Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Da série "Carl Schmitt estaria orgulhoso"

por Samuel de Paiva Pires, em 11.01.14

Nuno Melo em resposta a Filipe Anacoreta Correia: "O  fogo amigo também mata. E o fogo amigo, para ser amigo, tem que ser involuntário. E o teu muitas vezes não o parece."

 

Esta retórica do amigo e do inimigo não é propriamente original. Explorada por Schmitt em The Concept of the Political, só é pena vê-la transposta para a praxis supostamente democrática de um partido político português, onde seria mais apropriado observar-se o que Aron chamava de institucionalização de conflitos e o que tantos têm realçado como virtudes da democracia, o pluralismo e a tolerância. No entanto, lá vai servindo os seus propósitos, reforçando a coesão interna de um grupo à moda de Bismarck contra Napoleão III, e até nem faltam alusões ao interesse nacional, esse conceito gasto pelo mau uso e prostituído pelo abuso, de que alguns julgam ter o monopólio e não se envergonham de aplicar na retórica primária do "nós" contra "eles", em que se concebe a política não como uma arte de unir contrários pelo consentimento e persuasão, mas apenas como um jogo de soma zero em que se procura aniquilar os opositores através da força e da opressão. Mostra, precisamente, que o CDS é, actualmente, um partido imaturo ao nível da sua democraticidade interna, que lida mal com a divergência, contrariando directamente não só um dos seus fundadores, como muitas das suas alegadas referências ideológicas, de onde destacaria, por exemplo e para não me acusarem de ter um viés liberal ou conservador, Jacques Maritain, para quem o pluralismo era uma característica essencial da democracia cristã. 

 

Leitura complementar: Por um CDS mais democráticoHá quem diga que não há CDS sem Paulo Portas; À atenção de Nuno Melo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:45

Breves notas sobre a situação actual do CDS

por Samuel de Paiva Pires, em 03.07.13

1 - Ao contrário do que muitos jornalistas, especialmente afectos ao Expresso, parecem desejar, não há razão nenhuma para que o Congresso não se realize. Bem pelo contrário, atendendo à periclitante situação espoletada por Paulo Portas,  o facto de termos um Congresso, órgão máximo do partido, dentro de poucos dias é até inestimável, pois permitirá desde logo ultrapassar esta situação, quer a nível interno, quer, especialmente, a nível da posição do CDS no Governo.

 

2 - É falso que Paulo Portas seja o único candidato à liderança. Existem vários potenciais candidatos, os primeiros subscritores das moções globais de estratégia apresentadas.

 

3 - É verdade, como ontem aqui escrevi, que a moção de Paulo Portas foi invalidada pela demissão do próprio. Isso não significa que as restantes moções, especialmente a moção CDS + à Frente, liderada por Filipe Anacoreta Correia, o tenham sido. Bem pelo contrário, e como o próprio Filipe já fez notar:

 

No Expresso:

 

«Anacoreta Correia desvaloriza, no entanto, esse facto e considera que quem quiser candidatar-se à liderança pode faze-lo já neste sábado. "O congresso está marcado e há todas as condições para aparecerem outras candidaturas. Basta que o primeiro subscritor de qualquer das moções apresentadas indique um candidato", sublinha o dirigente critico de Paulo Portas. Anacoreta Correia, enquanto primeiro subscritor da moção de estratégia do Movimento Alternativa e Responsabilidade, admite assumir-se como candidato à liderança, e não poupa nas críticas à "irresponsabilidade" da atitude de Portas. Que, nota, contraria tudo o que o líder centrista escreve na sua própria moção de estratégia. "A palavra estabilidade é central na moção de Paulo Portas. Quem votar a favor da moção dele não pode votar nele", frisa.»


No Jornal de Negócios: 


«Filipe Anacoreta afirmou esta quarta-feira que a decisão de Paulo Portas é uma “decisão irreflectida, incoerente e totalmente irresponsável". Para o líder da tendência Alternativa e Responsabilidade (AR) do CDS-PP, a demissão do ministro de Estado e dos Negócios Estrangeiros "contradiz" o que o presidente dos centristas defendeu na sua moção ao Congresso e "atira o País para uma crise de enorme gravidade", que "põe em causa provavelmente os sacrifícios dos portugueses ao longo destes anos".

 

Filipe Anacoreta apelou assim ao CDS/PP para que não “caia com o seu líder”. “Há que fazer um apelo aos governantes, aos dirigentes, aos principais responsáveis, para que não se precipitem, dêem a voz ao partido", afirmou.

 

"Nós temos, por coincidência ou não, um congresso marcado para daqui a três dias, é a reunião magna, e no meu entender é a altura adequada para o partido se pronunciar e para tentar não seguir nesta precipitação para que o líder nos conduziu", sublinhou Anacoreta que não colocou de parte a hipótese de se candidatar à presidência do partido.

 

Questionado se o partido deve continuar a apoiar o Governo sem Paulo Portas, Filipe Anacoreta respondeu: "Acho que nós temos que fazer todo o esforço para pôr o País acima do partido e as circunstâncias pessoais de cada um subordinadas ao interesse do partido e ao interesse do País. Foi assim que o doutor Paulo Portas sempre afirmou que faria e é isso que nesta altura nós temos também que fazer".»


No Público:


«Filipe Anacoreta Correia, subscritor de uma moção de estratégia global ao congresso do CDS do próximo fim-de-semana e candidato à liderança do partido, criticou nesta quarta-feira ferozmente a decisão de Paulo Portas de abandonar o Governo, considerando-a “precipitada, incoerente e totalmente irresponsável”.

“É altura de segurar o partido e não permitir que ele caia com o seu líder, por isso entendo que é da maior relevância a realização do próximo congresso e o CDS deve partir para ele com muita confiança e com a certeza de que o partido terá soluções para apresentar e para pacificar o país”, defende Filipe Anacoreta Correia, o rosto do Movimento Alternativa e Responsabilidade, a ala crítica da direcção do partido.

 

Para este conselheiro nacional, “não faz sentido” adiar o congresso porque isso – argumenta – “seria prolongar a incerteza e a indefinição politica e neste momento isso é crucial para o país”. “O congresso está convocado e entendo que há condições para sua realização e o partido tem de mostrar que é rápido a afirmar estas soluções”, diz o advogado Filipe Ancoreta Correia, reconhecendo que nestas circunstâncias o adiamento seria a “primeira tentação fácil”, mas isso não pode acontecer, “porque isso seria prolongar a incerteza e a indefinição política neste momento crucial para o país”.

 

Ao PÚBLICO, Anacoreta Correia diz ainda que o “partido tem de ser rápido, porque o país não pode estar suspenso, não pode aguardar por indefinições”. E remata: “É preciso dar a voz ao partido. É tempo de olhar para o futuro”, porque – realça – a “conduta de Paulo Portas à frente do partido prejudica o país”.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:00

CDS mais à frente

por Samuel de Paiva Pires, em 01.07.13

 

Quando faltam poucos dias para o 25.º Congresso do CDS, a ter lugar na Póvoa de Varzim no próximo fim-de-semana, tenho o prazer de anunciar aqui a moção CDS + à frente, que tem como primeiro subscritor Filipe Anacoreta Correia. Trata-se de uma moção de estratégia global apresentada por um grupo de militantes que pretende contribuir para a pluralidade do debate interno no CDS e propor um novo rumo para o país, sugerindo várias ideias que possam consubstanciar uma reorientação das políticas que têm sido prosseguidas pelo actual governo. É uma moção que se apresenta "ao Congresso com total empenho e forte sentido de responsabilidade, com economia de palavras e centrada naquilo que considera primordial: a afirmação de políticas que devolvam a Portugal a liberdade e a soberania e combatam o flagelo social e económico em que nos encontramos."


Venham conhecer-nos amanhã, Terça-feira, pelas 21h30m, na sede nacional do CDS, onde Filipe Anacoreta Correia apresentará a moção.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 23:57

Um grandessíssimo sarilho

por Samuel de Paiva Pires, em 13.05.13

Nuno Magalhães esteve há pouco na SIC Notícias a tentar justificar o injustificável. Quer-me parecer que Paulo Portas se meteu e ao CDS num grandessíssimo sarilho cujo impacto se vai prolongar pelos próximos anos. Afinal, Filipe Anacoreta Correia tinha razão:


"O doutor Paulo Portas cometeu um erro político ao ter afirmado de uma forma peremptória oposição a medidas que procurem solucionar o problema da sustentabilidade da Segurança Social e que, dificilmente, poderão não passar por algum tipo de cortes em relação às pensões", afirmou.

Para o líder da Alternativa e Responsabilidade (AR), Portas devia ter sido mais "ponderado e cauteloso" e "corre o risco de cometer o mesmo erro do passado, quando disse que era frontalmente contra o aumento de impostos".

"O CDS poderá estar a contribuir para alimentar expectativas que depois não tem capacidade para satisfazer", afirmou.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:51






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas