Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



De Ge(ne)rações

por João de Brecht, em 24.01.09

 

 

                  

Mamã, olha o desenho que eu fiz.

 

 

 

 

Quando analisamos o ambiente social de qualquer país, facilmente identificamos uma tese e uma antítese (não, não estou a ser marxista, estou a constatar). Vulgarmente chamamos a estes dois movimentos o de cultura e contra-cultura, não porque um disponha de elementos culturais e outro não, mas sim pelo facto de uma estar de acordo com os padrões sociais (aceites pela grande maioria como aceitáveis) e os que se auto-intitulam como não-conformistas.
Nada tenho contra movimentos de livre expressão e criatividade, desde que o desvio da norma seja um exemplo com aspectos positivos e não a completa miséria como muitos que vimos a assistir.
O que me motivou para fazer esta pequena dissertação acerca de movimentos urbanos foi a minha travessia de metropolitano entre as estações Cais do Sodré e Baixa – Chiado. Não calculei ao certo o tempo entre as duas estações, que com toda a certeza não é mais de 5 minutos, mas durante esse pouco tempo vi mais de cinquenta criaturas pálidas, vestidas de negro e com um olhar deprimido a andar de um lado para o outro. Não, não estou a falar num encontro de família do Voldemort, mas sim da loucura EMO.
Enquanto grande parte das Tribos Urbanas nasce de uma luta ou causa justificada e é seguida por razões estético-ideológicas, este novo movimento nasce da… Completa parvoeira de alguém. Peço desculpa se pareço intolerante, algo que garanto que nunca fui, mas a verdade é que se um dos pré requisitos para a entrada num grupo destes é a constante e duradoura depressão, que raio de aceitação social podem esperar de famílias que vêm os seus mais novinhos a cantar músicas sem sentido em alemão, desenhos e poemas de apelo à dor e à morte, a recusar constantemente qualquer planeamento de felicidade e a pingar sangue dos braços (nalguns dos casos) depois de cortes com x-acto?
É obvio que como em qualquer Tribo há quase tantos “wanna be’s” como “efectivos”, por isso mamãs e papás que estiverem a ler isto, não pulem da cadeira e dêem um sermão aos miúdos, porque na maior parte dos casos só usam a vestimenta por uma questão de integração ou afirmação.
Não querendo alarmar ninguém, nem insultar este movimento que sinceramente não consigo encaixar na minha cabeça, dou 3 conselhos a estes jovens que optam por boicotar o seu pensamento livre num movimento que claramente os distingue do resto raça humana:
 
_ Se a rebeldia é a motivação para tal comportamento, vistam uma t-shirt do Che e vão para o PCP, que apesar de ser igualmente comercial, sempre andam mais felizes da vida com uma cassete vermelha na cabeça (que é pelos vistos mais fácil de remover que as tatuagens).
_ Se o fazem porque o vosso cônjuge (sempre quis usar esta palavra num texto meu!) aderiu ao movimento Emo, arranjem outro ou tentem moderar a roupa preta, que para além de facilitar a depressão deles, também começa a interferir com a nossa.
_ Fora de brincadeiras, parem de negar o sorriso e apanhem um bocadinho de Sol, a vida é mais que roupa preta e mp3 com Tokio Hotelices…

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 03:38





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds