Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Jerónimo de Sousa...

por Nuno Castelo-Branco, em 24.03.12

...desta vez estamos de acordo. A tal comissão parlamentar tresanda a ameaça partidocrática, ficando-se por aí e sem consequências de maior. O estardalhaço pê-ésse-deutico acerca de uma investigação beneditina às PPP rodoviárias, bem poderá significar mais um daqueles joguinhos de fazer encher o tempo de um Congresso sem pés nem cabeça, aproveitando para chantagear o comparsa antecedente na governança de S. Bento. Discurso após discurso, é o zero absoluto que este Partido há décadas significa, embora consiga fazer-se eleger! De todo aquele marceloso redemoinho de pequenos grandes interesses, há ainda que tomar nota do Menezes júnior - presunto sucessor do actual autarca de Gaia - que já vai dizendo umas, precisamente aquelas que envolvem o habitual esconde-esconde dos assuntos incómodos que encafifam dinheiro dos outros.

 

Tonitruante e fluente, Alberto João Jardim disse muitas verdades, num estranho discurso que saiu da boca de um homem que ao selvático capitalismo recorreu, utilizando-o nas suas obras e serviços públicos insulares. Agora acusa a plutocracia, devendo ter deixado babados de gozo os PC e  BE que decerto aguardaram pelo único momento alto do tal milionésimo Congresso do PSD. De facto, quem escute AJJ, poderá imaginar um enxerto de Cunhal  em Mussolini, tal a verve pós-capitalismo. O "pior" é que até estamos de acordo com o diagnóstico....

publicado às 21:16

O "bunga-bunga" italiano

por Nuno Castelo-Branco, em 12.12.11

Apesar das leis do Manifesto della Razza de 1938, Mussolini jamais se importou muito com a origem das suas numerosas amantes. Margherita Sarfatti era uma entusiasta do fascismo e com o Duce colaborou para que o Partido conquistasse o poder na Itália. Foi uma conhecida jornalista, socialite, crítica de arte, mecenas, coleccionista, amante de Mussolini e... judia.

 

No país do bunga-bunga berlusconiano, estourou mais uma notícia que para alguns poderá ser incómoda. Chegou a vez do esmiuçar da árvore genealógica de Clara Petacci, a famosa e derradeira amante do dirigente italiano. O Duce normalmente conviveu com os mais fiéis seguidores do nacional-socialismo do seu amigo Adolfo Hitler e tendo a sua amante como inseparável companheira, decerto Claretta bastas vezes se sentou à mesa, dançou e brindou com oficiais da SS. Nada de estranho, pois a Itália e a Alemanha eram aliadas no Eixo.

 

Por aquilo que agora se vai desvendando, Claretta também pertencia a uma das Tribos de Israel. Tal como a sua irmã Miriam

publicado às 13:37

Chandra Bose: o precursor da invasão de Goa

por Nuno Castelo-Branco, em 10.01.10

 

Chandra Bose com Adolfo Hitler, em Berlim.

 

Uma das lendas mais difundidas em Portugal, consiste na mistificação do complexo enredo político e geoestratégico que conduziria à invasão de Goa, Damão e Diu pela União Indiana (17-12-1961).  Condenada pela ONU, esta invasão ordenada pelo pacifista Nehru - o homem que conseguiu a proeza de malquistar a Índia com todos os países vizinhos -, obedecia aos pressupostos do movimento nacionalista indiano que nos anos 30 e 40 encontrava em Chandra Bose, o perfeito émulo dos ditadores da época, fossem eles o Fuehrer de Berlim, o Duce de Roma ou o Vozhd de Moscovo. 

 

Leia aqui, no Combustões

publicado às 12:48

Há 70 anos: a Albania italiana

por Nuno Castelo-Branco, em 10.04.09

 

 

Situada à entrada do Adriático, a Albânia consistiu num pomo de discórdia entre as duas potências regionais que no final do século XIX lutavam pela supremacia nos Balcãs ocidentais. A unificação italiana encontrou no Império austro-húngaro o intransponível rival que impediu a expansão do impetuoso novo reino em direcção a ambas as margens daquele mar. Embora vitoriosa na I Guerra Mundial, a Itália obteve escassas compensações territoriais e nos anos vinte, o governo de Mussolini iniciou uma política de intervenção económica na Albânia, complementada pelo apoio dado ao regime do rei Zog, estabelecimento de colonos italianos  e instrução das forças armadas de Tirana.

 

A formação do Eixo e a recusa de Zog em se submeter totalmente à suserania fascista, implicou a revisão da política de Roma na zona, desejosa em não ser vista como um mero apêndice de Berlim, cujo Reich se engrandecera com o Anschluss e anexação das áreas alemãs da Checoslováquia. A fragilidade da própria estrutura estatal albanesa ia sofrer uma reviravolta, quando o anúncio do próximo nascimento de um herdeiro ao trono de Zog, implicava para Mussolini, um previsível afastamento albanês da esfera de influência italiana.

 

Em 7 de Abril de 1939 e contra a vontade de Vítor Manuel III, o exército italiano desembarcou na Albânia e a 10 cessava toda a resistência. Recusando-se a servir como simples marioneta ao serviço de Mussolini, Zog abandonou o país, exilando-se em Londres. A consequência foi a sua deposição pelo parlamento albanês que ofereceu a coroa de Skandenberg ao monarca italiano. O desmembramento da Jugoslávia em 1941, engrandeceria o território com a anexação do Kosovo e de uma parte do Montenegro, numa situação com a qual encontramos hoje algum paralelo no actual conflito que opõe Tirana a Belgrado.

 

O fim da II Guerra Mundial coincidiu com o estabelecimento do regime comunista de Enver Hoxha.

 

Como irónica curiosidade, milhares de albaneses procuram hoje estabelecer-se no território italiano e segundo me dizia esta manhã por telefone o meu amigo Guido Russo, alguns ousam reivindicar os direitos de cidadania, decorrentes daquela já longínqua união estabelecida no período imediatamente anterior à guerra. 

 

 

*No video, o primeiro ministro albanês na cerimónia de entronização de Vítor Manuel III e de Helena do Montenegro como reis da Albânia (Palácio do Quirinal, Roma).

publicado às 11:16






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas