Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A reactivação da crise europeia

por Samuel de Paiva Pires, em 29.05.14

Viriato Soromenho-Marques, "Entre o abismo e o milagre":

 

"A expressão "terramoto" usada pelo primeiro-ministro francês Manuel Valls para classificar a vitória esmagadora da Frente Nacional de Marine le Pen em França não é uma metáfora. Apenas uma descrição realista. Atravessando o canal da Mancha em TGV, quem desembarcar na estação de Waterloo encontrará uma Grã-Bretanha onde o arqui-inimigo da União Europeia, Nigel Farage, líder do UKIP, encostou à rede os donos do sistema bipartidário que reina há muitas gerações na Velha Albion. Estas eleições europeias iniciaram uma reativação da crise europeia, com duas diferenças. Em primeiro lugar, a crise que até agora estava localizada essencialmente na periferia europeia (de Portugal até à Grécia) passou para o núcleo duro carolíngio do projeto europeu, para os países centrais da Declaração Schuman. Em segundo lugar, a crise que era capturada por um discurso dominantemente económico e financeiro vai agora traduzir-se numa linguagem política sobre o poder, os direitos, as instituições. Até que ponto é que o governo da chanceler Merkel percebe a mensagem que lhe está a ser enviada pelos novos e bizarros bárbaros do Ocidente? Será que ela perceberá que se persistir na atual "Europa alemã", baseada na austeridade, irá acelerar a destruição da própria ideia da unidade europeia, por muitos e dolorosos anos? Não basta dizer que importa criar emprego. É preciso rasgar o império do Tratado Orçamental, com o seu calendário de destruição económica e sofrimento social, sob pena de enlouquecer os europeus com o velho vírus da doença autoimune que, se não for combatido, acabará por incendiar a Europa."

publicado às 23:13

O homem que mudou a face da política no Reino Unido

por Pedro Quartin Graça, em 25.05.14

Nigel Farage

publicado às 11:09

O alerta de Nigel Farage

por Pedro Quartin Graça, em 17.04.14

publicado às 06:38

Com os resultados das eleições autárquicas do passado dia 3 de maio, em que os resultados lhe sorriram de feição, tenho obtido ganhos impressionantes, o líder do UKIP posicionou-se de forma muito séria para o nº 10 de Downing Street, a ponto de os seus concorrentes conservadores e trabalhistas quererem já excluí-lo dos debates que irão ter lugar. Veja-se aqui os resultados:

Labour 29%, Conservatives 25%, UKIP 23%, the Liberal Democrats 14%.

Análise - Foi o resultado mais baixo dos Conservadores desde 1982 e dos Liberal Democratas desde a sua fundação. Foi também a primeira vez que nenhum dos referidos três partidos alcançou 30% ou mais dos votos.

Se as eleições legislativas tivessem lugar hoje, as projecções apontariam para os seguintes resultados nacionais:

Labour 29%, Conservatives 26%, UKIP 22%, Liberal Democrats 13%.

Com a curta distância que separa os partidos em causa, Nigel Farage tem razões para sorrir. Nunca um partido no Reino Unido cresceu tanto desde a IIª Grande Guerra como o UKIP.

publicado às 07:44

"A União Europeia é o novo comunismo"

por Pedro Quartin Graça, em 24.04.13

publicado às 09:16

UKIP derrota Conservadores na eleição de Eastleigh

por Pedro Quartin Graça, em 05.03.13

O UKIP ficou em 2º lugar e derrotou o Partido Conservador de Cameron nas eleições de 1 de Março na circunscrição de Eastleigh, naquela que foi a continuação da enorme subida eleitoral (+24.20%) do partido de Nigel Farage e que culminará, supõe-se, com um muito expressivo resultado nas eleições para o Parlamento Europeu do ano que vem.

publicado às 12:38

Algumas verdades dobre o Euronobel

por João Quaresma, em 23.10.12

Uma das melhores intervenções de Nigel Farage. E repare-se na reacção da eurodeputada dos Verdes quando Farage diz (com toda a razão) que se existe paz na Europa desde 1945 isso se deve à NATO, não à UE.

publicado às 18:45

Nigel Farage denuncia projecto federal de Barroso

por Pedro Quartin Graça, em 24.09.12

No decorrer da UKIP 2012 Conference o líder do UKIP denunciou os planos para transformar, a curto prazo, a União Europeia num Estado Federal.

publicado às 18:52

Devíamos contratar este homem

por Nuno Castelo-Branco, em 03.03.12

Reparem bem no ar embaraçado de Barroso e dos seus colegas da Comissão. Reparem ainda melhor no conhecido alemão careca, de barbas e óculos que esfrega incomodamente o respectivo traseiro no cadeirão.

 

No Parlamento Europeu, não temos um único conviva português que nos convenha. Um único!

publicado às 11:55

Coisas simples que os europhiles não entendem

por Samuel de Paiva Pires, em 01.11.11

publicado às 13:25






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas