Saltar para: Posts [1], Pesquisa e Arquivos [2]



Quimioterapia

por Fernando Melro dos Santos, em 15.06.14

 

Hoje, um domingo em 2014, fui ao cinema ver um bom filme, interessante e provocador mas acessível q.b. para que num dia saudável a sala tivesse, pelo menos, recebido 1/3 da sua capacidade. Estava assim, como a foto ilustra. 

 

E Portugal é isto, um país em quimioterapia constante, à espera da remissão com a cabeça na areia indeciso entre puxar das gónadas e morrer do mal, ou persistir em ficcionar um argumentário infantil - porque sem religião ("somos laicos") nem ética (abortamos de punho erguido) e quando os novos senhores que passámos a idolatrar - o Estado, a Instituição, o Ninho de Especialistas, a Incubadora de Salvações - nos abandonam, é isto que sobra: o Outro sozinho três filas mais adiante.

 

De regresso a casa, passei por muitas esplanadas, que nem estavam cheias, nem vazias. Em todas, porém, havia gente que ria, e outros que não riam. De entre os que não riam, percebia-se a ruína completa das suas faculdades anímicas. Pois se está um tempo tão bom, como não rir?

 

E nos que sorviam com a largesse que apenas os que muito e os que nada sabem podem exibir, havia um cisma. Porque alguns riam no timbre estugado de quem pretende chegar depressa ao copo cujo ordinal marca o fim do orçamento pré-estipulado, para poderem dali fugir e na reclusão carpir a diferença entre esta tarde e as de há tempos; e outros riam do próprio riso, numa espécie de acto bacteriano onde a vida de cada interveniente se mede em períodos tão curtos que só a colónia aparenta permanecer coesa à lupa do bom cientista.

 

Que estranhos dias, uma pessoa sair de casa e aperceber-se de que os conceitos de diversão, saúde e até de Vida ficaram reduzidos às patranhas - que ingenuamente, em moço, sempre pensei que não iludissem um cego, ai, um invisual - impingidas por socialistas de esquerda, centro, direita e nenhures, e que a resposta das massas é afinal a pergunta que não serve para nada: ó doutor, mas eu trato-me e fico curado?

 

Fica, fica. Esteja descansado. Vá para casa e faça a sua vida normal, como todos os dias. 

 

Adenda às 17:10

 

Este poderia ser um post sobre amizades perdidas, que é como dizer, sobre a ligeireza com que as pessoas mudam. Por vezes por crerem que da mudança virá o alento, ou a paz, ou que mudando a luz do Sol deixará de ferir com tanta inclemência os olhos por detrás do vidro de marca. 

 

Um post sobre quem deixa de procurar respostas no espelho, no silêncio e nas trevas, por medo ou por birra, e vai no seu encalço para a praia da moda, para dentro da turba néscia, para o copo mais caro no cubículo onde se é mais visto, et caetera ad nauseam. 

 

Mas é um post sobre uma sala de cinema vazia, que é outra forma de ter pena, e raiva, que são dois lados da mesma moeda, pelo sentimento de repulsa que me causa pensar numa expressão outrora querida, e hoje esvaziada: ama o teu semelhante. 

 

Cada vez há menos dos semelhantes que importam.

 

 

publicado às 15:56





Posts recentes


Arquivo

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2016
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2015
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2014
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2013
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2012
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2011
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2010
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D
  131. 2009
  132. J
  133. F
  134. M
  135. A
  136. M
  137. J
  138. J
  139. A
  140. S
  141. O
  142. N
  143. D
  144. 2008
  145. J
  146. F
  147. M
  148. A
  149. M
  150. J
  151. J
  152. A
  153. S
  154. O
  155. N
  156. D
  157. 2007
  158. J
  159. F
  160. M
  161. A
  162. M
  163. J
  164. J
  165. A
  166. S
  167. O
  168. N
  169. D

Links

Estados protegidos

  •  
  • Estados amigos

  •  
  • Estados soberanos

  •  
  • Estados soberanos de outras línguas

  •  
  • Monarquia

  •  
  • Monarquia em outras línguas

  •  
  • Think tanks e organizações nacionais

  •  
  • Think tanks e organizações estrangeiros

  •  
  • Informação nacional

  •  
  • Informação internacional

  •  
  • Revistas