Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



O Dia depois de Amanhã

por Fernando Melro dos Santos, em 17.10.13

Hoje apetecia-me escrever um post redux, galvanizado pela recém-largada bojarda de Atenas que diz que diz que diz não à Troika, mas sem recalcitrar além da razoabilidade nos pormenores sangrentos daquilo para que estão guardadas duas gerações de portuguesitos amorfizados.

 

Façamos a coisa a três tempos - passado, presente e futuro.

 

No passado, há meros vinte anos, o essencial à subsistência de qualquer lar era produzido em Portugal, e por isso acessível a grande parte das famílias.

 

Enquanto petiz, os extremos dos meus dias eram passados testemunhando o desenrolar de vidas activas - pessoas a quem, directa ou indirectamente, era dado produzir e participar no circuito de distribuição daquilo que era produzido. E havia lugar para todos, ou pelo menos para os melhores. Era um mix de selecção natural, empreendedorismo, comunidade e família. Respirava-se no quotidiano, com saúde mental, e a venda de antidepressivos e ansiolíticos encontrava-se em mínimos históricos. 

 

Também nesse mesmo passado, o acessório era devidamente enquadrado como tal, e qualquer das gerações então coexistentes sabia como coadunar o seu modo de vida no âmbito do imediato com as aspirações a médio e longo prazo.

 

As pessoas faziam o que tinham de fazer por si mesmas, sem que para tal fosse imperativa a consignação de quaisquer estipêndios financeiros, autorizações e certificados, ou autocolantes coloridos por parte do Estado. Não consta que houvesse mais ou piores acidentes de trabalho, ou que grassasse a peste bubónica entre os veraneantes na Caparica. Um homem era um homem, uma mulher uma mulher, um aluno aprendia, e a cor da pele de um assaltante (que deixava de ser jovem com a mesma idade dos restantes cidadãos), era legível nos jornais, até mesmo no Público.

 

Depois foi dito aos portuguesitos, tendo por base a permutação do essencial pelo acessório, que as inúmeras e suculentas prebendas materiais disponíveis nos outros países, os sérios e trabalhadores onde a lucidez e a previdência imperavam, podiam ser suas bastando para tal que ingressassem, de mãos dadas em concupiscência com a classe política (à qual poderiam até pertencer, senhores!, pertencer como os marqueses de antanho) num lento e inexorável suicídio a longuíssimo termo.

 

Dando ao desbarato os valores, princípios, orientações, instintos e ofícios - afinal, a súmula da Tradição - que fizera de Portugal um país funcional, assim se quis o provincianismo sob uma capa cosmopolita, a boçalidade coberta a casquinha dourada, o chico-espertismo nepótico e tentacular que a tudo e todos emaranhou - dos antros degenerescentes de deseducação neurótica e ignara, aos veros corredores da morte que são hoje os hospitais, da incapacidade policial ao apurado esbulho fiscal - no deslumbramento pago por trinta óbulos da nova moeda comunitária.

 

Da lama mais vil fizeram-se doutores e engenheiros, e até nulidades impróprias para servir à mesa no Ruanda se viram catapultados para a cúpula da cópula sedeada em Bruxelas. Fim do primeiro acto.

 

O presente, no nosso país, é como a mole protoplásmica do caldo primevo onde a vida deu os primeiros passos. Vive-se de cabeça bem afogada na turfa mais densa que for possível achar, e foge-se do espelho, a pavor, como se o embate com o próprio reflexo invocasse o ónus vesicante de trinta e nove anos de votos vendidos a troco de migalhas.

 

É-se crianço anafado em ambiente hermético e isento de traumas (as árvores não que arranham, os professores não que ralham, as notícias não que cansam a cabecinha), como se todo o mundo até à vetustez da meia-idade fosse uma extensão do ventre materno, e a sociedade o líquido amniótico que expia os recalcamentos dos paizinhos, ébrios do conforto a crédito e da homogeneização pelo denominador mais baixo.

 

A mediocridade dita o cair do pano ao término do penúltimo acto.

 

E vai ser um futuro simples, resta dizê-lo. A impossibilidade de esmifrar mais sem que suceda algo realmente grave, a saída do euro, ou o Anticristo de Alcochete - cedo ou tarde o recibo cai na mesa com juros e correcção monetária, para quem ainda se lembra do que isto significa.

 

Vai ser bonito de se ver, agradável, macio, pitoresco, e um regalo para os justos (Mat 5:6) quando o acessório, da noite para o dia, novamente custar dez vezes mais do que hoje, pois que nada cá é produzido e sim tudo importado, usado, descartado e readquirido como se não vivêssemos sob um sistema mais diáfano e frágil que as asas de um beija-flor; e o essencial, com a mesma celeridade, desaparecer das prateleiras, pois que está na natureza do lusitano, uma vez ameaçado, rapar como um sevandija faminto toda a esperança do seu semelhante, só porque sim.

 

As súcias de instalados dentro e à sombra do Estado, ao debandar perante a quebra da urdidura, deixarão entrever por entre as costuras esgaçadas a real dimensão da Besta que sufrágio após sufrágio cada um de vós, pequenos Judas, ajudou a amamentar, mesmo aqueles cuja "única" culpa é a da complacência para com o estupro das gerações que já se foram, e das que virão.

 

É todo um novo campeonato: esqueçam o terrorismo de Estado, em Portugal tivemos o terrorismo de Eleitorado. Acaba-se a guita, acaba-se o móbil, reverte-se ao estado de energia mínima. Eu assim por alto atiro para os níveis de vida que tínhamos em 1982, 1983. Por alto.

 

Estou em crer que o posfácio desta peça há-de entrar para os anais da História, um marco Histórico, como é moda ser propalado pelo aparelho de propaganda que Soares montou, Sócrates aprimorou, e os imberbes de hoje aproveitam.

 

Acta est Fabula. 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 19:42





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas


    subscrever feeds