Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Portugal, um imenso lar de terceira idade

por John Wolf, em 16.01.14

Penso que este é um excelente péssimo exemplo do modo como os sucessivos governos descuraram os idosos deste país. A alteração do valor da coima para o funcionamento de lares clandestinos tem implicações várias. Umas financeiras, outras relacionadas com a substância da actividade, e outras que devem ser entendidas no presente contexto económico e social de Portugal. Em primeiro lugar, mesmo que haja prevaricação e a prática do ilícito, quem sai a ganhar é o governo ao arrecadar multas de valor muito mais significativo. A decisão sancionatória assemelha-se ao agravamento de multas de trânsito. Não proíbe a circulação, mas afecta o movimento. Ou seja, a dimensão qualitativa nem sequer é posta em causa de um modo sério, o que implicaria, em última instância, o encerramento definitivo dos alegados lares de terceira idade. A mensagem que passa é a seguinte: "paga lá a multa e liga a máquina outra vez". Decerto que ninguém discordará que os lares ilegais desacreditam por completo uma sociedade, e demonstram como existem "traficantes de séniores", sem escrúpulos, dispostos a explorar seres humanos até à sua derradeira batida cardíaca. No entanto, referimo-nos apenas ao lado da oferta, e devemos arrastar para a conversa o conluio eticamente questionável de familiares, que tendo consciência perfeita da ilegalidade dos estabelecimentos, acabam por optar pela solução baratucha do sub-mundo, da máfia das noites em claro. Os valores praticados por estas "casas" não certificadas são irrisórios quando comparados com os preços praticados por lares autorizados - não admira que a canja parece águada e os lencóis estejam borrados. Contudo, existe ainda outra dimensão que ameaça o sector dos idosos. A austeridade que Portugal implementou, gerou e gerará efeitos na textura social do país. Por um lado, a falência das famílias coloca ainda mais pressão sobre os cuidados que os familiares de idade avançada merecem. As rendas mensais exigidas pela cama e roupa lavada não serão honradas, e, na escala qualitativa dos cuidados prestados, estes terão tendência a se tornar ainda mais precários e de qualidade totalmente inaceitável. Numa visão estrutural e de longo prazo, a baixa taxa de natalidade de Portugal significará o engrossar da faixa etária de idosos neste país. Ou seja, se não houver uma alteração dramática da actual situação económica e social do país, Portugal corre o risco de se tornar num imenso lar de terceira idade. Quanto à legalidade ou não dos lares, este aspecto tornar-se-á secundário e dispensável à luz de questões de vida ou morte, de sobrevivência. A decisão que acabam de anunciar, define, de um modo claro e inequívoco, a insensibilidade do governo em relação à situação particularmente dramática que o país atravessa. Esta decisão acelera o processo de putrefacção, e não concede um palmo de esperança àqueles que ainda não morreram completamente. É triste, é trágico. Não encontro a campa adequada para descrever o que não consigo imaginar.

publicado às 19:09






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas