Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Buraco Negro, ou mais uma Campanha Alegre

por Nuno Castelo-Branco, em 18.06.09

 

 

Segundo consta, os foliões companheiros de clube de Manuel Alegre, pretendem coagir preventivamente o calendário das próximas eleições iegislativas, enviando um sério aviso à actual direcção socrática. Ameaçam lançar um novo partido que denominar-se-á Nova Esquerda, não querendo "ver perdido o capital de esperança" que a candidatura presidencial de Alegre significou. Precisamente, a palavra exacta deste imbróglio, é... capital, no sentido marxista do termo! Não se prevendo cedências a manifestações saudosistas e exteriores à férrea fidelidade ao actual secretário-geral, surgem aqueles que hoje ameaçados de exclusão das listas PS ao Parlamento, encontram assim um meio de perturbar o anunciado cerrar de fileiras que o primeiro-ministro corneteou. Estamos a ver a coisa: os conhecidos homens bons, amigos dos seus amigos, de frescas ideias, abertos à inovação propalada ainda há tão pouco tempo no Das Kapital, as companheiras, os companheiros, os voluntários da solidariedade e claro está, aqueles que sacrificam uma vida inteira, vivendo do rendoso pensar em outrem. É este o verdadeiro "capital" alegre, resumindo-se a uma mera questão gastronómica, ou melhor, de uma outra forma de conjugar o verbo enfardar.

 

Estamos a regressar ao período áureo dos movimentos "de esquerda" que pulularam como percevejos em enxerga podre logo após o 25 de Abril. Havia-os para todos os gostos e discutia-se fundamentalmente a importância da foice e do martelo estarem voltadas para a esquerda (PC) ou direita (LCI) da estrela ser cheia (PCP-ML, PRP-BR, MES, FSP, UEDS, PC de P, AOC) ou vazia (PC), da foice e martelo ostentarem uma bandeira vermelha (UDP) ou estarem inscritas no centro de uma estrela amarela (FEC-ML), etc, etc e etc. Dois deles, o PS e a FSP exibiam punhos e esta última,  dirigida por Manuel Serra - o "Manecas das Intentas" - até sugeria algo de gratificante mas publicamente indecente. Em conclusão, coisas importantes que não deixavam os revolucionários descansar na labuta dinamizadora e salvadora do porvir do proletariado.

 

Hoje, esta Nova Esquerda vai apresentar-se com novidades tão raras como um maior controlo do Estado sobre a economia, uma fiscalidade mais exigente (1), uma verdadeira política cultural (2), uma total abertura ao multiculturalismo (3), a liberalização do código penal (4) e outras medidas tão urgentes e inéditas quanto estas.

O arauto da Nova Esquerda diz ainda pretender mudar o sistema político, preenchendo o "buraco negro" existente no dito cujo. Deve certamente querer referir-se ao buraco terminal do sistema digestivo em que a 3ª república - imitando as duas anteriores -  se transformou. 

 

Fazem ainda um apelo à recolha de 5.000 assinaturas necessárias à legalização do partido. Contem com a minha, porque aficcionado das "mais amplas liberdades", defendo o princípio de quantos mais, melhor. A verdadeira e importante questão é saber se surgirão com uma estrela aberta ou fechada. Pode até ser um buraco aberto ou fechado...

 

(1) Lá vem a palavra de ordem "os ricos que paguem a crise!" Os tais ricos dos 750 Euros/mês, claro.

(2) Lá vêm novamente os friends - ou mais propriamente, les amis - ocupar em exclusividade os palheiros adstritos às funções intelectualizantes, algures nas granjas colectivas das fundações, universidades bibliotecas e EP's.

(3) Lá vêm os privilegiados contactos com os povos irmãozinhos da Venezuela, Equador, Bolívia, Nicarágua, Cuba, Coreia do Norte e porque não?!, do Irão. Com muita cantoria de intervenção subsidiada, ora essa!

(4) Lá vêm mais medidas protectoras das "vítimas da sociedade da decadente opressão do capitalismo neo-liberal", obrigadas a assaltar, traficar e a protegerem-se da "violência" policial.

 

Nota: o proclamado inspirador desta velha Nova Esquerda, deverá indisponibilizar-se para mais este trabalho de Hércules, até porque matreira, a direcção do PS já terá manifestado as necessárias garantias quanto à necessária e quotidiana ração calórica a conceder ao rebelde bardo.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:04






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas