Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cada vez que oiço ou leio

por Eduardo F., em 23.11.11

que é preciso que "a Política se sobreponha aos mercados", ocorre-me imaginar a figura que alguém faria se reclamasse sobrepor alguma coisa às leis da gravidade. Talvez algo como isto:

 

Imagem retirada daqui

publicado às 22:59

9 em cada 10 estrelas (2)

por Eduardo F., em 20.11.11

Espraiando a sua incomensurável vaidade e não menor domínio em matérias económicas, Carrilho recorre à técnica das 9 em cada 10 estrelas (realces meus):

J. M. Keynes
É incompreensível(...) que Pedro Passos Coelho tenha proferido as confusas, inexactas e sobretudo contraproducentes declarações que fez sobre a "missão" do Banco Central Europeu, porque a Europa precisa de facto que o BCE passe a actuar como um banco central normal, que tenha em conta o interesse de todos os europeus e não apenas os traumas históricos da Alemanha. Só este passo - defendido por consagrados economistas como, por exemplo, P. Krugman1, J. P. Fitoussi2, P. de G[r]auwe3, B. Eichengreen4, O. Blanchard5, C. Wyplosz6, K. Rogoff7, J. Attali8 ou J. Sachs9- tornará viáveis e eficazes as outras medidas já decididas, nomeadamente o "pacote legislativo" e o "semestre europeu", e permitirá abrir espaço para a definição de uma nova estratégia global, económica e política, da Europa no mundo. De uma estratégia que esteja à altura de uma União Europeia que ainda tem o PIB mais elevado do mundo (quase triplo do chinês) e continua a ser a primeira potência comercial do planeta. Se não for agora, será quando?

 

Manuel Maria Carrilho, "Sem plano, não vamos lá", 17-11-2011
___________________

Notas:

1 - Falando de Paul Krugman, mais palavras para quê?
2 - Jean Paul Fitoussi - Um título de um trabalho só por si suficiente para situar o autor - "Sustainability, income distribution, and natural resources: The two social crises".
3 - Paul de Grauwe - O seu axioma central é que o "Capitalism is characterized by booms and busts."
4 - Barry Eichengreen : segundo Ben Bernanke (ver Wikipedia), a tese de B. Eichgreen é que "[A] causa próxima da Grande Depressão se ficou a dever ao estruturalmente mal desenhado e pior gerido [sistema monetário conhecido por] padrão-ouro..."
5 - Oliver Blanchard - Actual economista-chefe do FMI. Mais um neo-keynesiano.
6 - Charles Wyplosz - Como em Maio de 2010 o próprio BCE violou os tratados [ao adquirir títulos da dívida soberana grega] [escreve Wyplosz na sua carta aberta ao presidente do Bundesbank] mais vale prosseguir na violação da lei do que "esperar" pela implosão da união. 7 - Keneth Rogoff - Um assumido neo-keynesiano que não nutre grandes simpatias pelas tiradas do Sumo Sacerdote, Krugman.

8 - Jacques Attali - Por exemplo: "[e]uropean leaders must act quickly. They should convene a new eurozone summit, which will finally take the necessary steps toward a federal Europe. And, until this comes into force after a vote by national parliaments the leaders should grant the ECB all powers including less orthodox ones, to defend the value of the euro and the liquidity of the banking system with whatever is at its disposal."

9 - Jeffrey Sachs - Recorrendo à Wikipedia, notamos que Sachs se notabilizou, nos últimos anos nas áreas de "climate change, disease control, and globalization, and is one of the world's leading experts on sustainable development."

publicado às 00:15

E Presto

por Eduardo F., em 18.11.11

 

Público: "Soares, que foi também deputado europeu, considerou que ninguém pode ter certezas sobre o futuro da Europa, mas sugeriu que alguns dos problemas ficariam resolvidos se o BCE passasse a emitir moeda. “O dinheiro circulava e não havia problema nenhum”, reforçou."

publicado às 11:25






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas