Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Ervilhas e funcionários públicos

por John Wolf, em 15.02.18

9272.jpg;width=600.jpg

 

Um país do tamanho de uma ervilha não precisa de mais funcionários públicos. A não ser que o governo em funções precise de alavancar a sua posição por forma a garantir uma vitória eleitoral em legislativas que dependem de terceiros. O Partido Socialista precisa de tomar as devidas precauções, antecipando o período oficial de campanha - comprando votos com lugares na função pública. Mas mesmo que aceitássemos a premissa do aumento de funcionários públicos, o departamento de recursos humanos do Estado contrata nos departamentos errados. Quem precisa de técnicos superiores nos dias que correm? Qualquer laborador é suficientemente hábil para se desenvencilhar de bugs e virus informáticos sem ter de fazer uma requisição ao andar de cima onde manda um bigodaço colocado por um familiar do Rato. Sem dúvida que médicos são necessários, mas entendo a patranha. O Sistema Nacional de Saúde já está a meter água pela barba e, deste modo, o governo, ao abrir as comportas a internistas, dá ares de bom samaritano. Quanto às forças de segurança, maltratadas e desprezadas por sucessivos mandatos, é realmente vergonhoso que não lhes seja fatiada uma maior quota de respeito e condições. Um país de perto de dez milhões de almas precisa de 700 mil funcionários públicos para isto funcionar mal? Com 300 mil fariam a mesma coisa. E o descalabro seria semelhante.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 21:36

António Costa, o tunisino acidental

por John Wolf, em 21.11.17

slider1.jpg

 

É impressão minha ou será que António Costa apenas ganha coragem para afrontar os funcionários públicos quando está fora de Portugal? Desta vez fala a verdade em directo de Tunes. I tunes, ele tunes, nós tunisinos...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:35

Esta é fácil, Centeno

por John Wolf, em 02.11.16

s0153840_std.jpg

 

"Governo falha meta de redução de funcionários públicos" (?) - como se não soubéssemos que assim seria. Esta deve ser para nivelar outras em relação às quais o Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português andaram a torcer o nariz. Era óbvio que nunca iriam dar um tiro no pé. Os funcionários públicos são simultaneamente um balastro e uma arma de arremesso. Andam para alí aos tombos a bel prazer do governo que sem eles nada seria. Se reduzíssem o número de funcionários públicos de um modo credível, e à luz da eficiência administrativa, pagariam certamente um preço político muito elevado. Com as autárquicas tão próximas não convém brincar com fogo. Aliás, nos concelhos de norte a sul do país grassa aquela modalidade de sorvedor de meios e orçamentos. Sim, refiro-me às empresas municipais que têm de existir em duplicado e triplicado para justificar os directores de serviços disto e daquilo. Falam em acordos e entendimentos, declamam estrofes de solidariedade de Esquerda, mas ao longo de tantos mandatos passados ou presentes, não foram capazes de criar plataformas inter-municipais para afectar positivamente os orçamentos locais que por sua vez retirariam alguma carga a Orçamentos de Estado generalistas. Centeno não é economista. Centeno trai a geométria dos números. Centeno é, seguramente, um ideólogo com uma agenda imposta pelo Largo do Rato. Calculo que tenha sido esse um dos pré-requisitos para ser contratado. Tratar da contabilidade, mas não orientar a máquina que tem os carburadores a dar o berro - Deixa estar. Fica quieto. Não estragues o que está estragado.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 15:44

Mas que talhada!

por Pedro Quartin Graça, em 19.04.13

Subsídio dos funcionários públicos com redução até 500 euros para compensar retenção de IRS

De acordo com o JN, que cita as simulações feitas pela consultora PricewaterhouseCoopers para a Lusa, estas mostram que, por exemplo, um funcionário público com um salário bruto de 2.500 euros terá de fazer uma dedução de 522,71 euros ao valor a receber em novembro quando lhe for reposto o subsídio de forma a compensar ter estado a usufruir de taxas de retenção de IRS mais baixas ao longo do ano.

O Governo anunciou na quinta-feira que para cumprir a determinação do Tribunal Constitucional que obriga o executivo a repor o subsídio de férias aos funcionários públicos e pensionistas, essa reposição será feita em novembro. Ao mesmo tempo, o Governo determinou que o acerto das taxas de retenção na fonte seria feito também em novembro.

Ora, segundo os cálculos da PwC, as compensações variam entre pouco mais de 100 euros e os mais de 500 euros do exemplo de um funcionário que tenha um salário bruto de 2.500 euros.

Para o caso de um funcionário público solteiro e sem dependentes que receba um salário bruto de 1.000 euros, a compensação a fazer em novembro será de 104,55 euros, recebendo apenas 1.448,68 euros de salário e da reposição do subsídio em falta.

Já no caso de um funcionário com um salário bruto de 1.500 euros, o valor a deduzir em novembro será de 156,82 euros, recebendo o funcionário um total de 2.005,57 euros a título de salário e da reposição do subsídio determinada pelo Tribunal Constitucional.

No caso do salário bruto de 2.500 euros, com o 'corte' de 522,71 euros, o funcionário receberia em novembro 2.604,68 euros.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 09:08






Arquivo

  1. 2018
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2017
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2016
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2015
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2014
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2013
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2012
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2011
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2010
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2009
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2008
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2007
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas