Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Reputações e popularidade

por Samuel de Paiva Pires, em 14.07.12

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray:

 

«- ... todos os bons chapéus são feitos de nada.»
«- Como todas as boas reputações, Gladys - interrompeu Lorde Henrique. - Todo o efeito que produzimos gera-nos um inimigo. É preciso ser medíocre para ser popular.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 18:14

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray:

 

«Começou a perguntar a si mesmo se nós poderíamos um dia tornar a psicologia uma ciência tão absoluta que nos pudesse revelar as mais recônditas molas da vida. Com as noções de que dispúnhamos equivocámo-nos sempre a respeito de nós mesmos e raras vezes compreendíamos os outros. A experiência nenhum valor ético possuía. Era apenas o nome que os homens davam aos seus erros. Os moralistas haviam-na, em regra, considerado como um modo de advertência, haviam-lhe atribuído uma certa eficácia ética na formação do carácter, haviam-na exaltado como alguma coisa que nos ensinava o que devíamos seguir e nos mostrava o que devíamos evitar. Mas na experiência nenhuma força motriz existia. Era uma causa activa tao exígua como a própria consciência. A única coisa que ela deveras demonstrava era que o nosso futuro havia de ser o mesmo que o nosso passado, e que o pecado que nós uma vez havíamos cometido com repugnância o volveríamos a cometer muitas vezes, e com prazer.»

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:22

O segredo da vida

por Samuel de Paiva Pires, em 06.03.12

 

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray:

 

"- Não ouso, Sr. Gray. Ora, ela inventa-me chapéus. Lembra-se daquele que eu levei ao garden-party de Lady Hilstone? Não se lembra, mas é muito gentil em fingir que se lembra. Bem, foi ela quem os fez de nada. Todos os bons chapéus são feitos de nada.

- Como todas as boas reputações, Gladys – interrompeu Lorde Henrique. – Todo o efeito que produzimos gera-nos um inimigo. É preciso ser medíocre para ser popular.

- Não sucede assim com as mulheres – disse a duquesa, meneando a cabeça -; e são as mulheres que governam o mundo. Afianço-lhe que nós não podemos suportar as mediocridades. Nós, as mulheres, como diz alguém, amamos com os ouvidos, precisamente como vocês, os homens amam com os olhos… se é que alguma vez amam.

- Parece-me que nunca na realidade amam, Sr. Gray – respondeu a duquesa, num misto de ironia e de tristeza.

- Minha querida Gladys! – exclamou Lorde Henrique. – Como pode dizer isso? O romance vive pela repetição, e a repetição converte um apetite numa arte. Além disso, cada vez que a gente ama, é a única vez que jamais amou. A diferença de objecto não fragmenta a paixão: apenas a intensifica. Podemos ter na vida apenas uma grande experiência, e o segredo da vida é reproduzir essa experiência o maior número possível de vezes.

- Mesmo quando ela nos tenha ferido, Henrique? – perguntou a duquesa, após um momento de silêncio.

- Especialmente quando ela nos tenha ferido – respondeu Lorde Henrique."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 00:38

Da má língua

por Samuel de Paiva Pires, em 16.02.12

 

Oscar Wilde, O Retrato de Dorian Gray:

 

"- Os maridos das mulheres bonitas pertencem às classes criminosas – disse Lorde Henrique, sorvendo o seu vinho.

Lady Narborough bateu-lhe com o leque.

- Lorde Henrique, não me surpreende nada que o mundo diga que o senhor é muito mau.

- Mas que mundo é que diz isso? – perguntou Lorde Henrique, elevando as sobrancelhas. – Só se for o outro mundo… Com este estou eu nas melhores relações.

- Toda a gente que eu conheço diz que Lorde Henrique é muito mau – disse a velha dama abanando a cabeça.

Lorde Henrique pôs-se sério por alguns momentos.

- É perfeitamente monstruosa – disse, por fim – a maneira como hoje andam por trás das nossas costas a assacar-nos coisas que são inteira e absolutamente verdadeiras."

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:21






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas