Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Não sei o que seria o meu dia sem a GALP ENERGIA...

por Pedro Quartin Graça, em 05.06.14

 

...Ou COMO FICAR SEM 150 Euros enquanto o diabo esfrega um olho...

No conforto do seu lar, onde foi impelido a permanecer por necessidade absoluta de reactivar uma ligação com a qual pouco ou nada tem directamente a ver, e depois de uma providencial avaria externa ao seu prédio, um concessionário da LISBOAGÁS,a VISABEIRA "decreta" uma grave inconformidade. Em menos de 1 minuto veja o seu gás ser desligado em virtude da deficiência relacionada com a ligação ao fogão, apesar de não existir qualquer fuga e de a própria empresa fiscalizadora já ter estado há pouco mais de um mês em sua casa e de tudo ter sido dado como conforme. Na ocasião é-lhe dado, por um mero acaso, um providencial folheto da entidade que lhe vai salvar o jantar e o banho da madrugada do dia a seguir: a COMFORTLINE. Esta, de forma simpática, e quase sem ter de dizer ao que vem, esclarece tudo: são 35 + 15 + 60 euros (do certificado) + material. E, surpresa das surpresas, um providencial técnico está disponível para vir ao seu encontro entre as 16h e as 18h. Eu, grato, e muito mais leve da bolsa, agradecerei o favor.

Foi hoje em Lisboa e eles andam por aí! Eu, que até estava para mudar a electricidade para a GALP, agora já se vê como vai ser: adeus à electricidade e ao gás. Conheço formas mais estúpidas de perder clientes mas esta não lembrava mesmo ao diabo! Os limites da ganância e da estupidez humana não conhecem, decididamente, fronteiras.

publicado às 15:56

Putin na China

por Nuno Castelo-Branco, em 30.04.14

Consta que V. Putin visitará a China, com este país assinado um contrato de fornecimento de gás natural. É esta a resposta conseguida pelo ocidente e aqui está uma excelente oportunidade oferecida a alguns polos industriais portugueses. Poderemos acelerar a produção de edredões, lanifícios e pijamas-Kispo  destinados à Europa central, oriental e do norte. Será que ainda temos alguém capaz de fabricar escalfetas e braseiras? Prevê-se alguma procura internacional.

publicado às 10:19

Parece que...

por Nuno Castelo-Branco, em 24.03.14

...há qualquer coisa que está a escapar à gente de Bruxelas. Ainda há dias, na conferência anti-Rússia, decidiram-se pela valorização do fornecimento de gás proveniente do Magrebe, diga-se, da Argélia. Apontaram a excessiva dependência da Europa em relação aos russos, mas não atenderam à situação volátil que se vive a sul do Mediterrâneo e no bem possível recrudescer daquilo que há uns anos se chamava "Frente Islâmica de Salvação". Se assim for, deixaremos de depender de Putin, tornando-nos clientes dos islamitas radicais. Brilhante decisão, não haja dúvida. 

Tudo isto parece muito precipitado e causa estranheza. No entanto, bem vista a situação tal como ela se apresenta na Síria - sem sequer contarmos com a criminosa apatia perante todo o financiamento do islamismo radical pelos qataris e sauditas - , talvez seja este o novo caminho. Passamos a apoiar aqueles que nos querem destruir, ou como Lenine costumava dizer, damos-lhes a corda com que eles nos enforcarão.

 

Passando sobre marginalidades europeias, é esta a política incentivada pelo Departamento de Estado e pelo Pentágono? 

publicado às 09:21

Não é maningue chonguila

por Nuno Castelo-Branco, em 05.04.13

 

Tudo parecia correr bem. Os mercados estão novamente cheios de comerciantes e de compradores. Há fartura de géneros, coisa que durante décadas apenas consistiu numa miragem de outros tempos. O país foi limpo de minas, as praias, esplanadas e locais turísticos encheram-se de encantados visitantes. Os moçambicanos bem merecem um futuro pacífico e mais feliz.

 

Esperemos que as auspiciosas notícias acerca de descobertas de colossais reservas de gás, não tenham qualquer ligação com os últimos acontecimentos que já trouxeram confrontos entre o governo da Frelimo e o partido Renamo na oposição. Sabemos bem o que significou a guerra civil que de imediato se seguiu à insólita e apressada retirada portuguesa.

publicado às 12:36

...e, infalivelmente, em prejuízo de contribuintes e consumidores. O senhor T. Boone Pickens, a quem o Ecotretas já dedicou vários posts, que já foi um defensor estrénuo das eólicas, de há algum tempo que defende que o governo lidere a iniciativa no sentido de promover a substituição da gasolina e do diesel, usados nos transportes por gás natural, para desta forma a América conseguir diminuir a sua dependência do petróleo da OPEP e, em simultâneo, usando energia mais "limpa". Veja-se o artigo que escreveu hoje ontem, no The Chicago Tribune.

 

O senhor T. Boone Pickens, um empreendedor e capitalista de longa data (tem 83 anos de idade), tem naturalmente o direito de defender uma maior utilização do (aliás, abundante) gás natural americano, tal como qualquer cidadão. Coisa diferente é a forma como se posiciona para explorar o filão que se avizinharia caso o governo federal liderasse esta ideia, ou seja, adivinha-se: financiasse uma rede de abastecimento de gás, introduzisse regulações no sentido de a conversão se tornar obrigatória, etc.

 

A defesa do subsídio em nome de um superior interesse "público" e do seu carácter "estratégico" para, na realidade, e em primeiro lugar, encher os bolsos de indivíduos que se aprestam para se apossar de "rendas" garantidas pelos estados é uma das características do crony capitalism ou do corporatismo mussoliano. Nada disto tem a ver com o capitalismo. É, antes, o seu contrário.

publicado às 22:30

Valha-nos um Xá!

por Nuno Castelo-Branco, em 22.10.11

Não se percebe bem a grande satisfação por este tipo de negócios. O Estado assinou um contrato com espanhóis e alemães - estes andam sempre por perto -, prevendo explorar recursos energéticos no Algarve. Tudo seria bastante promissor, não fosse a declaração de que  9% (nove por cento) das receitas  se destinarão ao Estado, a nós, ao país. Mais ainda, ficámos a saber que este número é cinquenta vezes superior àquele inicialmente previsto. Cinquenta vezes? Calcule-se então, o que anteriormente se atribuía a Portugal.

 

Claro que somos totalmente ignorantes na matéria, mas números são o que são e os 9% parecem uma ninharia. Sabe-se que a Galp anda entusiasmada com as jazidas brasileiras, mas não haveria quem por cá fosse encorajado a tomar uma iniciativa destas? É que para o Estado, os 30 milhões de investimento são uma autêntica bagatela, quase uma das rotineiras renovações da frota de limusinas. Tudo isto tresanda a exploração, mas daquele tipo de que outrora os europeus foram acusados no além-mar: colonialismo.

 

Ainda que a trintona "esquerda de negócios" portuguesa se preste a estas coisas, compreende-se. Mas, a direita? Alguém poderá explicar o que se passa?

 

Não haverá um Xá que nos valha? Esse assinaria o contrato, mas simultaneamente prepararia um decreto de nacionalização para daqui a uns anos.

publicado às 09:32

O mercado a funcionar

por Eduardo F., em 15.10.11
Via Carpe Diem, um excerto: Not considered a big oil state until recently, North Dakota went from the ninth-biggest producer in 2006 to fourth in 2009, where it currently stands. This boom is thanks to advances in drilling and hydraulic fracturing techniques and a rise in oil prices that made it more profitable for companies to tap into the vast reserves trapped in the Bakken and Three Forks shale formations.

 

Mais uma vez, os mercados, se os deixarem em paz, proporcionam-nos duas lições que nos permitem esgrimir argumentos contra os catastrofistas ignorantes e estatistas militantes:

 

1ª lição - Por maior desespero que isso cause aos neo-malthusianos, a mente humana, se não for  aprisionada, continuará a proporcionar algo que é a "chave" da destruição desta subespécie de mitos catastrofistas: a teconologia evolui. O que era impossível ontem, é possível hoje. O que era caríssimo há dez anos, é hoje comum.

 

2ª lição - Os preços, se não forem manipulados pelos governos, estão permanentemente a dar sinais aos vários actores no mercado. Se o preço de um dado bem sobe de forma sustentada no tempo, tal será interpretado por empreendedores no mercado como uma oportunidade de retirar partido de preços de venda interessantes o que, por sua vez, tenderá a aumentar a oferta desse bem. A prazo, esse preço reduzir-se-á para valores "normais" e, porventura em combinação com a introdução de novas tecnologias, poderá mesmo acabar por atingir um preço mais baixo que o existente no início do "ciclo".

 

Simplificando um pouco, são estas duas razões combinadas que, caso após caso, confirmam e reconfirmam o grande  Julian Simon e infirmam sistematicamente activistas ignorantes.
___________________
Nota: li no Expresso de hoje, publicação por sinal cada vez mais deprimentemente inútil, que Manuel Pinho e Vieira da Silva não deram andamento (supostamente pela aplicação do ignóbil princípio da precaução...), durante anos, ao projecto de prospecção e exploração de gás natural por parte de operadores privados  (e a suas expensas) ao largo da costa algarvia. O actual governo terá entretanto já dado luz verde ao projecto (estima-se que haja gás, comercialmente explorável, durante 10 anos) decorrendo a ultimação das minutas dos contratos. Isto é mais um dos milhares de episódios em que os governos "verdejantes" se outorgam o direito de distinguir entre projectos privados "maus" e projectos privados "bons". Raramente, nestes últimos, se tratam de projectos verdadeiramente privados - eles estão, quase sempre, contaminados de dinheiros públicos, de tráfico de influências, de troca de favores. Numa palavra: de corrupção. Entretanto estoira-se o dinheiro público em projectos economicamente irracionais e proíbem-se projectos exclusivamente de iniciativa privada (pela sua motivação económica e não política). Que corja!

publicado às 17:24

Toda uma nova estratégia de marketing político

por Samuel de Paiva Pires, em 12.08.11

O anterior governo socialista, durante a negociação do acordo com a troika, plantou notícias sobre o apocalipse que nos ia atingir, para depois convocar uma conferência de imprensa onde José Sócrates trocou as voltas a todos e comunicou o que afinal não ia ser feito. O actual Ministro das Finanças segue a estratégia inversa, convocando uma conferência de imprensa para anunciar cortes na despesa, mas acabando a anunciar aumentos de impostos.

 

De salientar o apontamento de João Luís Pinto:

 

«Quando se convocam conferências de imprensa para apresentar colossais cortes na despesa e ao invés sai na rifa um novo aumento do IVA, e já se vão antecipando medidas e receitas acordadas para o ano de 2012 do lado da receita, sem qualquer vislumbre efectivo ao fim já de meses de governo de medidas substanciais de corte de despesa pública (muito menos ao nível dos aumentos de receita anunciados), parece que começamos a abandonar o domínio da boa-fé.

Começa sim a parecer que estão a querer gozar connosco.»

 

publicado às 13:08






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds