Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Espremedor de Seguro

por John Wolf, em 29.04.13

 

Todos conhecem aquela expressão; espremer para ver se sai alguma coisa? Pois acordei hoje com esta atitude positiva, crente no bom que existe na profundidade humana e propus-me a essa mesma tarefa. Torcer o António José Seguro para ver o que dali sai. Fui ao site do PS para tentar perceber de onde veio o secretário-geral e o que o habilita a ser o chefe de um governo nacional. Conforme todos podemos ler, lecciona no ensino superior, mas nem sequer tem um mestrado. Curioso? Pensava eu, que para exercer a docência, o grau de mestre era requerido. Corrijam-me se eu estiver enganado. Ah, já sei. Deve ser a tal coisa de créditos e méritos. Por ter tido um percurso brilhante, dispensa acreditações e diplomas. Peço perdão pelo lapso. Mas adiante, quero perceber os caminhos que os levam à Santa...Maria da Feira. Ok. Está tudo aqui, preto no branco. O António José Seguro tem um percurso invejável dentro do Partido Socialista. Não faltou às aulas em 31 anos e tem as quotas em dia, e recebeu um convite de António Guterres para Secretário de Estado-Adjunto do Primeiro-Ministro. E obra? Que projectos-lei assina? Que edifícios desenhou na sua terra? Que empresas de topo geriu com sucesso e conseguiu internacionalizar? E qual a tése do Mestrado que frequenta? Será que a dissertação se intitula; "Como chegar ao topo com nada"? Francamente!!!! Já espremi ao de leve esta não-laranja e nem um pingo de suor escorre da sua testa. O António José Seguro não tem nada de substantivo para oferecer. Concede alguns pensamentos absurdos que colidem com a dura realidade dos factos, e que servem de matéria-prima para artigos de opinião e blogs. O Seguro soa mesmo a secretário-geral de um estranho livro. Uma obra que tem gramática mas que não encerra mensagens válidas. O país precisa urgentemente de um substituto que saiba conduzir a oposição a apresentar uma alternativa de facto. Eu disso substituto? Ai!!! Corrijo-me, um substituto não!!! Porque seria a mesma coisa, sem utilidade aparente. O António José Seguro, que se diz próximo e entendedor dos anseios dos Portugueses, nunca esteve junto da população, na matança matinal do porco, na apanha da uva, na comunidade que até esquece o que é o poder. O rapaz nunca saiu do conforto da sua fortaleza partidária. Conhece as jogadas das torres da casa, mas isso não é Portugal. Presta a vassalagem devida, mas nunca o vimos dobrar a mola, com uma vassoura empenhada no país real. Este é o homem com rosto mas sem linhas na palma da mão. O candidato para reinvindicar seja o que for? Para rasgar as páginas vermelhas do memorando? Mais valia. Mais valia pegar na lista telefónica, nas brancas esquecidas, nas páginas, tapar os olhos com a venda de burro caro e atirar um dardo envenenado para escolher uma letra, um nome, um apelido, um líder. É este. Este não serve, decididamente. Pode verter lágrimas no auge de um congresso, mas isso espelha bem o que pensa de si. Que nunca imaginava chegar onde chegou, e comoveu com a masturbação política. E se o deixarem, afogar-nos-emos nas lágrimas que serão nossas.

publicado às 11:32





Posts recentes


Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas