Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



TVI: o canal do Panamá

por John Wolf, em 04.04.16

79298_main.jpg

 

O socialista João Cravinho deveria ter vergonha na cara. Quem protege? O modo como relativiza o escândalo The Panama Papers traz água no bico. Ao vivo e a cores na TVI tenta embrenhar o espectador mais incauto numa salada de condições técnicas, como se para afastar os holofotes de visados mais específicos. Traduzindo por miúdos, defende que a prática é comum e disseminada por esse mundo fora. Refere a legislação referente a offshores. Por outro lado, os jornalistas da praça deveriam aproveitar o élan para deixar de ser crianças, chamar nomes ao Correio da Manhã e passar ao ataque. Quero ver essa lista completa e não me contento com um Idalécio apenas. Venha de lá essa lavagem a jacto para pôr isto a limpo. Com consequências, claro está.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:14

Bloco Central?

por Nuno Castelo-Branco, em 29.04.09

 O país é domado por um grupo sem prestígio mas com poder (Baptista Bastos, Diário de Notícias, 29-4-2009).

 

É esta a melhor definição possível de alvitre por quem queira julgar a presente situação política portuguesa. 

 

Desfeitas as ilusões acerca da possibilidade de sair uma qualquer maioria absoluta nas próximas eleições parlamentares, os diversos agentes partidários ligados aos "rotativos", vão comentando antecipadamente todos os cenários possíveis.  Em qualquer democracia europeia cuja solidez é demonstrada pela normalidade do exercício das funções governativas por partidos minoritários no parlamento, a maioria absoluta é sempre um fim para as forças presentes na competição eleitoral. Não sendo possível  tal sucesso, é normal proceder-se aos arranjos que possibilitem a viabilização de uma solução governativa. Tal tem acontecido ao longo de décadas nas já "velhas democracias" do norte da Europa e até em Espanha, o recurso aos partidos menos expressivos tem mantido a estabilidade dos mandatos conferidos pelas urnas.  Na Alemanha - o dito motor da UE -, encontra-se em funções um governo de grande coligação CDU/SPD, demonstrando que para os momentos cruciais, dever-se-á recorrer àquilo a que durante a I Guerra Mundial, se chamava União Sagrada.

 

A situação política portuguesa encontra-se numa fase de vertiginoso declínio, acompanhando o péssimo desempenho económico. Os dois partidos que se têm revezado no poder, têm a obrigação moral de estabelecer os entendimentos necessários para enfrentar uma situação catastrófica que ameaça a sobrevivência do próprio regime.  Já não se trata da rotineira divisão tordesilhesca de cargos, prebendas e vaidades, mas sim da derradeira hipótese de contrariar a mortal descrença que corrói o país de lés a lés. 

 

Desta vez, João Cravinho parece ter razão, porque a continuação da estéril chicana partidocrática terá um fim abrupto e por todos já esperado. A quem interessa?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 12:20






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas