Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Para que não haja discrepância no que diz respeito ao verdadeiro número de manifestantes, da próxima vez, cada um dos presentes deve munir-se de um aparelhómetro destes e proceder à contagem do número de almas.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 11:25

O silêncio dos indignados

por John Wolf, em 03.03.13

 

A propósito de Grândola Vila Morena, da manifestação do dia 2 de Março, de rouquidão política e o silêncio que também é uma forma de expressar.

 

"Now the Sirens have a still more fatal weapon than their song, namely their silence. And though admittedly such a thing has never happened, still it is conceivable that someone might possibly have escaped from their singing; but from their silence certainly never."

 

Franz Kafka, The Silence of the Sirens

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:18

o mar de gente

por José Maria Barcia, em 02.03.13

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:17

A Manifestação sem Rei nem roque

por Nuno Castelo-Branco, em 02.03.13

 

A última Manifestação Nacional digna desse nome, foi aquela que já há mais de uma década uniu os portugueses Por Timor. Existia um propósito, a vontade cumpriu-se e lado a lado, gente vestindo t-shirts com a foice e o martelo, estrelas, setinhas ou o símbolo da pátria coroada, fez ouvir a sua voz mundo fora. Eu estive presente.

 

As manifestações de hoje darão naquele Nada a que intimamente todos há muito se resignaram. É fácil explicar esta inevitabilidade.

 

Hoje desfila uma enorme manifestação Avenida abaixo. Tal como naquela outra antes mencionada, aí estão portugueses de todas as cores partidárias, exaustos pelo assalto estatal aos bolsos privados, enervados por promessas jamais cumpridas, exasperados pela falta de perspectivas e de um rumo que a todos garanta um futuro, mesmo que incerto. Sem o saberem, são gente conservadora, vivendo ainda a ilusão de um passado recente que fazia cair o crédito tão fácil como os óbolos que noutro tempo o Marquês de Fronteira atirou carruagem fora ao povo de uma Roma extasiada pela aparente opulência do Portugal de setecentos. Subsídios, abonos, deduções, férias pagas, natais, direitos a..., cortes e recortes, não consistem num programa que salve qualquer nação em apuros.

 

Em suma, daquela nada ameaçadora mole de gente sairia algo de tremendamente preocupante para a plutocracia dominante, se:

 

- Os manifestantes exigissem uma Outra Democracia alicerçada na liberdade de expressão e de reunião que já temos, mas organizada por um sistema eleitoral mais justo e próximo do eleitor, conhecendo este quem iria eleger.

 

- Os manifestantes reivindicassem um regime em que a política do interesse geral se sobreponha claramente ao financismo extorsinista da nomenklatura dominante. 

 

- Os manifestantes exigissem a imediata correcção da catastrófica adesão ao Euro, preparando-se atempadamente o país para o retomar de uma parte vital do exercício da soberania nacional. No aceitável rumo da consolidação das contas públicas, os manifestantes estão no pleno direito de imporem a sua vontade de não quererem Portugal dependente de um grupo muito restrito de países com uma agenda mundial que cerceia gravemente os interesses do Estado e da nação portuguesa.

 

- Os manifestantes claramente indicassem a urgente necessidade da revisão da organização autárquica, transformando o velho sonho municipalista numa realidade bem estudada e que devolva as regiões aos seus habitantes.

 

- Os manifestantes exigissem a rápida revisão de todos os planos de desenvolvimento económico num plano integrador que contemplasse a necessária salvaguarda das especificidades e aptidões das regiões, a defesa do património rural e histórico, a salvaguarda das nossas cidades.

 

- Os manifestantes impusessem a criminalização dos responsáveis pelos enganos, falsificações de contas, comissionismos, tráfico de influências e favoritismos partidistas, evasões financeiras, negócios ruinosos e depredação dos bens públicos. Deveriam exigir a urgente investigação do paradeiro de biliões extorquidos ao país e escondidos algures. 

 

- Os manifestantes indicassem a imediata revisão da Política Externa Portuguesa, exigindo ao poder político a aproximação aos países da esfera da lusofonia, não se limitando estas relações ao mero âmbito comercial, mas estabelecendo-se laços políticos integradores e que possibilitem a salvaguarda da independência nacional.

 

- Os manifestantes exigissem a imediata revisão da política de Defesa Nacional como fundamental esteio para a segurança dos interesses portugueses no Atlântico e no mundo.

 

- Os manifestante ditassem na rua a queda da 3ª República e do já longo período de mais de cem anos de abusos e desrespeito pela integridade histórica de Portugal.

 

- Fossem quais fossem as consequências na "Europa", os manifestantes perdessem todo o receio e apelassem abertamente às Forças Armadas, o eterno e derradeiro recurso para os momentos em que a dissolução do todo pátrio é iminente. As Forças Armadas Portuguesas devem hoje reparar aquilo que desgraçadamente não ousaram fazer na fatídica noite do 1º de Fevereiro de 1908.

 

Aferrando-se a folclores situacionistas, servindo involuntariamente este ou aquele agrupamento político-partidário e correspondente agenda sectária, entoando melancólicas canções que consagram a presente situação e nada apresentando como sólida e viável alternativa ao desastre que vivemos, quem desfila apenas diz "querer menos impostos" e ao mesmo tempo exige o impossível, ou seja, "mais Estado", mais poder para quem o controla e as sempre inevitáveis taxas em ininterrupta alta.  

 

Bem melhor fariam os manifestantes, se exaustivamente entoassem A Portuguesa e apenas A Portuguesa

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:41

2 de Março - mais do mesmo, não!

por John Wolf, em 02.03.13

 

Um passeio no parque. Onde estão as soluções? Onde está um programa alternativo ao governo e à oposição? É só bater? Não chega. O país precisa de muito mais. Foram tantas as oportunidades e não se vislumbra uma alternativa de construção que possa disputar as próximas eleições. E sabem porquê? Porque os próprios manifestantes não se entendem quanto a uma visão concertada. No meio destas marchas, assistimos às celebridades desta e daquela facção, na linha da frente para os seus 15 minutos de fama. O povo, muito antes de poder ordenar, tem de se organizar, num processo de depuração de baixo para cima, apresentando-se como nova força política. Se permanece no campo da reacção, será sempre um mero súbdito queixoso. Querem algo melhor? Então começem a organizar-se em torno desse ideal. Já chega de vozes roucas. Chegou o momento para demonstrar que há quem seja mais competente do que o governo e a lastimável oposição. Onde estão os representantes naturais, nascidos deste processo? Quem são? Quando darão um verdadeiro passo em frente?

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:26






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas