Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O snobismo do Portugalório doutorado

por João Pinto Bastos, em 18.09.13

 

 

Artigo originalmente publicado na edição n.º 57 do Jornal da Juventude Popular da Maia, "O Jovem":

 

Os recentes desenvolvimentos da política portuguesa trouxeram novamente à liça, ainda que sub-repticiamente, o duradouro problema do snobismo social das nossas elites. Em quê, perguntarão, e bem, os caríssimos leitores. A resposta é simples: no desprezo olímpico a que foi votado um governante que, com ou sem um talante político de nomeada, ousou trespassar o consenso do doutorismo pátrio. Falo, pois, de Álvaro Santos Pereira. Durante dois anos, com uma inalterada paciência de Job, o ex-ministro da economia foi trilhando o seu caminho, tentando reformar o que, amiudadas vezes, parece totalmente irreformável. Alçou a sua voz face aos grandes potentados neo-feudais que vivem das rendas públicas, redefinindo, em simultâneo, ainda que com alguma parcimónia, a relação dos poderes públicos com a economia privada. Mas a grande inovação que Álvaro Santos Pereira trouxe à política portuguesa foi, indubitavelmente, o seu despojamento relativamente à ética doutorista que permeia as elites do regime. Ao pedir para ser tratado apenas por “Álvaro”, o ex-ministro da economia concitou contra si o que há de pior nesta República gasta e caduca: o vício esparvoado do título académico. O caso de Álvaro Santos Pereira é sintomático sobretudo pelo facto de as elites amesendadas no Estado português, e que têm governado o país nas últimas décadas, não aceitarem reinvenções de trato pessoal que impliquem uma certa igualização no modo como são encarados os titulares de determinados cargos. O atraso e provincianismo do Portugal democrático desvela-se, em grande medida, nesta pecha cultural, que percorre, com uma certa toada à la “Ancien Régime”, todos os estratos sociais da sociedade portuguesa, não deixando incólume um único recanto da alma nacional. O título académico serve de feição aos interesses reputacionais dos Cresos milionários das nossas elites, pois, sem esse pedacinho de papel com o “doutor” bem garatujado, o tão almejado prestígio social seria um pesaroso quebra-cabeças, cujo desfecho tenderia a ser, necessariamente, a inclemente zombaria dos pares. Para o Zé povinho, o título académico serve um propósito de ascensão social, temperado pela ideia de que só existe, socialmente falando, quem é “doutor”. Não importa, pois, se um indivíduo sabe ler, contar, raciocinar ou discretear sobre o estado do céu, o crescimento da economia, os dotes pictóricos do Mestre da Lourinhã, ou as amantes de Júlio César. O que realmente interessa aos preconizadores deste caldo cultural snob e pseudo-ilustrado é a ideia, ingénua e torpe, de que a diferenciação social depende, fundamentalmente, do título académico. A democracia, enquanto regime das massas, ajuda a entender, numa pequeníssima porção, a influência desta mentalidade castradora, porém, na verdade, o mal do snobismo não nasceu com esta III República desrepublicanizada. O zângão do doutorismo tem, infelizmente, um largo arraigo no nosso país, atravessando regimes, guerras, divisões e uniões esporádicas. O que os últimos 30 anos trouxeram foi, sem dúvida nenhuma, o empolamento exacerbado deste vício, levando a que uma classe média em crescimento contínuo encarasse o carimbo do “doutor” como a oportunidade de uma vida. A geração mais qualificada de sempre, fruto de uma democracia jovem formada nos preconceitos de uma esquerda reaccionária, é, com grande probabilidade, a mais ignara nos preceitos básicos da etiqueta e da boa educação. A educação não nasce no “doutor” ou no respeitinho por quem põe e dispõe do pão e do verbo. O que distingue um ser humano de uma besta quadrada com doutor aposto antes do José ou Estanislau é a dignidade e a honra, e essas nascem do trabalho diário, da labuta constante, e do esforço interminável de cada dia. Estes predicados parecem, aos olhos de hoje, um tanto ou quanto apartados do ar do tempo, mas são eles que fazem a dignidade de cada ser humano, não o facilitismo do título. Em Portugal, vive-se ainda na peçonhenta ilusão de que a fronteira do desenvolvimento só se ultrapassará com a ajuda prestimosa do vírus da doutorite aguda, descurando, em nome da massificação do doutorismo, a qualidade e o mérito. O preço desta incúria está a ser pago, com língua de palmo, por todos os portugueses. O caso do “Álvaro” foi apenas e tão-só mais uma centelha num mato que arde todos os dias, descontrolada e desapiedadamente, com o silêncio desgarrado de um povo alienado pela balbúrdia moral, sem que haja uma só alma que se apreste a debelar o incêndio dos nossos valores. É nestes momentos que me vem à memória uma das sentenças mais infelizes de Descartes, que dizia, na abertura do seu “Discurso do Método”, que o bom senso é a coisa do mundo mais bem distribuída. Lamento profundamente que o matemático francês não tenha incluído na sua análise filosófica as particularidades psicológicas e sociológicas do povo português, pois, caso o tivesse feito, certamente teria escrito que o bom senso é a coisa do mundo pior distribuída. Basta olhar para a doutorite aguda do povoléu lusitano.

 

Publicado aqui

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:36






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas