Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



PS fora da Zona Oiro

por John Wolf, em 19.06.15

stat_p2.jpg

 

 

É o que dizem as sondagens. O Partido Socialista está fora da Zona Oiro das legislativas. Seguro não está a rir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:59

Crescimento e depressão de mãos dadas

por John Wolf, em 09.12.13

Já repararam que o termo desemprego já não faz parte do discurso dos que mandam? O Instituto Nacional de Estatística anuncia o fim da recessão, mas não é referido de que forma esse facto produz efeitos na geração de emprego. Os governos de Portugal, e dos demais países europeus, sabem que o pleno emprego jamais tornará a ser o que era. Os dias de desemprego na ordem dos 5% acabaram. Assistimos, deste modo, à residência definitiva de uma nova realidade dissimulada e por revelar nas palestras daqueles que estão no poder ou daqueles que sonham em lá chegar. Os "bons" resultados económicos são bons para o bottomline das empresas, para os fluxos de caixa, mas não para o trabalhador. Eu iria até mais longe. Há largos anos que os gestores de empresas aguardavam o momento certo para realizar o layoff, os despedimentos em massa e com justa causa. A pergunta que deve ser colocada aponta no sentido de saber quando haverá inversão da tendência no desemprego. Há escassas semanas foi divulgado que o desemprego em Portugal rondará os 17,4% em 2014, embora presentemente tenha caído para os 15,8%. Este anúncio de sucesso das exportações apresenta uma ligeira contradição, ou a corroboração da ideia de que há sérias dificuldades pela frente. A necessidade de emissão de dívida a 5, 10 ou 30 anos significa que a economia ainda não se aguenta nas suas pernas. O roll-over, o empurrar para a frente das obrigações de dívida, não altera a dinâmica económica substantiva, a geração de emprego. A demise dos estaleiros de Viana acaba por confirmar a ideia de desfalecimento, de que mais despedimentos seguir-se-ão. A situação económica e social, já de si incomportável pelos cidadãos, poderá agravar-se ainda mais se houver um processo simultâneo de declarações de insolvência ou inoperacionalidade. Temos os CTT e as Páginas Amarelas em pé de guerra. Temos professores na rua. Temos trabalhadores de todos os sectores económicos em profundo desconforto. Temos gente que caiu fora das estatísticas e que já não conta nas considerações governativas, porque não existe matematicamente. O fim da recessão é uma expressão muito desejada em termos económicos, mas uma nova figura conceptual nasceu com esta crise - a possibilidade de coexistência de depressão social e crescimento económico. Esta contradição, nunca como antes, desafiou todos os modelos e conceitos de desenvolvimento das nossas sociedades. O fosso entre os detentores de capital e os trabalhadores parece ser cada vez maior. Seria simpático se o INE apresentasse em tandem as duas partes da fórmula - o crescimento económico acompanhado pelo crescimento do emprego. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:51

Top Estado Sentido

por John Wolf, em 21.10.13


Lista de visitas dos últimos dias ao blog Estado Sentido. Destaque para o post de Nuno Castelo-Branco que pôs a máquina de estatísticas do SAPO a deitar fumo em pouco mais de 24 horas. 


Gratos pela preferência.


  1. Página inicial - 24.586

  2. O Combate dos Chefes, a coisa promete - 12.624

  3. Quem pergunta meu amigo é - 3.639

  4. A queda e ascensão de Angola - 3.467

  5. Apagão do Estado em Portugal - 2.664

  6. Zero poupanças de Maria Luís Albuquerque - 2.182

  7. Premio Nobel da Austeridade - 1.679

  8. Arrancou mais um exercício de tudologia - 1.422

  9. O abuso de mulheres nos bastidores do porno - 1.304

  10. "I did not have checks with that bank" - 1.271

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:38

Nabos e tempestades

por Samuel de Paiva Pires, em 11.02.09

Pedro Arroja no Portugal Contemporâneo:

 

Os dados do emprego são conhecidos com tanta rapidez nos EUA porque eles representam uma estimativa do número de desempregados no mês anterior. Conhecer o número exacto de desempregados - contar cabeças - demora meses. Porém, os métodos de inferência estatística e as técnicas de amostragem estão de tal modo desenvolvidas, que a estimativa nunca difere significativamente daquele que virá a revelar-se o número exacto.

Então, e o INE não tem economistas e estaticistas para fazer estimativas? Claro que tem. Só que as estimativas, se existirem, ficam lá dentro e não saem cá para fora. Para os portugueses, com a sua obsessão pelo pormenor e pelo detalhe, os números que vierem a ser publicados têm de ser os números exactos e definitivos, obrigando a contar cabeças (*) e à demora inevitável deste processo. A consequência é que, enquanto nos EUA, a prontidão das estatísticas faz delas instrumentos privilegiados para a tomada de decisões, em Portugal elas não servem para nada - são peças de história económica.

Trata-se, obviamente, de mais uma manifestação da nossa cultura relativamente à cultura anglo-saxónica em tudo aquilo que diz respeito à esfera pública. A preocupação da cultura portuguesa com o detalhe, o pormenor, a perfeição, a exactidão irrelevante, tornando os portugueses excelentes, às vezes exímios, em tudo quanto o que se refere à esfera privada da sua vida, torna-os, aos mesmo tempo, literalmente, uma cambada de nabos em tudo o que concerne a esfera pública.

Este traço cultural dos portugueses tem pesadas consequências sociais. É como se os portugueses tivessem todos agachados no meio de um campo, em volta de um formiga, a discutirem uns com os outros, a côr dos olhos da formiga, o tamanho das suas patas, a sua forma de caminhar, ao mesmo tempo que, enquanto o fazem, mas sem nunca darem por isso, uma camada de nuvens negras se vai colocando sobre eles. Até ao momento em que a tempestade lhes cai em cima com toda a força, sem que eles tivessem dado por ela.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:40






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas