel de Paiva Pires, em 16.10.11

 

A 16 de Outubro de 1854 nascia um dos maiores vultos da literatura britânica e mundial, Oscar Wilde. Possivelmente, entre os seus célebres pensamentos poucos sintetizarão melhor a sua personalidade que aquela famosa resposta a um oficial da alfândega que questionou se Wilde teria algo a declarar aquando da entrada nos Estados Unidos: "Não, não tenho nada a declarar. Excepto a minha genialidade".

publicado às 19:01

Fã da menina da franjinha,

por Cristina Ribeiro, em 15.04.09

 

lembra o meu pai que faz anos hoje que ela morreu: a saloia de Mafra que fez as delícias de gerações anteriores, mas cujos filmes, da época de ouro do cinema português, onde contracenou com outros muito grandes, continuam a dar cartas.

Não é só os filmes que ele recorda -esses também eu os conheço, graças à televisão- mas as Revistas no Parque Mayer, que começou a frequentar durante o serviço militar feito em Lisboa. Eu que já não vi esses grandes nos Teatros Revisteiros, e que só fui a uma Revista, não gostei. Dizem-me que dantes eram bem melhores: talvez " eles " me fizessem mudar de opinião, não sei.

             O que, isso sim, me fez rir a bandeiras despregadas foi a leitura dos seus livros, de uma vivacidade e alegria facilmente associáveis à actriz d«A Canção de Lisboa», quer se tratasse do « Sem Papas na Língua », ou do « Quando os Vascos eram Santanas ».

Impagável.

publicado às 18:19






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas