Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



A "Otelaria" milionária

por Nuno Castelo-Branco, em 24.04.09

 

 

 Não o considero propriamente um "romântico" e, como pessimista empedernido, recuso uma visão romântica da história e, em especial, de Otelo. As FP-25, os negócios com Angola etc., etc. afastam qualquer tipo de "romantismo". Percebo que "camaradas de armas" o tivessem defendido enquanto tal. Isso, porém, não absolve Otelo de nada. Nem como homem, nem como o "herói nacional" que, em boa hora, a história que ele queria montar devolveu à procedência.

 

Portugal é um país onde o insólito se reveste de normalidade. O infeliz caso Otelo que teve agora como pretexto uma promoção para o periódico regresso ao palco do teatro de guignol em que a política nacional se transformou, é exemplar.

 

É uma certeza absoluta o facto de se lhe apontarem as qualidades organizadoras que ditaram o sucesso do golpe de Estado de 25 de Abril de 1974, compreendendo-se desta forma, a eterna gratidão daqueles que sucessivamente se vão revezando na cúpula do poder deste regime.  Nada temos a contestar, porque os factos falam por si.

 

Na vida dos povos, existem momentos em que um punhado de homens é capaz de façanhas que o bom senso desaconselharia, mas que beneficiando de uma por vezes fortuita conjuntura, ditam o sucesso de  uma iniciativa. Assim aconteceu em 1383, no 1º de Dezembro de 1640 e até no 3-5 de Outubro de 1910. A vitória surgiu devido a múltiplos factores, entre os quais o bafejar da sorte faz desabar o campo adversário, entorpecido pelo desmazelo perante o dever ou pela inércia da vontade. 

 

Otelo é um caso típico do aventureiro sem preparação que beneficiou daqueles raros momentos em que a liquidação de um estado de coisas, propicia uma até então improvável ascensão ao lugar cimeiro. A esquerda tem esse inegável talento para revestir o absurdo e o grotesco, com aquela aceitabilidade ditada pelo latente sentimentalismo das gentes simples que esquecidas de exorcismos, pagamento de promessas ou dolorosos rastejares pela fé, estão sempre dispostas a encontrar  "um homem simples e bom como nós". Esses homens bons e simples como todos os outros, têm dos negócios públicos aquela limitada visão imediatista das coisas, vogando ao sabor do momento e sobretudo, da inebriante experiência de pela primeira - e talvez derradeira - vez na vida, se sentirem no topo do mundo. Delegações que de longe os vêem saudar, cançonetas onde o seu nome é invocado, fotos distribuídas à guisa de piedosos ex-votos, dão-lhes aquela sensação de poder que finalmente poderá por si só, simplificar a vida de toda uma comunidade. Estes condottieri da época da televisão, são de tudo capazes. Reivindicando a condição de libertadores, desde cedo iniciam a perseguição a inimigos que apenas existem nas suas perturbadas mentes onde já se instalou aquela mania das grandezas que acabará por os perder. É a constante necessidade da fuga em frente, de fazer o outro sentir-se ameaçado por quem sendo tão perigoso, consegue o dom da invisibilidade. Passa-se então rapidamente para a fase das listas em branco onde o capricho ou a maldade vão inscrevendo nomes ao acaso, muitas das vezes pertencentes  a infelizes que sem o suspeitar, devem pagar agora velhas e esquecidas contas de pequenas ninharias. Chega o tempo dos espancamentos em pleno pátio da sede do novo poder militarizado, onde garotos de partidos "inimigos do povo" são regados com mangueiras de jardim, após o que, sofrem na carne  o espancamento ritual demonstrativo da coragem e força de quem manda.

Num plano mais elevado - o das decisões inadiáveis -, os novos iluminados podem tomar o lugar de Estado numa conferência, onde a vida e a morte de milhões é decidida sem um pestanejar ou uma hesitação que pelo menos indicasse uma réstia de humanidade ou compreensão pelo direito dos outros. Não. Julgam-se infalíveis e novos Salomões cujo ditado reflecte o novo querer de uma História que nem sequer começaram a conhecer. Com uma simples assinatura, liquidam séculos, destroem comunidades e afinidades que o tempo consagrou. Pouco se lhes importa que exista o sofrimento real, evidente nos rostos desesperados de quem num sempre curto momento, deve ser o bode expiatório que justifica a simples incúria, estupidez ou brutal crime.

 

A glória é transitória e o turbilhão que engole impérios e povos, inevitavelmente cria polos de oposição geralmente formada por aqueles que melhor preparados, sabem que o poder  lhes pertence pelo direito que deriva sobretudo, da melhor qualificação que os simples lhes  reconhecem.

Os impostores messias, alquebrados pelo revés de um trajecto para a imortalidade que julgavam garantido, optam pelos ínvios caminhos da conspiração que agrega todo o tipo de gente de mente retorcida e pronta para todos os excessos vingadores do seu derrotado projecto de domínio sobre os demais. É a época da eliminação física do inimigo até então anónimo, pouco importando se existe qualquer tipo de culpa - mesmo ideológica - ou verosimilhança de imputada ameaça. Se numa explosão ficar despedaçada uma criança, tal justificar-se-á com um argumento de condição de classe.  Se uma família se vir para sempre privada daquele que lhe dava o sustento, esse é o preço a pagar pelo mais alto interesse de um colectivo que apenas existe na imaginação de uma meia dúzia de loucos homicidas. Crimes de lesa-pátria ou de sangue, são apenas meros recursos ditados pela momentânea e justificada necessidade.

 

Na Alemanha, um grupo terrorista como o Baader-Meinhof tem como fatal destino, a espera pelo fim da passagem dos seus membros pela Terra, dentro de estreitas celas prisionais, onde o silêncio e a frugalidade do dia a dia, são a contrapartida que a decência do "inimigo" lhes oferece, preservando contudo a vida daqueles que tantos outros mataram. 

 

Em Portugal, encontra-se sempre um rasto de nojo romântico que nos conduz ao aparentemente regenerado malfeitor. Pode assim negociar à vontade, fazer a sua nem sempre anónima vidinha de classe média e ainda uma vez por ano, sorver a plenos pulmões, aquele oxigénio que noutros tempos lhe deu a ilusão de imaginada grandeza. É esta a pequenez de quem tão injustamente decide, em prejuízo da honorabilidade de uma nação inteira. Ontem foi Otelo, mas o futuro poderá reservar-nos um outro tolo com veleidades a Macbeth.


Ouçam com atenção a conversa destes patriotas de conferência hoteleira. Vale a pena.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 17:16





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds