Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Cabralismo socrático

por João Pinto Bastos, em 26.10.13

 Há algumas constantes na política portuguesa, sobretudo neste regime diligentemente saído das torvas ideias de meia dúzia de jacobinos peralvilhos unidos a uma caterva de oficiais desoficializados, que irritam até um cego, surdo e mudo. Veja-se, por exemplo, o marketing rasteiro que ciranda em torno da figura acima retratada. Repare-se que o sobretido "engenheiro" esteve uma boa carrada de anos no poder, arruinando porfiadamente os portugueses, e, no fim, como prenda de tamanhos serviços, tem ao seu dispor a máquina mediática e parasitária dos grupelhos que vivem agachados à espera de um salvador que distribua mais alguns torrõezinhos de açúcar, parafraseando uma triste "notabilidade" do século XIX. É assim que se faz política na terra da República que produziu em 100 anos uma miríade de falências corrigidas a golpes de caixa forâneos. Sócrates, no fundo, não tem culpa. Como alguns antes dele, não passa de um sibarita ambicioso que não vê mais nada à frente a não ser o poder de aparecer e dizer "eu faço".  Não faz nada, como é evidente, a não ser que fazer seja, nos dias que correm, sinónimo de desfazer e destruir. Com tanta novilíngua por aí, não seria, pois, de surpreender que esta troca semântica fosse, de feito, uma realidade tangível. Mas deixando isso de lado, retornemos à desconstrução analítica da semana em que Sócrates foi alcandorado a uma espécie de astro de Hollywood, sem desprimor para os Pitts e Clooneys desta vida. As entrevistas concedidas na última semana, num derradeiro esforço de autopromoção, denotam, em última instância, que Sócrates vive imerso numa bolha indestrutível. Por mais que a realidade diga o contrário, o bastardo parisiense não entende nem conseguirá entender o juízo declinado pelos portugueses no já longínquo ano de 2011. O mais grave é que, nesta senda de ilusionismo mequetrefe, Sócrates tem tido o auxílio prestimoso das Ferreiras Alves do comentário e da "Lesboa" dos poderzinhos, que, em boa verdade, jamais seriam alguma coisa se não tivessem este género de prebostes a dar a cara. Há uns tempos atrás, não sem alguma razão, dei por mim a pensar que Sócrates é um émulo coevo da estultícia de Costa Cabral. Creio, cada vez mais, que tinha razão. Há, de facto, algo em Sócrates que traz à colação a figura de Costa Cabral. Com duas nuances: Cabral era infinitamente mais inteligente e arguto (não gosto do personagem, note-se), e não tinha, descontando alguns casos paradigmáticos, a imprensa a seus pés. Um mundo de diferenças, portanto. Sócrates vai trilhando dia a dia o seu caminho de azares com uma elite ensoberbecida que não aprende com a desgraça alheia. Que faça o seu proveito, é o que lhe desejo. Só espero, contudo, que não obtenha o aval do povo português para mais uma aventura de decretinices declamadas numa televisão perto de nós. O mundo mudou, e Sócrates terá, forçosamente, de aceitar a dureza dos factos tangíveis. É a lei da vida.

publicado às 15:50





Posts recentes


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas