Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Basura

por João Quaresma, em 26.06.12

«A agência de classificação financeira Moody's reduziu nesta segunda-feira a nota da dívida de 28 bancos espanhóis e de dois emissores de crédito, após a decisão da Espanha de oficializar seu pedido de "ajuda financeira" à Europa para suas instituições financeiras. (...)

Ao argumentar sobre sua decisão, a Moody's afirmou que os bancos enfrentam crescentes perdas com os empréstimos imobiliários e que a redução da nota da dívida soberana da Espanha contribuiu para a queda das classificações.

Os problemas da Espanha "não apenas afetam a capacidade do governo de apoiar os bancos, como também influem nos perfis de crédito dos bancos", completou a agência de classificação de risco.

Entre os bancos afetados pela decisão da Moody's estão Banesto (de A3 a Baa3, três níveis), Banco Bilbao Vizcaya (também de A3 para Baa3), Bankia (de Baa3 para Ba2, dois níveis) e Santander (A3 a Baa2, dois níveis).

Outras instituições que veem suas notas reduzidas são Banco Popular Espanhol (A3 a Ba1, quatro níveis), Banco Sabadell (Baa1 a Ba1, três níveis), Unicaja (A3 a Ba1, quatro níveis) e CaixaBank (A3 a Baa3, três níveis).

No total, três instituições viram sua nota reduzida em um nível, 11 em dois níveis, dez em três níveis e seis em quatro, levando em conta os dois emissores de crédito.»

 

Como é que eles diziam há um ano? «Nós não somos Portugal». Pues que no.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 01:50

A agência americana esteve em "blackout" total

por Pedro Quartin Graça, em 11.07.11

"Ataque" deixa página da Moody's indisponível

Durante horas os lusos calaram os "gringos". Os americanos, entretanto, recuperaram o controle do seu site durante a noite. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 23:58

O corte de rating da Moody's e o jornalismo indígena

por Samuel de Paiva Pires, em 11.07.11

Aquando do recente corte de rating da Moody's ao estado português, aqui alertei que o melhor, em vez de se entrar em histeria, era ler o comunicado da Moody's para perceber que estávamos a ser um mero peão no jogo entre o que se passa em Bruxelas e Atenas. Não é muito difícil de entender, está lá no comunicado, bem explicitado. Mas o jornalismo indígena precisa que o Professor Marcelo o leia e verbalize na sua missa dominical na TVI para dar notícia disso nas parangonas dos jornais de referência - já depois da excelente entrevista de Vítor Bento na SIC Notícias onde alertou para o mesmo. Está certo. É mais fácil dar ouvidos a certos oráculos sacrossantos que apenas constatam o óbvio ou andar por aí a lançar petições patéticas do que fazer jornalismo a sério.   

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:10

A ler

por Samuel de Paiva Pires, em 10.07.11

A respeito da questão do corte de rating da Moody's ao estado português:

 

Da histeria à volta da Moody's (Carlos Guimarães Pinto)

 

Portugal no lixo (Luís Menezes Leitão)

 

Agência de rating europeia e outras ilusões (João Miranda)

 

O poder das rattings é filha... da regulação (Gabriel Silva)

 

E que tal se nos portássemos como adultos? A Moody's não disse mentira nenhuma (e até fomos nós que lhe pagámos para nos dizer a verdade) (Francisco Mendes da Silva)

Autoria e outros dados (tags, etc)

Tags:

publicado às 15:13

Site da Moody's hackeado por portugueses

por Samuel de Paiva Pires, em 07.07.11

Não deixa de ter uma certa piada. Ver aqui. Em baixo, fica a imagem para a posteridade:

 

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:21

Nesta guerra de surdos entre os que defendem a isenção e a capacidade analítica das famigeradas agências de rating, e os que nelas vêem projectados interesses mais ou menos obscuros, o melhor mesmo é ler a fonte de tanta indignação e perceber, como há tempos escrevia o Professor José Adelino Maltez, que "o nosso futuro se joga entre Bruxelas e Atenas", num tabuleiro político onde as agências de rating também interferem, embora a sua declarada preocupação seja essencialmente a salvaguarda de investidores privados, e onde quem está verdadeiramente em cheque é a União Europeia. Ora atentem neste parágrafo do comunicado da Moody's:

 

Although Portugal's Ba2 rating indicates a much lower risk of restructuring than Greece's Caa1 rating, the EU's evolving approach to providing official support is an important factor for Portugal because it implies a rising risk that private sector participation could become a precondition for additional rounds of official lending to Portugal in the future as well. This development is significant not only because it increases the economic risks facing current investors, but also because it may discourage new private sector lending going forward and reduce the likelihood that Portugal will soon be able to regain market access on sustainable terms.

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:37

Moody's no FB leaks

por Samuel de Paiva Pires, em 06.07.11

Bismarck utilizou uma guerra para unificar a Alemanha e os alemães. Este recente corte da Moody's parece estar a ter o mesmo efeito nos portugueses. Inimigo externo bem definido é sempre algo útiil a qualquer governo. Nem tudo é mau nesta história cada vez mais estranha das agências de rating. É preciso saber aproveitar com habilidade as oportunidades. Entretanto, valha-nos o humor do FB leaks que voltou a fazer uma aparição:

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:13






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds