Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Sobre a Retaliação de Israel

por João Teixeira de Freitas, em 20.11.12

Antes de mais, e não obstante aos esquerdismos sempre gritantes e à facciosidade do espetáculo pela metade com que se nos apresentam os meios de comunicação e muitos dos seus (pouco) doutos comentadores, é necessário ter alguns elementos em consideração quando olhamos para qualquer conflicto entre um Estado e um agente protótipo de Estado inegavelmente clandestino e ilegítimo (Hamas):


1) Como a própria nómina deveria indicar de forma dolorosamente evidente, uma análise deve ser analítica, nunca prescritiva e muito menos revisionista. A análise opera-se nos elementos do agora e o anacronismo apenas se deve estender até ao ponto do estritamente relacionado com/em seguimento de.

2) Os julgamentos de valor e moralidade de matriz devem vir no fim. Infiltrando-se na análise apenas dão azo a pressupostos falsos, incompletos e, muitas vezes, absolutamente ignorantes. Como se costuma dizer e bem: é preciso ser-se frio para se ter razão.

Procedendo ao meu ver sobre as críticas inanes à retaliação Israelita:

Quando um Estado dotado de valores, legislação e cultura largamente ocidentais se vê numa situação em que tem que retaliar com violência, não há obviamente nenhum prazer nisso. Achar que jovens adultos de 21 anos gostam de ir para o deserto colocar a sua vida em risco por causa de um conjunto de terroristas com demasiados apoios Estatais (nomeadamente o Irão e uma parte da própria sociedade palestina), é um pensamento tão ignorante como atroz.

No entanto, a retaliação é essencial. Em qualquer outra situação nem seriam colocadas dúvidas, mas o mediatismo impõe o debate. A verdade é que o direito à retaliação e à auto-defesa é um direito consagrado e muito bem formulado em termos de objecto no DIP. Israel sofreu um ataque proveniente de um grupo albergado por forças administrativas de um território vizinho, logo a retaliação tem e deve de ser, de acordo com o próprio Direito, focada contra essa proveniência.

Claro que, e aqui surge a problemática maior, o Hamas recorre a uma técnica muito típica dos grupos Islâmicos fundamentalistas: a infiltração em populações e localidades civis; neste caso a utilização de escudos humanos por via do disparo do armamento de longo alcance ser feito a partir de zonas civis. Afinal de contas, a ideia de nação Muçulmana (a Umma) impõe a conscrição não voluntária de todo o povo "fiel" à Jihad de qualquer grupo fundamentalista, e isso inclui crianças que são incentivadas a continuarem a frequentar a creche enquanto agentes do Hamas utilizam a mesma como base para lançamento de rockets e outros projécteis explosivos contra Israel.

Ora, é muito fácil ao cidadão ocidental típico - habitante a distâncias consideráveis destas realidades - emitir o seu pobre e precoce julgamento moral, acusando os Israelitas de "estarem a massacrar palestinianos". Na realidade, quem os está a massacrar é o próprio Hamas, o qual muito depressa se oferece ao sacrifício de civis palestinos como escudo humano para subverter o apoio legítimo e expectável à retaliação de Israel, e para desmoralizar as tropas israelitas. 

O Hamas é, objectivamente, o maior destruidor de vidas palestinas - a realidade dos factos fala por si. Não se pode tolerar a proveniência constante de ataques à distância, sabendo muitas vezes o perigo da trajectória dos mesmos para alvos civis e afins - a reacção imediata é a retaliação, e o Hamas conta muito conscientemente e estrategicamente com isso, de uma forma nojenta e insidiosa.

Isto constitui o complexo moral bélico. O retaliar de imediato para evitar mortes do nosso lado, sabendo da potencial utilização de escudos humanos pelo lado inimigo, levanta diversas questões morais que poucas pessoas se dão ao trabalho intelectual de tratar apropriadamente. 

O dilema é de uma brutalidade e desumanidade tremenda, mas a decisão é necessariamente a de responder com moralidade relativa à imoralidade absoluta do inimigo que utiliza escudos humanos: a protecção dos que nos são culturalmente, nacionalmente e identitariamente próximos evidencia-se como a acção instinctiva; mesmo sabendo o que isso poderá significar para as vidas inocentes reféns dos devaneios fundamentalistas do Hamas – o qual não parece claramente ter o mesmo apego à vida vizinha, mas esse é um dos critérios do fundamentalismo islâmico. Que decisão tomaria? Conseguiria sequer tomar uma? Duvido, é claro, que tomando uma, esta envolvesse sacrificar os seus compatriotas civis.

Claro está, esta complexidade tem implicações humanitárias tremendas, mas, mais uma vez, a mão de Israel é forçada pelo Hamas. E, diga-se de passagem, em nenhuma guerra houve ou alguma vez haverá charme ou civismo. Apenas podemos exigir o básico: o não sacrificar vidas inocentes com propósitos de avançar agendas políticas e estratégias paramilitares (como, devo sublinhar, o Hamas fez e faz com estas técnicas).

A minha insistência em delinear bem a culpa factual do Hamas tem uma razão muito simples: os meios de comunicação exploram a culpabilização total de Israel pelas mortes civis porque isso é o que vende mais em termos de audiência e ideologia ‘mainstream’. 

Infelizmente, a maior parte das pessoas, ora por ignorância destas questões ora pelo complexo de culpa branca, ignora o facto gritante e claro da culpa residir nas acções subversivas, provocadoras, nefastas e imorais do Hamas; acções contra tanto a população palestina (muitas vezes refém da influência destruidora do Hamas no futuro do seu povo) como com a população israelita (que ‘oferece’ centenas de mortes civis aos ataques terroristas do Hamas).

Israel é um bastião do Ocidente inserido num caldeirão de ódio religioso e frustração antiocidental. Apesar das suas tensões étnicas e rácicas internas (por vezes entre etnias judaicas), a sua legislação é clara e o sistema judicial penaliza de facto todas as situações de racismo e incitamento ao racismo, inclusive julgando casos de racismo incitado em contexto de claques de desporto (algo que Portugal ainda não fez). 

Aliás, Israel "prohibits discrimination by both government and nongovernment entities on the basis of race, religion, and political beliefs, and prohibits incitement to racism.[2] The Israeli government and many groups within Israel have undertaken efforts to combat racism (...)". 

Surgiram e surgem alguns casos de violência rácica nas comunidades, os quais foram de facto (e continuam a ser) punidos e julgados de acordo com a regulação e legislação mencionadas; o que significa que Israel, como Estado, segue em todas as dimensões o seu rumo de luz ao fundo do túnel numa região de outra forma obscurecida pelo Islão fundamentalista.

Livrem-se do complexo de culpa; assumam-se como Ocidentais que são em todas as vertentes da vossa vida e não tenham vergonha da vossa cultura. É tempo de apoiar Israel, e é tempo de apoiar o povo palestino condenando não Israel, mas sim o Hamas pelas acções subversivas que conduz.
----------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------------
PS: Apenas deixo também uma breve adenda de alguns factos históricos e políticos que são muitas vezes esquecidos no discurso geral e produzem vários erros de análise:


1 – A Palestina nunca foi um estado soberano (ficará claro em breve o porquê de mencionar este facto). A Palestina era um protectorado de mandato Britânico, pelo que não tinha nenhuma vontade expressa em termos de relações de política externa e matérias complexas de administração interna – assim o ditava a legislação da época, sublinhe-se.


2 – Por conseguinte, exceptuando a crise do Suez em que Israel desenvolveu acções efectivamente preventivas/preemptivas (depende da perspectiva válida de cada um), Israel nunca foi o agressor em conflictos com Estados Árabes. Todas as outras operações militares não incluídas nestes casos constituíram acções defensivas e expedições de prevenção securitária no sul do Líbano – cujo Estado respectivo não quer e/ou não consegue policiar de forma eficaz.

 

 

publicado às 00:41

Gases em Gaza: dedicado ao Bloco de Esquerda

por Nuno Castelo-Branco, em 04.01.09

 Os apoiantes portugueses do Hamas e Hezbollah, andam muito activos na blogosfera, recrutando novas consciências e apelando ao fim dos brutais ataques aos seus correligionários na faixa de Gaza. Enquanto o Volksturm gazense vai carregando cartuchos, incorporam-se jovens que entusiasticamente juram bandeira, enquanto as meninas envelopadas agitam a imprensa internacional. Tudo normal, lá no Médio Oriente.

 

Enquanto isso, alguns refractários vão recebendo o merecido tratamento público. É a justiça...

publicado às 15:11

Sobre os ataques do Hamas e de Israel

por Samuel de Paiva Pires, em 28.12.08

 

(imagem picada daqui)

 

Apesar de ser um estudante de Relações Internacionais há assuntos da realidade internacional pelos quais não nutro especial interesse. Um deles é o conflito israelo-palestiniano. Embora as questões relacionadas com a segurança se constituam como primordiais nas minhas preocupações/interesses, este conflito dura há demasiado tempo e ao longo de 60 anos transformou-se numa escalada irracional de ataque, resposta a esse ataque, tréguas, rompimento das tréguas, novo ataque, nova resposta a esse ataque, novas tréguas, e aí por diante. Imensos acordos foram firmados, todos eles com pouco ou nenhum efeito. Tornou-se por isso previsível e banal, sem fim à vista. E é por isso que, ao contrário do que aqui fiz em Agosto durante o conflito entre Rússia e Geórgia, não me vou debruçar muito sobre estes novos ataques. Noto apenas que o Hamas já tinha anunciado o fim das tréguas (via Blasfémias), e que Israel respondeu aos ataques do Hamas, embora, como nota o JCS, de forma desproporcional, se bem que a regra da proporcionalidade em Direito Internacional Público é difícil de observar e respeitar, como tantas outras prerrogativas desse e, neste caso, é um argumento cada vez mais incoerente porque sempre utilizado contra Israel, como nota Carlos Botelho. Por isso sou forçado a concordar com o António de Almeida, todos os governos têm o direito e dever de proteger os seus cidadãos, e concordo até por uma questão de coerência para comigo próprio, pois considerei esse argumento como acertado e justificável quando utilizado pelos russos no caso do conflito georgiano. Aconselho ainda a leitura da súmula realizada por Alexandre Guerra.

 

É triste notar que dois milénios depois de Jesus Cristo, séculos depois das cruzadas e imensas transformações na hierarquia das potências e sistema internacional, a religião ainda continua a ser responsável pela instabilidade e flagelo da guerra naquela região. E creio que assim continuará, por muitos e longos anos.

 

No entanto, para finalizar, gostaria de deixar uma sugestão irónica para acabar de vez com um conflito que em conjunto com muitos outros no Médio Oriente e Ásia Central se apresenta como potencialmente desestabilizador da ordem internacional, sugestão essa que já há uns tempos tinha lido algures e que não é, portanto, originalmente minha: porque é que os Estados Unidos não dão aos Israelitas um estadozeco qualquer e deixam-nos ser independentes? Aliás não são também os Estados Unidos também propagandeados  como a "terra prometida"?

publicado às 13:58






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds