Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Eu julgava que íamos privatizar empresas

por Samuel de Paiva Pires, em 05.12.12

Não vendê-las a governos de outros países. O que é ainda mais gravoso quando se trata do sector da comunicação social e o governo desse outro país tem um entendimento peculiar quanto à liberdade de expressão.

publicado às 02:54

Uma das lições básicas das Ciências Sociais, pela qual passa em grande medida a refutação do cientismo, é a de que a realidade social não é um laboratório, ou seja, não é possível utilizar o método experimental, pelo que não se pode decalcar o método científico das Ciências Naturais. Claro que a Ciência Política não foge à regra. Mas eu estou em crer que esta lição está cada vez mais desactualizada. Possivelmente, tratar-se-á de uma inovação realizada pela Relvas School of Political ScienceQue o diga António Borges. Mas deixando de lado a hipótese de os cientistas políticos poderem ver-se na iminência de terem que rever os seus métodos de análise, o que fica mesmo da abordagem experimental à praxis política, operada nos últimos dias a respeito da privatização da RTP, é um amadorismo sofrível. Eu preferia manter intacta a lição e que fôssemos poupados a trapalhadas que os spinners de serviço na blogosfera e no Facebook lá vão tentando disfarçar - mal, porque amadoramente, o que não deixa de estar em sintonia com o governo. Infelizmente, os politiqueiros parecem preferir a opção contrária.

publicado às 00:08

Descubra as diferenças

por Samuel de Paiva Pires, em 26.08.12

Programa Eleitoral do PSD para as eleições legislativas de 2011, p. 161:

 

«No entender do PSD, a RTP deve concentrar-se, logo que possível, num novo modelo de gestão exclusivamente orientado para o serviço público, com vista a reduzir o actual nível de financiamento público, nomeadamente as indemnizações compensatórias. Nesse sentido, ir-se-á proceder, em momento oportuno, à alienação ao sector privado de um dos canais públicos comerciais actuais. Quanto ao outro canal, hoje comercial, ficará na esfera pública e será essencialmente orientado para um novo conceito de serviço público.»

 

Programa do XIX Governo Constitucional, p. 98:

 

«O Grupo RTP deverá ser reestruturado de maneira a obter-se a uma forte contenção de custos operacionais já em 2012 criando, assim, condições tanto para a redução significativa do esforço financeiro dos contribuintes quanto para o processo de privatização. Este incluirá a privatização de um dos canais públicos a ser concretizada oportunamente e em modelo a definir face às condições de mercado. O outro canal, assim como o acervo de memória, a RTP Internacional e a RTP África serão essencialmente orientados para assegurar o serviço público.»

 

Do que se sabe até ao momento, numa trapalhada a que até o Ministro da Defesa se junta, a RTP2 irá simplesmente fechar e a RTP1 será concessionada, mantendo-se a taxa de audiovisual na factura da electricidade, que será entregue ao concessionário. Para além de ser conveniente salientar que uma concessão não é uma privatização, talvez Aguiar-Branco e demais colegas de governo devessem dar uma vista de olhos no Programa de Governo que apresentaram aos portugueses.

publicado às 00:19

RTP a debate

por Ana Firmo Ferreira, em 21.11.11

 

 

É já dentro de cerca de meia hora que o DN convida os seus leitores a participarem no debate sobre o futuro da RTP.

 

Eu proponho iniciar o debate já aqui - se bem que penso que não existe muito para debater.

 

É simples, não existe dinheiro para manter a RTP - já para não falar que não faz sentido nenhum um estado ter uma televisão própria - no período que atravessamos não existe dinheiro para desperdiçar numa tv que se diz de serviço público (o programa do Granger ou as telenovelas mexicanas?!? não são consideradas serviço público).

 

O único formato que é suportável em termos de budget, é um formato como a RTP2, um formato low-cost, que faz todo o sentido do ponto de vista cultural e que realmente acrescenta algo.

 

E até que ponto faz sentido existir uma RTPN, suportada pelo estado, quando temos a SIC noticias ou a TVI24?

 

Privatizar, para não eliminar, talvez seja o melhor caminho.

 

publicado às 17:24

Frases que impõem respeito

por Samuel de Paiva Pires, em 26.10.11

«Para o social-democrata [Pinto Balsemão], quando se fala de privatizar a RTP e por em causa o sector, "é o funcionamento da democracia portuguesa que está em causa".»

 

E, como tal, os contribuintes têm que pagar uma televisão pública cujo principal canal é uma anedota, desta forma subsidiando indirectamente as receitas do Grupo Impresa e afins? Bela noção de democracia a deste Conselheiro de Estado. O problema revela-se ainda mais grave quando o governo é conivente com esta visão. Há que agradecer a Pinto Balsemão a honestidade e o contributo para evidenciar mais uma vez que em Portugal o que temos é uma economia privada sem uma economia de mercado e que muitos empresários gostam da concorrência desde que não seja no seu sector.

publicado às 14:14

Ainda a privatização da RTP

por Samuel de Paiva Pires, em 28.09.11

Bem a propósito da questão da privatização da RTP (entre outras), uma passagem de Chandran Kukathas (Hayek and Modern Liberalism) que deveria estar sedimentada em muitas mentes: "São as regras e não os indivíduos que governam que asseguram a segurança e a liberdade da sociedade". Enquanto a personalização do poder fizer escola e o regime não se institucionalizar devidamente por via de uma autêntica separação de poderes, e enquanto nesta quinta uns animais forem mais iguais que outros, não sendo as regras para cumprir por todos, vamos continuar a bambolear entre o centrão do vira o disco e toca o mesmo sempre propenso ao clássico erro da suprema arrogância de pensar que se é melhor que os outros na arte da desgovernação, e que por isso "agora sim isto vai funcionar". Convém relembrar Lord Acton (Lectures on Modern History), embora infelizmente a maioria dos desgovernantes não tenha memória, ou faça por não a ter: "The science of politics is the one science that is deposited by the stream of history, like the grains of gold in the sand of a river; and the knowledge of the past, the record of truths revealed by experience, is eminently practical, as an instrument of action and a power that goes to making the future."

publicado às 01:32

A Ongoing e a privatização da RTP

por Samuel de Paiva Pires, em 06.09.11

O Fernando Moreira de Sá elucida no Aventar certa teoria da conspiração que por aí corre. Mas o mais interessante é mesmo o artigo que assina hoje no DN Nuno Vasconcellos, Presidente e CEO da Ongoing (aquela empresa que ninguém sabe muito bem o que faz, mas que está preparada para tudo, como há dias noticiava o Inimigo Público), que nos diz algo que deveria ser claro nas mentes de muita gente.

 

publicado às 13:11






Arquivo

  1. 2020
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2019
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2018
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2017
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2016
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2015
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2014
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2013
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2012
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2011
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2010
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2009
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2008
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D
  170. 2007
  171. J
  172. F
  173. M
  174. A
  175. M
  176. J
  177. J
  178. A
  179. S
  180. O
  181. N
  182. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas