Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Maçonaria, metodologia e religião

por Samuel de Paiva Pires, em 10.01.12

 Algumas breves notas numa réplica 2 em 1 ao Corcunda:

 

1 – O individualismo metodológico está relacionado com o subjectivismo e partindo da área económica que postula a teoria subjectiva de valor, obviamente compreende que aos homens assiste a capacidade de conferir valor. Além do mais, o individualismo metodológico tem diversas correntes, as quais, genericamente, conforme sintetiza Kenneth Arrow, partem do pressuposto que todas as explicações devem ser feitas tendo como variável determinante as acções e reacções dos indivíduos, cuja interacção produz resultados que determinam, por exemplo, o funcionamento da economia e a alocação de recursos. O que não significa, portanto, que o individualismo metodológico descure as instituições, até porque entre as várias correntes deste existe precisamente uma fundamentada inicialmente por Popper e complementada posteriormente por Joseph Agassi que é o individualismo institucional. Eu nunca afirmei que os homens são desligados das instituições, apenas que estes são os únicos que verdadeiramente têm personalidade e capacidade de raciocínio moral.

 

2 – Também não disse que esse erro metodológico, de tomar a parte pelo todo, ou seja, realizar uma inferência cientificamente falsa, significava que se um padre fosse pedófilo, toda a Igreja seria. O que disse é que não se pode precisamente afirmar isso, pois é falso. Mas também é certo que se pode afirmar que há padres pedófilos. O que não faz com que todos sejam. O mesmo é dizer que, perante o caso com que nos deparamos na sociedade portuguesa, há maçons que alegadamente terão incorrido em práticas ilegais, o que não significa que outros maçons o tenham feito. Ademais, quanto a estas práticas, cabe ao Estado de Direito, nomeadamente ao Ministério Público, investigá-las e, caso se comprovem, condená-las. Porque nenhum indivíduo pode estar acima do Estado de Direito, muito menos os que são maçons, pois a tradição maçónica contribuiu precisamente para a criação, fundamentação e implementação do Estado de Direito.

 

3 – É errado dizer que a maçonaria se fundamenta na compreensão do Universo não-revelada, sem Graça. Isso acontece eventualmente na irregular, como pode não acontecer, visto que não é obrigatório. Já a maçonaria anglo-saxónica, regular, não só se fundamenta como obriga a que os maçons tenham uma religião revelada.

 

4 – Quanto ao resto, remeto para o artigo de Fernando Pessoa que já referi, salientando aqui apenas isto:

 

«(…) toda a Maçonaria gira, porém, em torno de uma só ideia - a tolerância; isto é, o não impor a alguém dogma nenhum, deixando-o pensar como entender. Por isso a Maçonaria não tem uma doutrina. Tudo quanto se chama "doutrina maçónica" são opiniões individuais de maçons, quer sobre a Ordem em si mesma, quer sobre as suas relações com o mundo profano. São diversíssimas: vão desde o panteísmo naturalista de Oswald Wirth até ao misticismo cristão de Athur Edward Waite, ambos eles tentando converter em doutrina o espírito da Ordem. As suas afirmações, porém, são simplesmente suas; a Maçonaria nada tem com elas. Ora o primeiro erro dos antimaçons consiste em tentar definir o espírito maçónico em geral pelas afirmações de maçons particulares, escolhidas ordinariamente com grande má-fé. O segundo erro dos antimaçons consiste em não querer ver que a Maçonaria, unida espiritualmente, está materialmente dividida, como já expliquei. A sua acção social varia de país para país, de momento histórico para momento histórico, em função das circunstâncias do meio e da época, que afectam a Maçonaria como afectam toda a gente. A sua acção social varia, dentro do mesmo país, de Obediência para Obediência, onde houver mais que uma, em virtude de divergências doutrinárias - as que provocaram a formação dessas Obediências distintas, pois, a haver entre elas acordo em tudo, estariam unidas. Segue de aqui que nenhum acto político ocasional de nenhuma Obediência pode ser levado à conta da Maçonaria em geral, ou até dessa Obediência particular, pois pode porvir, como em geral provém, de circunstâncias políticas de momento, que a Maçonaria não criou.» 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:43

Em tempos o Cardeal Manning afirmou que "todas as diferenças de opinião são teológicas no fundo". Eu arrisco-me a dizer que todas as diferenças de opinião são também epistemológicas e metodológicas, pelo que importa sempre religare, ou seja, voltar ao início, para perceber e validar qualquer construção teórica e conclusões posteriores. Não é possível passar da doxa para a episteme quando nos deixamos enredar em manuais de pronto-a-vestir ideológico, servidos como verdades absolutas, sem procurarmos saber quais as bases epistemológicas e metodológicas destes. Compreender isto é a chave para tornar o debate público em qualquer sociedade aberta minimamente racional e inteligível, diminuindo as possibilidades de acrimónia exagerada e expurgando o ruído de que normalmente enferma, que, na política, são essencialmente o resultado da hemiplegia moral de ser de esquerda ou de direita.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:17






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas