Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Bricolage e Corrupção em Portugal

por John Wolf, em 05.02.13

 

Como é o provérbio? De Espanha nem bons ventos nem bons casamentos? E a corrupção? Se Portugal vive na sombra da economia de Espanha, então poderemos assumir que a prática de ilícitos que cobrem as manchetes dos jornais desse país, também se aplica a Portugal. Ao longo dos anos assistimos a um conjunto de operações de fachada levada a cabo por parlamentares para dar ares de um efectivo empenhamento na luta contra a corrupção. Mas parece que não passa de um artifício para ganhar tempo, para afastar aqueles que procuram agitar as águas. Se nada é mexido de um modo consequente, se nenhum político transforma esta missão na causa da sua vida, é porque há apenas uma explicação. Estão todos metidos ao barulho. E há diversos modos de praticar a modalidade. Como agente activo, como mediador, como receptador ou como arquivista que faz desaparecer as pastas. Não nos restringemos à disciplina clássica de dinheiro passado debaixo da mesa, ao pagamento a pronto a políticos. Há uma outra forma de influência e dissuasão que roça a prostituição. Refiro-me à corrupção imaterial que contagia as artes e letras, a academia e a cultura. A troca de favores entre membros de um clube de vantagens. Compensações desfasadas no tempo, que sugam o prestígio efectivo, o valor de anónimos verticais, gente desconhecida que acredita no seu esforço. Produzo estas afirmações porque não tenho telhados de vidro e já fui preterido por não reunir as condições requeridas. Prefiro o caminho do mérito ou demérito e nunca ficar a dever nada. Durmo descansado com as oportunidades geradas que se alicerçam no princípio de integridade. Não me espanta que o talento Português, desprovido de pergaminhos familiares e tios em lugares de influência, faça as malas e rume a outros destinos. Um país que normaliza a concessão de privilégios a amigos e maus pagadores, é um país que torna o futuro num inimigo, em falência certa. Um país que mata a ideia de entrevista ou torna os castings num erro permanente compromete-se por várias gerações. Mas regressemos à corrupção e ao trabalho inacabado. Em que estado se encontram todos os processos de corrupção que supostamente a Justiça Portuguesa deveria sentenciar e arrumar de uma vez por todas? Será que este país não passa de uma fase instrutória? Será que a suspeição leva a melhor sobre a condenação? Estou zangado, sim senhor. Porque observo o flagelo de uma outra espécie de corrupção. Uma corrupção que vibra na sociedade civil, mas que é designada de um modo diminutivo para parecer menos danosa - jeitinho, ajudinha, favorzinho, mãozinha, paciênciazinha -, quando na realidade é fatal para um país corroído pela cunha que fecha as portas àqueles de direito, os bons e honrados, os trabalhadores vindos da penúria ao encontro da recompensa merecida. E as desculpas que apresentam são muito fracas. O self-made man foi trucidado pela bactéria que procura atalhos para dissimular a mediocridade. Porque é disso que se trata. O reles que destrona o cidadão recto e que procura passar despercebido anos a fio, a vida toda se tiver sorte. Penso que chegou o momento para virar a casa ao avesso. O silêncio de muitos diz tanto...

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 10:40

Southern Comfort

por Fernando Melro dos Santos, em 17.09.12

Boa noite a todos.

 

Se eu tivesse que resumir, para um estrangeiro ou para um extraterrestre, a condição vigente em Portugal, diria apenas "irreversível". Tão só.

 

Com tal confiança o digo, que somente o filme homónimo de Gaspar Noé, com o seu retrato hiper-realista das mais vis e animalescas vivências - da suma entrega à desesperança - consegue fornecer-me uma referência cinematográfica que aluda convenientemente à repulsa que me acomete quando interiorizo em que ponto, afinal, nos encontramos.

 

Com vossa licença, carrearia para o início deste meu primeiro despautério uma citação, datada de hoje, emanada pelo edil da capital:

 

"É uma situação inesperada. Como a rotunda exterior dá para todas as saídas e as pessoas têm medo de se enganar, estão a ir para essa."

 

E aqui se encerra mais do que à vista é dado destrinçar. Senão vejamos, passe o trocadilho infame.

 

Há uma situação inesperada que ocorre logo no primeiro dia em que exequenda obra é posta à prova. Ninguém é inquirido, e ainda menos punido, mas mais grave, voz alguma se eleva. Porquê? Porque "bacalhau basta". Pode ser por isto, pela atávica necessidade de atender à voz do dono, ainda que os desmandos deste se resumam a exigir contínua, perene, passiva, bovinidade. Pode ser por isto, de facto.

 

Mas ao autarca pode ter fugido, por atavismo de igual porte, a boca para a verdade. As pessoas têm medo.

 

E o maior pavor, tal como o sonho da razão produz monstros, é que seja esta a verdade. Que as pessoas, na verdade, nunca tenham deixado de ter medo, diluindo uma forma de despotismo noutra, nova, tanto ou mais brutal que a anterior, certamente mais insidiosa e torpe, acoitada na aleivosia de quem se faz, há 38 anos, eleger em nome de um bem comum que reiteradamente só a alguns beneficia , e isto às custas de todos - com a inclusão, à revelia, de nascituros e "voluntariamente interrompidos".

 

Contudo, manda a curiosidade, motor para o Mal e para o Bem de todas as transgressões do Homem, que se aclare esta noção de irrevogabilidade.

 

Crime. O sistema de justiça, pilar primeiro de um Estado de Direito, deixou-se inflar como uma cabaça podre, minado a partir de dentro por uma Constituição anacrónica e colectivista, deixando lavrar, a eito, leis que somente ao legislador e seus correligionários podem ser benfazejas. Também isto grassa sem oposição no seio de quem vota.

 

Cui bono?

 

Programas operacionais, obras faraónicas, processos infindáveis ou que se finam num arquivo sumário, autarcas convocados às custas do erário para que neguem gostar de automóveis: o ridículo e a pilhéria cobriram de desgraça, à falta de vergonha, três gerações de portugueses. Onde em tempos o teor das minhas palavras faria soerguer debate, hoje haverá quem me queira empalado por não acrescentar "e as portuguesas", sintoma maior da parvoíce e da leviandade incrustadas no meio de todos, e em cuja senda caminham males ainda maiores.

 

Corrupção. Nos partidos, há já filhos e netos à espera da sua fatia. De entre os que não se abstêm, alguns ainda acreditam, na inocência de quem labora honestamente, que é uma questão de tempo, que Roma não se fez num dia, enfim, que podia ser pior. Que dantes andávamos descalços e sem pão, e como tal devemos fechar os olhos e relativizar o esbulho e o gáudio em que refocilam os mesmos de sempre, que chamaram à União Europeia um figo dourado.

 

Cui bono?

 

A quem favorece a burocracia e a imanente estagnação da sociedade?

 

Ignorância. Infantilização por via do amorfismo cultural e académico, do escárnio para com a dissonância; a promoção subsidiada da puerícia, a salvo de tudo, particularmente de si mesmos. Uma redoma que traduz com o viés necessário qualquer tentativa individual de interpretação da realidade. Jornais, televisões e rádios que complementam a apatia e o catéter anestésico. Jovens promissores reduzidos à boçalidade, crianças nascidas livres mas tornadas em títeres mimados e incapazes de vingar uma vez desligados da máquina estatal.

 

É isto que os portugueses querem para o futuro. Reparem, não falta aqui nenhum ponto de interrogação. Querem-no e estão de boas relações com as suas consciências, pois assim têm votado, livres de coacção, sem que ninguém sobrevenha no acto do sufrágio, coarctando a sua real intenção. E assim o têm, ou pelo menos, certamente que assim o dirá o espelho de suas casas, quando todas as manhãs, na mesma insatisfação modorrenta do dia anterior, se forçarem a encarar mais um dia, ainda outra jornada.

 

Terei mais a dizer. A razão dita-me que cerceie essa vontade agora, para que possa postar isto, mas a emoção manda que escreva mais.

Um verdadeiro liberal, aprendi, é humilde. Não diz que sabe, ainda que saiba. E muitas vezes, a maioria das vezes, dirá que não sabe, por ser verdade. É agnóstico, e senta-se entre os muros ávido do saber, do rigor que advém com o entendimento da própria discussão, do próprio debate. Não advoga o fanatismo e chama uma crença a uma crença e um facto a um facto. Lida com absolutos com a mesma tranquilidade que lhe permite relativizar a comédia e a tragédia.

A lacuna de liberalismo, em Portugal, passou de risível a gravosa, mas para azar dos imperecíveis que teimam sangrar a tudo e a todos, é para eles o princípio do fim.

 

Se vi na manifestação de sábado a herança do PREC, os idiotas úteis, e os meninos bem postos que se charram e querem ser "mitras"? Se vi gente desvairada que pretende apenas mais dinheiro fácil para estoirar em futilidades? Vi tudo isso. Querem saber, contudo, a melhor parte? Eram peduncularmente minoritários. Contar-se-iam dois ou três em cada cem.

 

É aos outros que este post é dedicado, porque a ninguém deve ser permitido, impunemente, que escarneça e apouque daqueles que, finalmente, saíram de casa e começaram a resistir.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 20:55

Le bordel de Paris

por João Quaresma, em 06.09.12

Como em todos os bordéis, na política há sempre uma prostituta velha a quem já ninguém liga mas que insiste em não se reformar. Agora defende um novo imposto sobre os mais ricos (destas não dizia ela quando concorreu a Belém e encheu a Alameda de "fascistas"). Depois do bochechas e desta gaja, quem mais mandará o Sócrates ladrar a seguir? Um capitão de abril, um bispo ou um bastonário? 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 16:20

Mais um bonzão....

por Nuno Castelo-Branco, em 21.05.12

...socialista. Segundo a lista há uns dias criteriosamente apresentada pelo dr. Mário Soares, Strauss-Kahn também é um "dos bons", tal como coisa santa também era o exilado na Tunísia sr. Craxi. Talvez a straus-kahniana bondade se refira a isto, pois parece que apesar da idade, o homem tem um vigor invejável até para os números de grupo. Claro que ninguém teria nada de se meter na sua vida privada, se esta não envolvesse certo tipo de exotismos involuntários para as outras partes.

 

"Proxenetismo agravado, estupro colectivo, rede de prostituição" em festas de arromba? Ora, pensávamos que isso só acontecia aos devassos da direita como o sr. Berlusconi.

 

Yes he Khan!

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 22:26

Lanternas vermelhas

por Nuno Castelo-Branco, em 01.03.12

É um tema controverso e capaz de incendiar qualquer ambiente. No entanto o problema existe, sempre existiu e existirá e não valerá a pena seguir cartilhas religiosas ou a habitual conversa "moraleira de classe" do PC. Urge proceder à legalização e regulamentação da actividade, a bem da segurança, saúde pública, direitos e protecção de quem se dedica a esses afazeres.

 

Chegou ao fim a missão dos mártires e camaradas invocando "Marias Madalenas" ou "filhas de Lenine". Basta de argumentório do chácha.

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 13:44

O freguês que se segue

por Pedro Quartin Graça, em 02.09.11
De acordo com o semanário português "Sol", que cita a BBC, em Bonn na Alemanha, o município local instalou parquímetros para cobrar uma taxa às prostitutas que trabalham na rua.

Tendo em conta que a actividade está legalizada no país e que as profissionais do sexo que trabalham em casas de alterne são taxadas, o governo local decidiu que seria mais equitativo cobrar também impostos àquelas que trabalham na rua.

Assim sendo, cada trabalhadora deve depositar por seis euros por noite, o que lhes permite trabalhar durante 10 horas na rua, entre as 20.15 e as seis da manhã.

O pagamento será fiscalizado por funcionários públicos e quando tal não acontecer, a mulher fica sujeita ao pagamento de uma multa.

Embora a prostituição seja legal na Alemanha desde 2002, a actividade dos profissionais do sexo não agrada aos moradores de Bonn. Para satisfazer os cidadãos e proteger as prostitutas, a câmara municipal criou uma área específica para destinada para o efeito.

De acordo ainda com a BBC, foram construídas garagens especiais, feitas de madeira para que os clientes possam estacionar os seus carros e a zona é policiada por um agente da autoridade.

Se esta notícia chega ao Dr. Vitor Gaspar, não só a legalização da prostituição será uma realidade em breve, como uma nova receita fiscal está aí a chegar...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

publicado às 08:35






Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas